Opinião

Ao príncipe da cultura goiana

diario da manha

Onofre P. Santos, Especial para Diário da Manhã

Tenho em minha agenda vários nomes de pessoas respeitadas pela grandeza de seus jeitos culturais que nos fascinam. São semeadores de um porvir além, muito além, alcançando as planícies do horizonte.

Como de praxe, levam em suas mãos a caneta anotando em papel de rascunhos prelúdios de textos poéticos, textos e temas fascinantes para todos nós.

Um desses nomes de agenda faz iluminar os caminhos dos leitores com a riqueza de sua semeadura com lampejos surpreendentes. Ele é o cronista-mor de Goiânia. Mas quem é essa pessoa? Ora, todos sabemos: é o mestre poeta e escritor José Mendonça Teles.

Nesse 25 de março, data natalícia do filho de Bela Vista, eu digo: “Eu te vejo, José Mendonça Teles” me espelhando na sua obra literária Eu te vejo, Goiânia.

No meu jeito de ser, sempre me emociono quando vem à beila o nome desse amante da natureza, apaixonado desde menino até a atualidade pela Campinas da Flores, onde namorou as suas silenciosas por onde passou com os olhos molhados de lágrimas misturados com o surdo dos seus sonhos quando como jogador se emocionava ao fazer rolar a bala no legendário Estádio Antônio Acioly. Ali, com a voz tomada pela emoção, ritmava: vai, vai, vai, vai lá, timão rubro-negro. Dentre suas paixões na vida está o seu predileto Dragão.

Ele valorizou o venturoso Atlético não só como jogador, como também com o seu jeito marcante. Era o futebolista e escriba que “com a caneta e o papel”. Foi o autor da letra do hino oficial do Atlético. Por coincidência, seu companheiro atleticano, o jogador Guimarães (Dido), nasceu também no dia 25 de março, festejado pelos amigos Salomão Jorge e o médico Giussepe Peixoto e outros dirigentes do clube.

Nesta oportunidade quero mencionar alguns nomes da área do escrever ligados ao José Mendonça Teles: Nelci Silvério de Oliveira, Bariani Ortêncio, Nelson Figueiredo, Helio Moreira, Carmo Bernardo, Aidenor Aires, Abílio Wolney Aires Filho, Cirineu Barbosa de Castro, Walter Menezes, Tarzan de Castro, Ney Teles de Paula, Valdemes Menezes, Mariniano José da Silva, Gabriel Nascente, Gilberto Mendonça Teles, Alaor Barbosa, João Asmar e tantos outros.

 

(Onofre P. Santos – cronista, associado à AGI – Associação Goiana de Imprensa)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais