Internacional

Homem vai parar no hospital com ereção permanente

Em seu Instagram, o cantor disse que isso serve de alerta sobre o uso sem controle de remédios contra disfunção erétil

diario da manha
Foto/Reprodução

O cantor Danny Polaris, que vive em Berlim, Alemanha, foi hospitalizado por dez dias com uma dolorosa ereção constatante após usar uma medicação para disfunção erétil diretamente no pênis. De acordo com o artista, ele havia tomado um viagra antes de ir à uma festa, mas depois foi submetido a outro procedimento.

O cantor explicou que foi medicado por um enfermeiro com quem ele estava se relacionando. Segundo Danny, em entrevista ao jornal Pink News, essa foi uma das piores decisões da sua vida. Na manhã seguinte, o cantor relatou que ainda tinha uma ereção, mas adiou a procura de ajuda médica, em vez disso, foi para a Parada LGBTQ+ de Berlin.

Gritos de dor devido à ereção

Dois dias depois, quando a ereção ainda não havia diminuído, Polaris foi levado para o hospital em uma ambulância “gritando de dor”. No hospital, o cantor foi diagnosticado com um priapismo, que é uma ereção dolorosa de longa duração que pode causar danos permanentes ao pênis.

Médicos tentaram vários tratamentos para tentar reduzir o inchaço, utilizando agulhas para tentar remover o sangue. Além disso, a equipe medica tentou empurrar um prego de plástico pela sua uretra, sem anestesia, o que Polaris diz ser “dez em dez na escala de dor”.

Desesperados, os médicos até mesmo recorreram a uma cirurgia de emergência, tirando um vão da perna para tentar remover o sangue. No entanto, a ereção permanece após uma semana e meia.“Eu não sei se vou transar de novo”, disse. “Eu ainda tenho um pouco de ereção dez dias depois. Alguns dias eu acordo e só choro e penso o quão estúpido eu fui”, relatou o jovem cantor.

Em seu Instagram, Danny resolveu desabar com seus seguidores. De acordo com ele, isso poderia servir de alerta sobre o uso sem controle de medicamentos contra disfunção erétil e também sobre o priapismo, situação que pode gerar danos irreversíveis ao pênis.

Comentários