Opinião

Rapsódia escatológica

diario da manha

Ronaldo Cagiano ,Especial para Opinião Pública

Autor de vasta e premiada obra, Nelson de Oliveira transita por todos os gêneros, numa performance criativa que o particulariza no cenário da literatura brasileira como uma das carreiras mais prolíficas e talentosas de sua geração. Nos últimos anos, na esteira de sua irrequieta versatilidade, seu domicílio estético migrou para Luiz Bras, heterônimo com o qual se apresenta nesse novo patamar literário, abrindo espaço para outros olhares, também instigantes e cirúrgicos sobre o mundo e o quotidiano que o cercam, convivendo ainda com Téo Adorno e Valério Oliveira, signatários de uma usina efervescente de construções artísticas do mesmo quilate do seu criador.

Da ficção à poesia, do ensaio à crítica, Nelson/Luiz oferece ao leitor em sua oficina criativa um caleidoscópio de opções, incursionando também pela ficção científica, vertente na qual o autor vem laborando com rigor e talento, resgatando um gênero até então menoscabado pela crítica. Investindo na publicação de obras coletivas (como “Hiperconexões: universo expandido”); ou em trabalhos solo, a exemplo do recente “Distrito Federal” (Ed. Patuá, SP, 2014, 280 pgs, R$ 45), romance que vem – justamente nesse período em que o Brasil vive uma crise política e de escalonamento de valores éticos com uma enxurrada de denúncias de corrupção – de forma alegórica, sarcástica e bem humorada, fazer uma crítica da banalização do poder, a partir de seu ícone principal, a capital da República, sede dos três (podres) poderes e de uma esplanada de vilezas, onde o mar de lama ameaça as instituições e nos humilha perante o mundo.

“Distrito Federal” coloca na ordem do dia, com as tintas da supra-realidade, a sujeira generalizada, narrativa em que homem e máquina, consciência e virtualidade, são elementos que compõem uma linguagem devassadora desse momento. A obra, embora possa ser classificada como ficção científica, na verdade transcende a mera rotulação de gênero para inscrever-se como recurso literário multifacético, em que todas as possibilidades da linguagem são utilizadas para escandir o universo político em decomposição e realizar uma espécie de catarse coletiva. Nesse processo de vingança cibernética contra o vírus real da corrupção, encontra-se um personagem ao qual se atribuem poderes extraordinários para detectar o mínimo sinal de bandidagem nos escaninhos do poder, aferir desvios nos labirintos das instituições. Simulação, na era da tecnologia e da velocidade dos sistemas computadorizados, de uma versão atualizada e megabitizada do justiceiro (fusão de homem e máquina), que, à moda de um superpotente Lampião nanotecnologicamente criado, vai com sua tropa anti-virótica embrenhar-se na selva do poder para destronar o mal que tanto avassala a vida política nacional, um exterminador de corruptos que leva ao paroxismo sua conspiração profilática.

Criado à luz de uma concepção ultrarracional – porque a realidade que aí está só pode ser enfrentada num plano extremamente sofisticado de imaginação – esse protagonista super poderoso, filho da inteligência artificial e das próteses, desencadeando uma “Operação Lava Jato” ciborguiana, dialogando com personagens reais e lendários da vida e da história – vai rastreando o presente com seus guantes semióticos, extraindo do aluvião da roubalheira as pérolas do propinoduto nacional, e num processo radical de extinção, evitar um futuro com menos sensação de passado e impor novos padrões de vida, relacionamento e trato da coisa pública.

Nesse jogo entre ficção e realidade, fantasia e verdade, razão e subjetividade, o autor pretendeu, em chave rapsódica e prosa de fôlego, detectar o mal da classe política. A pulsão crítica impiedosa, em que tensão e drama, às vezes mitigados pelo nonsense, ganham status de denúncia, mas sem panfletarismo ou ideologia, expõem os mecanismos que tutelam e viciam o homem público. Destaca-se a habilidade do autor no tratamento de uma questão tão emergente e doída no inconsciente coletivo, pois não deixa pistas para inverossimilhança: tudo parece real na virtualidade utilizada no combate ao mundo cão da política suja.

Só mesmo a ficção científica para explicar (ou escandir) a decadência por que passam o Brasil e seu povo, a nação e seus políticos. E ninguém menos que Luiz Bras para refletir o sentimento de estranhamento e inquietação que vicejam no seio da sociedade brasileira e desconstruir, com uma obra impactante e sem símiles na nossa recente e malfadada história. “Distrito Federal” metaforiza a escatologia e o acento macunaímico de um País cujas instituições vivem em estado terminal, a ética experimenta um processo falimentar e a sociedade se contorce em espasmos diante de uma classe política sem heróis e sem caráter.

Nessa narrativa que incorpora uma visão niilista e perturbadora do caos nacional, Luiz Bras coloca o leitor “vis à vis” com nossos genéticos dilemas pessoais, sociais, históricos e políticos. Essa história instigante é também uma oportunidade para a implosão dos temp(l)os das mentiras que corroem todos os poderes, desde nossa infausta “descoberta” pelos portugueses, passando pelas crises do Império, da República; pela vergonha da escravidão e pelo arbítrio das ditaduras civil e militar, pelo suicídio de Vargas e o impeachment de Collor, e quem sabe, numa vocação de Fênix, esse País possa renascer dos próprios escombros.

 

(Ronaldo Cagiano, escritor, reside em São Paulo)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar