Goiânia

Goiânia 88 anos: jovens de diferentes bairros sugerem melhorias

Por Goiânia ser uma capital nova, o DM ouviu jovens de diversos bairros da capital que sugerem melhorias nos setores onde moram, afinal, a segurança e a infraestrutura da cidade está nas mãos tanto dos órgãos públicos, quanto da população jovem, que tem a responsabilidade de preservar a cidade e lutar pelos seus direitos

diario da manha
Foto: Fernando Keller

Neste domingo, 24, Goiânia completa 88 anos desde sua fundação. No início, planejava-se uma capital para 50 mil habitantes, onde a Praça Cívica seria o ponto de encontro e por ali ficaria os limites urbanos da cidade.

Porém, ao longo dos anos, a Praça Cívica se tornou ponto de partida e a cidade foi ganhando novas formas, os traçados urbanos começaram a tomar novos rumos e as vias foram levando a cidade para outros cantos, começava ali a criação de uma nova identidade da capital.

Hoje, com 1.555.656 habitantes, Goiânia tem 641 bairros espalhados em sete regiões: centro, sul, sudoeste, norte, noroeste, leste e oeste. A cidade não possui mais apenas uma identidade, mas sim 641 identidades, cada bairro com suas particularidades, tradições e costumes.

Por Goiânia ser uma capital nova, o DM ouviu jovens de diversos bairros da capital que sugerem melhorias nos setores onde moram, afinal, a segurança e a infraestrutura da cidade está nas mãos tanto dos órgãos públicos, quanto da população jovem, que tem a responsabilidade de preservar a cidade e lutar pelos seus direitos.

O Diário da Manhã conversou com seis jovens de diferentes regiões da capital para ouvir suas reivindicações.

Jade Fleury Toccafondo, 22 anos. Moradora do Setor Pedro Ludovico.

“O setor Pedro Ludovico é um excelente setor de se morar, pois tem todo tipo de comércio. Entretanto, as ruas estão muito esburacadas ou com remendos que as deixam muito irregulares. Existem buracos que podem até estragar os carros. Ademais, algumas ruas são bem estreitas e é permitido estacionar dos dois lados ou é mão dupla. Acredito que é necessária uma fiscalização e organização do trânsito na região.”

Ana Beatriz da Silva Almeida, 23 anos. Reside no Setor Universitário

“Goiânia, cidade linda que me acolheu. Fiz bons amigos e boas histórias. Gostaria de ter um bairro mais florido, com mais praças e mais mercados de pequenos empreendedores. Na região do Universitário temos poucos microempreendimentos alimentícios. Seria uma boa para nós universitários e para a economia local”.

Matheus Fellipe Lima Silva, 22 anos.
Morador do Jardim Nova Esperança.

“Moro no Setor Jardim Nova Esperança, que acabou de passar pela implementação de uma rede de esgoto que contribuiu muito pra melhoraria da qualidade de vida. Porém, alguns pontos ainda são bem precários, a iluminação das ruas e das praças deixa muito a desejar, o que torna o setor escuro e ainda mais perigoso, o que se torna quase uma proibição pra quem queira sair de casa a pé a noite”.

Pedro Eduardo Ochoa Michelon, 21 anos. Mora no Setor Bueno.

“Moro no Setor Bueno, gosto muito do meu bairro, tem várias praças, boa iluminação, de uma certa forma até que me sinto seguro andando por aqui (apesar de ser Goiânia), contém uma boa variedade de restaurantes, não deixando a desejar no quesito culinária. Entretanto, a logística das ruas e sinaleiros é um pouco ruim, contribuindo para um trânsito um tanto quanto caótico”.

Wilgner Pereira Reis, 20 anos. Morador do Jardim Europa.

“Meu bairro é ótimo, bem calmo, tranquilo, pertinho de tudo que me atende, mas as ruas esburacadas e sem iluminação são um problema para nós, moradores, que ficamos com medo à noite”.

Bianca Procópio, 24 anos. Mora no Parque das Laranjeiras.

Gosto dos parques, das árvores das casas e comércios no bairro. Porém há falta de iluminação nas ruas à noite, poderia haver instalação de postes para que possamos circular sem tanta preocupação.

Comentários