Esportes

Velejador alemão diz ter sido infectado

diario da manha

Da redação

O velejador alemão Erik Heil foi internado em um hospital de Berlim, na Alemanha, com quadro de infecção nas pernas e no quadril pouco menos de um semana depois de participar do evento-teste da vela na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro. Erik foi medalha de bronze na classe 49er ao lado de Thomas Plobel. O velejador passou por cirurgias para remover as inflamações, provenientes de bactérias. Quatro delas nas pernas e uma no quadril. Exames foram feitos para detectar se a água da Baía de Guanabara seria a responsável pelo quadro do atleta.

Em conversa com o site alemão “Sail World”, Erik disse não ter dúvidas de que o esgoto que é despejado na Baía de Guanabara seria o responsável pela infecção.

“Nunca na vida tive problemas com infecções nas pernas. Nunca. Acredito que seja resultado do constante contato com a água da Baía de  Guanabara. O lixo do hospital da cidade vai direto para a Marina da Glória. Só espero que não tenha sido uma daquelas bactérias resistentes que te deixam destruído”, disse Erik.

A Companhia Estadual de Águas e Esgoto (Cedae). De acordo com o órgão, as afirmações de Erik são completamente inverídicas.

“As declarações do atleta Erik Heil são totalmente infundadas. Para começar, a afirmação feita pelo velejador de que o esgoto de hospitais municipais seria despejado sem tratamento nas águas da Baía de Guanabara é completamente inverídica. Todos os hospitais municipais e estaduais têm seu esgoto conectado no sistema de tratamento formal da Cedae. Além disso, todas as raias de competição estão dentro dos padrões internacionais de balneabilidade para contato primário, conforme divulgação ao longo do evento pelo órgão ambiental do estado. Caso semelhante, do atleta sul-coreano Wonwoo Cho, que em primeiro momento atribuiu seu mal estar às águas da baía, teve constatação por meio de laudo do hospital de mal estar causado por “diarreia do viajante”. Portanto, tais afirmações não têm sustentação e não são procedentes”, disse a Cedae.

Comentários

Mais de Esportes