Esportes

O templo do futebol para o maior clássico do continente: Brasil e Argentina decidem a Copa América no Maracanã

Invicta sobre seleções sul-americanas sob o comando de Tite, Seleção Canarinho busca o bicampeonato. Messi terá a quinta oportunidade de quebrar o jejum de títulos da Argentina

diario da manha
Maracanã será o palco da grande final (Foto: Divulgação)

O Maracanã, um dos maiores palcos do futebol mundial, receberá um Brasil e Argentina especial. Os responsáveis pelo maior clássico das Américas se encontram pela quarta vez em uma grande decisão da Copa América, neste sábado (10) às 21h.

A última delas, há 14 anos, traz boas memórias aos brasileiros. Na Copa América de 2007, disputada na Venezuela, a Seleção Canarinho encarou os hermanos na decisão e venceu por 3 a 0, com gols de Júlio Baptista, Ayala (contra) e Daniel Alves. Na ocasião, o Brasil conquistou seu oitavo título da competição.

Brasil x Argentina - Copa América 2007
Júlio Baptista disputa com Mascherano. Heinze corre para acompanhar enquanto Riquelme e Doni (de cinza) observam ao fundo (Foto: Sergio Pinto/CBF)

No retrospecto histórico a grande vantagem está favorável à seleção pentacampeã mundial. Nos 107 encontros que ocorreram até aqui, o Brasil saiu vencedor em 43 oportunidades e derrotado em 39. O empate sobressaiu no placar em 25 vezes. Em jogos oficiais são oito jogos sem derrota – a última vez que a Argentina venceu foi pelas Eliminatórias da Copa de 2006, por 3 a 1, em Buenos Aires. Na Copa América, os argentinos não sabem o que é vencer o Brasil desde 1991.

No duelo em decisões a vantagem também é auriverde. De quatro encontros em decisões, o Brasil venceu três. A única vitória argentina foi há 84 anos, na Copa América de 1937. Desde então, o Brasil venceu a Copa América de 2004 e 2007, além da Copa das Confederações, em 2005.

O duelo deste sábado terá ingredientes especiais. As duas seleções se enfrentam pela primeira vez numa final no Maracanã – fato que já poderia ter acontecido, caso o Brasil não fosse trucidado pela Alemanha na semifinal da Copa do Mundo de 2014.

Do lado argentino, Messi tem uma das últimas chances de conquistar um título com a seleção. O meia de 34 anos disputou quatro finais com a albiceleste – e perdeu todas: Copas Américas de 2007, 2015, 2016 e final da Copa do Mundo, em 2014. Terá mais uma oportunidade de encerrar o jejum de títulos para a Argentina, que não vence um título há 28 anos.

Já do lado brasileiro, Neymar vive a expectativa de colocar a sua primeira Copa América no currículo, já que em 2019, lesionado, esteve fora. Além disso, o jogador que chamou a responsabilidade quer mostrar que está em forma para ser, mais uma vez, o principal jogador do Brasil na Copa de 2022.

Para o duelo ambas equipes vem com seus times principais. No Brasil, existe a expectativa que Alisson volte a ser o titular no lugar de Ederson, que disputou as últimas duas partidas. Porém, o goleiro do Manchester City fez jogos seguros e se mostrou preparado para a decisão.

Por outro lado, Tite terá o desfalque certo de Gabriel Jesus, que expulso contra o Chile foi suspenso por dois jogos e está fora da decisão. Assim como na partida contra o Peru, Everton Cebolinha pode ser o titular. A provável escalação do Brasil terá Ederson (Alisson); Danilo, Marquinhos, Thiago Silva, Renan Lodi; Casemiro, Fred, Lucas Paquetá; Everton Cebolinha, Richarlison e Neymar.

Do lado argentino, Lionel Scaloni pode repetir o mesmo time que venceu a Colômbia nos pênaltis na última rodada, com Emiliano Martínez; Molina (Montiel), Otamendi, Pezzella, Tagliafico; Rodríguez, Lo Celso (Paredes), De Paul, Messi, Di María e Lautaro Martínez.

Comentários