Entretenimento

Várias mulheres em uma Ophelia

diario da manha
FOTOS: CIDA CARNEIRO

O universo feminino e a representatividade da mulher na sociedade e na dramaturgia são temas abor­dados no novo espetáculo da Anthropos Cia de Arte. Ophelia estreia hoje (14/12), às 20h, no Centro Cultural Octo Marques, com entrada gratuita. O grupo faz mais três apresentações nos dias 16 e 17/12.

A ideia nasce da personagem escrita por William Shakespeare, considerado o maior dramaturgo de todos os tempos. Em Hamlet, o autor nos apresenta Ophelia, mulher da corte que se vê priva­da de amor e mergulha em sua própria loucura. “No texto ori­ginal, Shakespeare não se apro­funda muito na personagem. Ela é quase como uma figura mítica. É o desenho de uma moça perfei­ta, mas que no final o que parecia perfeito acaba a levando ao suicí­dio. Com este espetáculo traze­mos Ophelia em cena e deixamos que ela se expresse”, comenta Ali­ne Isabel, uma das atrizes.

REPRESENTATIVIDADE FEMININA

Uma tragédia que termina no suicídio, na morte. Ou começa? A nova versão da Anthropos Cia de Arte nos faz questionar sobre o que Ophelia representa nos dias atuais. Uma história que se en­trelaça na história de várias mu­lheres ao redor do mundo. A co­meçar pelas atrizes. Lizandra Olvrak, Juliana Junqueira e Ali­ne Isabel dão vida a uma mes­ma personagem, cada qual car­regando consigo experiências e questionamentos diversos sobre desafios, dores, angústias e pra­zeres do universo feminino.

“Acreditamos que a participa­ção criativa do espectador permi­te que sua percepção da obra seja baseada numa postura questio­nadora e crítica. E para que isso ocorra é necessário deslocar as formas habituais de recepção do teatro”, comenta Constantino Isi­doro, diretor do espetáculo.

A encenação de Ophelia explo­ra os limites expressivos do teatro, da dança, da performance e das artes visuais. As fronteiras artísti­cas são diluídas e transgredidas para compor um mosaico de ima­gens sensíveis, capaz de proporcio­nar uma experiência estética úni­ca e excitante. O espetáculo que ocupa todas as galerias do Centro Cultural Octo Marques é um con­vite para refletir as dinâmicas, a presença e a força do feminino de Shakespeare e da atualidade.

O texto autoral foi produzido em conjunto pelos integrantes da Antrhopos Cia de Arte após extensa pesquisa. Com direção de Constantino Isidoro e assis­tência de direção de Arilton Ro­cha, Ophelia possui fomento da Lei Goyazes e Lei Municipal de Incentivo à Cultura.

SOBRE A ANTHROPOS

A Anthropos Cia de Arte atua desde o ano de 1989 na produção de espetáculos teatrais em Goiâ­nia; com pesquisa e envolvimen­to com a comunidade local cons­truiu, neste período, um repertório artístico teatral de visibilidade, o que é confirmado pelo sucesso das produções e conceito profissional.

A companhia surgiu do de­sejo de realização de uma arte dramática criativa, de qualida­de e que tenha como eixo a con­vicção de um teatro engajado à sua comunidade.

Nos últimos três anos tem se dedicado à pesquisa da lingua­gem teatral em suas diversas in­terações, produzindo, além de espetáculos, ações culturais de escopo amplo, abrangendo a for­mação e capacitação técnica e profissional de artistas cênicos de variados agrupamentos da cida­de de Goiânia e entorno. As ações formativas abrangem as áreas de direção teatral, interpretação, dramaturgia e gestão cultural.

OPHELIA

Estreia: Quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Horário: 20h

Datas: 16/12, às 15h e 20h

17/12, às 20h

Local: Centro Cultural Octo Marques

Endereço: Ed. Parthenon Cen­ter, Rua 4, Centro, Goiânia

Classificação: 16 anos

Entrada gratuita

 

Comentários

Mais de Entretenimento

9 de julho de 2019 as 11:36

Cuphead vai se tornar série na Netflix

25 de maio de 2019 as 19:51

Atriz Lady Francisco morre no Rio