Esportes

Ainda sem jogar, Edcarlos defende zaga esmeraldina

diario da manha
Zagueiro não atua desde novembro e pode estrear contra o São Bento(FOTO:ROSIRON RODRIGUES/GOIÁS E.C)

Derrotado pelo Grêmio na pri­meira partida das oitavas de final da Copa do Brasil, o Goiás agora volta suas atenções para a Série B. A com­petição é tratada como prioridade para a temporada, no entanto, o início da equipe é ruim. São duas derrotas em dois jogos, que colo­caram o time na zona de rebaixa­mento momentaneamente.

Para o zagueiro Edcarlos, ago­ra a equipe precisa virar a chave da Copa do Brasil. Segundo ele, a vi­tória no jogo diante do São Bento é fundamental para as pretensões do time na temporada. “Quando se disputa duas competições ao mesmo tempo, nós temos que ter o discernimento de trocar a chave. Para nós não terminou a Copa do Brasil ainda. Agora é estar focado na Série B, estamos vindo de duas derrotas, mas o que me deixa feliz é que o grupo está focado. Agora está na hora de pontuar e os três pon­tos são fundamentais para a gen­te no sábado’’, destacou o zagueiro.

Contratado durante a reta final do Campeonato Goiano, o zaguei­ro irá fazer sua estreia com a camisa esmeraldina. O defensor foi confir­mado pelo treinador Hélio dos An­jos, que não revelou quem será sa­cado para a entrada de Edcarlos. O jogador garantiu estar prepara­do para entrar em campo, mesmo sem atuar desde novembro do ano passado. “Eu já estou adaptado com o grupo e com o esquema tático. Se a opção for para estrear nesse jogo eu estou pronto e preparado para essa partida’’, falou o jogador.

Contestada pela torcida, a de­fesa vem sofrendo contra os ata­ques adversários. Nos dois jogos pela Série B, o time sofreu quatro gols. Para Edcarlos, o sistema de­fensivo não é o único culpado pelos gols. Porém, o zagueiro frisou que se o time quiser subir, precisa di­minuir o número de gols sofridos.

“A marcação na verdade co­meça do ataque. É um peso mui­to grande jogar isso nas costas de dois zagueiros e o goleiro. Só esses três não vão resolver pro­blemas, isso é como um todo. Quando o time não está fazen­do muitos gols, muitas vezes nós vamos lá para frente e fazemos gols de bola parada e ajudamos a equipe. Eu acho que é uma troca, uma junção. O nível de gols so­fridos vai diminuir, se quisermos subir’’, frisou o zagueiro.

 

Comentários

Mais de Esportes