Opinião

A terceirização é o martírio impiedoso contra os trabalhadores

Dom Orvandil,Especial para Opinião Pública

diario da manha

 

Não sou do tipo de religioso pegajoso de Deus. Não vivo de bruços ou de joelhos entornando a paciência divina suplicando que Ele faça as coisas por mim ou mude o universo inteiro para que eu me sinta feliz. Essas sandices as deixo para o pessoal da falsa teologia da prosperidade e que os pietistas se fechem em altares alheios ao sofrimento dos outros, pedido que Deus se vire para resolvê-los.

Nada disso. Me unirei a trabalhadores, estudantes e outros seguimentos do movimento social para mobilizar o povo para parar no dia 29 de maio aqui em Goiânia e no Brasil. A partir das 5 horas “panfletearemos” e, com carro de som, conclamaremos os usuários do ônibus da linha “Eixão” da empresa estatal Metrobus a não transitarem naquele dia para o trabalho. Pararemos todas as linhas de ônibus na madrugada de 29. O ponto para o qual fui designado para atuar é o chamado Terminal da Praça da Bíblia, aqui entre o Setor Universitário e o Setor Leste Vila Nova, onde moro.

Lutar contra a terceirização é questão de consciência social, de consciência dos direitos humanos, de justiça social trabalhista e de patriotismo.

O campo de lutas se deslocou novamente para as ruas, como nos grandes momentos históricos marcados pela oposição ao golpe militar, a favor das eleições diretas e contra o neoliberalismo, nefasto aos trabalhadores, ao povo, à sociedade e ao País.

O contexto atual mostra que os deputados federais e senadores, em sua grande maioria, são achacadores, conservadores e servidores de propósitos atentatórios aos interesses dos trabalhadores e do povo; que o ministério da economia e o Banco Central são ocupados e manipulados por assaltantes da economia nacional e popular; que a correlação de forças corrói a energia do governo eleito para avançar nas transformações; que a apatia popular é fruto do golpe que desmobiliza o povo, esvaziando sua consciência das lutas cidadãs.

Portanto, é necessário que se vá onde a massa está e se a empurre para o alto da grandeza política.

O momento é de crueldade contra todos nós. É de falta de coração e de desrespeito a toda a história do trabalho, necessariamente feita de mobilizações e de solidificação da consciência de classe.

Quem expressou muito bem a crueldade contra os trabalhadores foi a “dona” Mônica Baumgarten, economista doutorada pela London School of Economics e pesquisadora do Peterson Institute for International Economics. Num artigo em sua coluna na Folha de S.Paulo no dia 21 de maio, a falsa intelectual afirma com arrogância, falta de respeito e tremendo vazio de compaixão que “a realidade do mercado de trabalho brasileiro mudou; a choradeira dos sindicatos é irrelevante”.

A “dona” Mônica, a serviço do deus mercado, prevê que não há futuro fora de terceirização. “Empregos estáveis e de tempo integral haverão de ceder cada vez mais espaço para os empregos em tempo parcial, para o autoemprego ou outros arranjos compatíveis com as necessidades do século 21 (…) só um em quatro trabalhadores no mundo desfruta, hoje, de emprego estável.”

Para aquele anjo do mal, a terceirização “reflete a expansão galopante das cadeias globais de valor, a rede de empresas que caracteriza a produção moderna”.

Quer dizer, esse discurso surrado e maléfico tenta enganar com dois polos, desculpe dizer, muito safados. Um de que a “realidade”, uma realidade que a elite dominante inventou, fora de toda e qualquer realidade objetiva que inclua os trabalhadores e as exigências de justiça social, ao afirmar que o mercado é um valor universal imutável e eterno em cujos pés todos têm que se ajoelhar.

O outro polo é de que a terceirização é inevitável, mesmo que destrua salários, estabilidades, dignidades e a consciência sindical de lutas como ferramentas de defesa dos direitos dos trabalhadores.

A luta dos trabalhadores é tomada estupidamente como choradeira. Pior, como choradeira irrelevante.

Para esse tipo de “raciocínio”, ou como gosta de dizer o pessoal da academia, é uma lógica tão perversa do tipo a dos escravocratas ao verem seus escravos gemendo de dor, destruídos pelas chibatadas dos capitães, sangrando com os pulsos exangues e amarrados, muitos morrendo de banzo (depressão pelas injustiças e matanças nas colônias e com saudade de suas raízes na África) sem sentir a dor e o sonho libertário que romperia os grilhões que os prendiam ao cepo.

Para essa gente os gemidos, os sofrimentos e as destruições humanas dos trabalhadores são choradeiras irrelevantes. O que importa são os lucros, é o assalto aos direitos e às conquistas desenhadas e construídas com muita luta desde 1915 quando se configurou no Brasil o direito do trabalho. O que importa são os luxos e privilégios da classe dominante, usufruídos do sangue dos “irrelevantes” trabalhadores.

É por causa do pensamento do modelo “dona” Mônica que os trabalhadores são ameaçados e os negros são mortos por policiais a serviço da brancura da elite que considera a subvida irrelevante.

No entanto, no dia 29 temos que nos levantar e tornar o pensamento de “dona” Mônica Baumgarten completamente irrelevante porque ameaça a sociedade brasileira.

Os trabalhadores mobilizados haverão de jogar no lixo a irrelevância de quem pensa, discursa e faz de tudo na mídia, no parlamento,  no governo e em seguimentos empresariais daninhos à justiça social, buscando destruir os degraus da escada em que se constituem em crescimento para a destruição do sistema que teima em desrespeitar a dignidade de quem produz as riquezas e sem elas vive neste País.

Dia 29 de maio de 2015 será a data para tornar irrelevante a terceirização defendida por energúmenos desprezíveis como a “dona” Monica Baumgarten.

 

(Dom Orvandil Moreira Barbosa, editor do blog +Cartas e Reflexões Proféticas, idealizador e presidente da Ibrapaz, bispo da Diocese Brasil Central e professor universitário)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais