Opinião

Corumbá IV: o sinal verde do futuro

diario da manha

Liliane Roriz Especial para Opiniãopública

Todos nós temos acompanhando com bastante preocupação a penúria hídrica vivida pelo nosso País. E, apesar de Brasil possuir 8% de toda a água doce existente no planeta, a crise de abastecimento de água – e também de energia – já é uma realidade. Os efeitos catastróficos disso já são observados em diversas regiões brasileiras. A importância da água, como item primordial para a sobrevivência humana e para a geração de energia, até pouco tempo, só era discutida por ambientalistas. Muito embora a questão já tivesse sido levantada há alguns anos, a conscientização parece ter acontecido a conta-gotas. Se é que aconteceu para todos, que fique claro.
Acompanhar o desespero de Estados importantes do Brasil como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, por falta d’água, faz com que nós, moradores do Distrito Federal e do Entorno, nos sintamos, porém, abençoados de certa forma. Não que a água esteja garantida para sempre na “terra donde fluiria leite e mel”, como sonhou Dom Bosco. Mas porque, mesmo diante de crise tamanha, a visão de um governante conseguiu garantir um futuro menos perturbador para todos dessa região e afastar o fantasma da falta de água e energia da vida desses moradores.
Joaquim Roriz governou o Distrito Federal quatro vezes. Em 4 de abril de 2006, pouco antes de finalizar seu último governo, inaugurou a Usina Corumbá IV, que nasceu da vontade dele de garantir água e energia para o DF e o Entorno por gerações. Roriz realizou a obra mesmo diante de críticas que sofreu naquele tempo – provavelmente, pelas mesmas pessoas que, até então, sequer imaginavam que a escassez de água pudesse assolar o nosso país. Foi um governador visionário. Ou melhor, anteviu que com a pouca oferta de água na capital, aliado a uma das mais altas médias de consumo por habitante do País, os recursos hídricos para garantir o abastecimento da nossa região precisavam de olhar mais atento. E assim fez. Sem esperar que o sinal vermelho se acendesse.
Aliás, Roriz acendeu – com energia gerada da sua própria ideia, diga-se de passagem – o sinal verde do futuro quando, em 2004, o então governador Roriz anunciou a construção da barragem de Corumbá IV, que garantiria o abastecimento de água para a capital federal pelos próximos 100 anos. Em pleno funcionamento, Corumbá IV teria capacidade de captar, para distribuição, 120 metros cúbicos por segundo. Isso é 10 vezes mais do que capacidade instalada pela Caesb em 2004. Após inaugurada, contudo, pouca coisa foi feita de lá pra cá. Talvez, por medo dos novos governantes em acreditar que completar a obra de Corumbá IV seria creditar o sucesso a Roriz. Lamentavelmente, o que fizeram foi estagnar um processo de melhoria da qualidade de vida da população do Distrito Federal e no Entorno.
Mesmo assim, hoje, Corumbá IV é uma das poucas alternativas de futuro para a nossa região, afinal, a reserva construída em uma área de 173 km² já é vista como uma das poucas alternativas do crescimento da captação de água no território do DF e deverá acrescentar mais de 3,8m³/s ao sistema diário nos próximos anos. A preocupação, porém, continua. E deve continuar. Deixou de ser questão de qualidade de vida e passou a ser questão de sobrevivência. Para o nosso alívio, no entanto, tivemos a visão de Roriz que, com atitude vanguardista, enfrentou os críticos e deu nó em pingo d’água para garantir, por mais um tempo que seja, o abastecimento de água e energia não só para o Distrito Federal, mas também para as cidades do Entorno.

(Liliane Roriz, deputada distrital, vice-presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais