Opinião

A violência urbana

Gercy Joaquim Camêlo,Especial para Diário da Manhã

diario da manha

No passado não muito distante, 80% da população brasileira morava na zona rural e só 20% na zona urbana. Consequentemente, não havia tanta violência nas cidades e menos ainda na zona rural. Naquela época, as famílias viviam em paz, de certo tempo para cá, é que a violência e a criminalidade tem aumentado, assustadoramente. Os bandidos não escolhem mais lugar para agirem, estão atuando no Brasil inteiro. Por isso, a insegurança tem sido um martírio na vida das famílias. Ninguém mais tem liberdade de ir e vir, a não ser os próprios criminosos.

Com a migração das pessoas da zona rural para a zona urbana houve um inchaço populacional das cidades, de forma desorganizada, causando sérios problemas sociais às administrações públicas municipais. Sem moradia, sem emprego e sem qualificação profissional, é claro que o resultado não poderia ser outro, que não fosse o aumento das dificuldades e até da miséria para essas famílias. Nas condições que passaram a viver, alguns optaram pelo mundo do crime e outros retornaram à roça, como última alternativa para sobreviverem e não se tornaram presas fáceis para os traficantes de drogas e os corruptores de menores. A ausência do Estado na vida dessas pessoas, foi determinante para o desvio de conduta de alguns e para a aproximação dos indivíduos que vivem fora da lei.

A violência urbana já saiu do controle do Estado e aumenta a cada dia que passa. As causas são por demais estudadas e conhecidas de todos. Há muita gente, jovens e adultos, perambulando pelas ruas das grandes cidades sem nada para fazerem. É preciso ocupá-los com trabalho, estudo e esportes, com a orientação e apoio do governo. É preciso afastar a juventude das drogas, enquanto há tempo. Elas estão destruindo a família brasileira. Corta o coração e causa revolta, quando deparamos com milhares de jovens e adultos abandonados e desprezados nas cracolândias espalhadas pelo Brasil, apenas esperando a morte chegar. Essas pessoas estão morrendo aos poucos, sem que o Estado tome nenhuma providência para impedir.

Outra questão séria que alimenta a violência e a criminalidade, é a frouxidão das leis e a ausência de punições justas para os criminosos. Vale lembrar que, mais de 60% dos marginais que a polícia prende, são reincidentes na prática criminosa e já foram presos diversas vezes, embora continuam soltos e praticando novos crimes. O trabalho da polícia nos últimos anos têm sido considerado a missão de enxugar gelo. Prende os bandidos hoje e a justiça os soltam amanhã. As consequências disso todo mundo tem visto, são os bandidos indiferentes com a condição de presos e, não raras vezes, debochando dos policiais e da justiça. O desafio à ordem estabelecida por parte desses marginais, é fruto da convicção de que não serão punidos.

A certeza que temos, é que a vida humana está cada vez valendo menos na carteira desses criminosos. A própria sociedade já não se assusta mais com as notícias sobre crimes, dando a impressão que está se acostumando com tanta violência no País. Isso não pode acontecer, em hipótese nenhuma. Temos que nos indignar cada vez mais com essa situação, cobrarmos providências das autoridades estabelecidas e, na medida do possível, fazermos também a nossa parte.

 

(Gercy Joaquim Camêlo, governador do Rotary International, distrito 4530, gestão 2012/2013)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais