Esportes

“Ganhar clássico é título”

diario da manha

A última vez que o Vila Nova havia ganhado um clássico contra o Atlético foi em fevereiro de 2014. O placar na época foi o mesmo deste domingo, 1 a 0. De lá pra cá, tinha sido só revés. Essa vitória, em especial, tem uma importância maior para o Tigrão. Se perdesse, iria disputar os próximos jogos do Campeonato Goiano pensando em escapar do rebaixamento. Com a vitória em cima do Dragão, agora o Colorado pode fazer um trabalho com mais calma.
O elenco comemorou bastante este sucesso e Robston, como sempre, fez suas declarações. “Estamos tomando pancada desde o primeiro jogo da competição e foi merecido, pois não estávamos jogando nada. Hoje (domingo), tivemos uma postura diferente. Falei no vestiário que a corda estava no nosso pescoço. Ou a gente se enforcava de vez hoje ou a gente respirava. E nós respiramos um pouco, mas nada disso vai adiantar se mantivermos a sequência ruim, principalmente já na quarta-feira (amanhã), contra a Anapolina, em Anápolis. Temos que fazer um jogo igual ao de hoje para conquistarmos nosso objetivo. Demos um passo importante hoje e recuperamos muita coisa. Mas só isso não basta. Temos que conquistar uma vitória lá em Anápolis também”, explicou o capitão.
Robston também analisou a tabela de classificação e a importância desta vitória: “Quem viu o jogo, viu uma equipe totalmente diferente, aguerrida, que criou boas chances. Clássico é diferente, é uma final de campeonato. Ganhar clássico é título. Se eles acham que já estão com folga na classificação, tem de ver que o grupo embolou e está todo mundo na briga. Agora eles têm um confronto contra a Aparecidense e ou eles matam ou colocam a Aparecidense no campeonato. Para a gente, foi um título sim, porque tiveram muita soberba com a gente nessa semana e a gente mostrou que podemos conseguir as coisas quando temos vontade e determinação”.
Quem também fez boas declarações a respeito do clássico de domingo foi o meia Zotti. Ele enalteceu o trabalho do técnico Rogério Mancini. “Realmente tivemos uma sequência ruim e o presidente nos cobrou. Teve um momento do campeonato que ficamos nove jogos sem perder. Jogador não derruba treinador, se nós perdêssemos estaríamos brigando contra o rebaixamento. Foi uma questão de adaptação de esquema. Com o Mancini, as coisas se encaixaram e o esquema deu certo”, disse Zotti.
O Tigre agora depende exclusivamente de suas próprias pernas para se classificar. Restam dois jogos, o primeiro é em Anápolis nesta quarta-feira contra a Anapolina e depois domingo, em Goiânia, contra a Aparecidense, confronto direto. Mesmo tendo um jogo a mais que a Aparecidense, adversário que segue na cola, o Vila se classifica com duas vitórias.

Comentários

Mais de Esportes