Esportes

Amor de um pelo outro é motivação extra para Alex e Camila na Copa Rio de Ciclismo

Competição terá largada às 7h deste domingo, na Enseada de Botafogo

RIO – Se não é possível praticar um esporte sem amá-lo, dedicar-se a uma modalidade dever ser ainda melhor quando se faz isso ao lado de quem se ama. É o caso dos atletas Alex Arseno, de 32 anos, e Camila Coelho, de 27, que estarão competindo nas categorias elite masculina e feminina da Copa Rio de Janeiro de Ciclismo, na Enseada de Botafogo, neste domingo, a partir das 7h. Com todos os atletas na luta para manter vivo o sonho de disputar as Olimpíadas do Rio, em 2016, a etapa vale pontuação máxima para o ranking nacional classe 3 da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC).

Na Copa Rio, os dois apaixonados ocupam, cada qual, o terceiro lugar em suas categorias. Alex tem 86 pontos, atrás de Verinaldo Vandeira, com 121, e de Adélio Silva, com 92. No feminino, Camila tem 108 pontos, atrás de Fernanda Souza, com 139, e de Luciene Silva, com 120. Este ano, o curitibano Alex venceu o Desafio do Tour do Rio, em janeiro, e a Prova Clássica de Varginha-MG. Em agosto, vai disputar pela primeira vez o Tour do Rio (prova exclusivamente masculina que percorre cidades do Estado do Rio ao longo de seis dias). A respeito da prova de hoje, num percurso plano, talvez não esteja tão de acordo com as preferências do atleta da equipe de Taubaté.

— Eu prefiro um terreno mais acidentado. Por ser uma prova plana, acredito que vá ser decidida no sprint (arrancada final). Então, vou com o pensamento de trabalhar para a equipe, se for preciso — disse ele, que não vai aos Jogos Pan-Americanos de Toronto, em julho. — Para 2016, estou correndo por fora. Este ano estou retomando o melhor ritmo da minha carreira.

Na Copa Rio, depois de ter ficado de fora da etapa de Itaipava, Camila, da Memorial de Santos, obteve dois segundos lugares, em Angra dos Reis e no Arcom Metropolitano da Baixada, em Japeri, a mais recente, em maio. Na atual edição, ela luta pelo tri da Copa, que já conquistou em 2012 e no ano passado.

— A pista plana me favorece, porque sou velocista. Eu vou correr em dupla com a Ana Paula Polegatch, minha companheira de equipe (vencedora do Desafio Tour do Rio deste ano), e gosto de competir na enseada, porque é um cenário incrível. Gosto muito de correr no Rio, porque a organização é muito boa — comentou Camila, que não foi convocada para ir ao Pan. — As Olimpíadas são um sonho, e a gente core atrás. Fiquei um tanto decepcionada agora, por não ir ao Pan, mas a gente que ama o ciclismo continua a lutar.

Por falar em amor, Alex e Camila se conheceram em competições há cinco anos, e o relacionamento se firmou por meio da internet. Eles estão casados há dois anos. Alex cursa educação física, e Camila já tentou educação física e administração, mas ainda não encontrou a carreira mais adequada.

— O amor ao ciclismo firma o nosso amor. Estamos sempre juntos. O esporte requer um equilíbrio, e quando um está para baixo, o outro incentiva. Um motiva o outro. Além disso, somos terceiros-sargentos da Aeronáutica e vamos representar o Brasil nos Jogos Mundiais Militares, na Coreia do Sul, em outubro — antecipou ela.

Na pista emoldurada pelo Pão de Açúcar e Morro da Urca, estarão mais de 200 atletas em 24 categorias, divididas entre elite, profissionais e amadores, além da categoria paralímpica handbike, na disputa por R$ 15 mil em prêmios. Após quatro anos em atividade, a Copa Rio de Janeiro de Ciclismo apresenta um crescimento anual superior a 500%, segundo a organizadora Maria Luisa Jucá.

— Ela começou com 73 atletas e hoje conta com cerca de 500 inscritos em cada etapa. O número de atletas participantes e, principalmente, o número de atletas que voltam para a prova é o melhor resultado que poderíamos conquistar. Isso é fundamental para o crescimento do ciclismo e para a difusão do esporte no Brasil.

Diretora esportiva da competição, Rita Almeida explicou que esta etapa na Enseada de Botafogo será decisiva para os atletas.

— Ela tem um peso maior por ter a maior pontuação do ranking nacional. Os atletas estão vindo de três etapas totalmente distintas, duas de montanha, em Itaipava e em Angra dos Reis, e uma de estrada, no Arco Metropolitano. Agora, os nossos campeões enfrentarão um percurso em circuito. Essa diversidade em cada etapa é uma característica da Copa Rio de Janeiro de Ciclismo. A nossa penúltima etapa irá definir o ranking para que os atletas venham com força total para brigar pelo pódio da última etapa.

Comentários

Mais de Esportes