Opinião

Aconselhamento feito com sabedoria e amor

Leordino Lopes de Carvalho,Especial para Opinião Pública

diario da manha

 

Salomão pediu uma espada e mandou que o bebê fosse cortado ao meio, uma solução bem estranha, mas funcionou. Na minha perspectiva como pastor. Porém, o dilema que Salomão teve que enfrentar naquela época foi mais fácil se comparado com os “nós górdios” (Alexandre o Grande) problemas de difícil solução, que as pessoas levam a minha presença, esperando receber aconselhamento. A complexidade da vida e a desordem que resulta da confusão moral de hoje tem feito o aconselhamento pessoal um desafio cada vez maior. Mesmo assim acho que Salomão daria conta do recado. A sabedoria é como um facão bem afiado, como Salomão nos diz: “Um varão sábio é forte e o varão de conhecimento consolida a força” (Pv. 24: 5). Uma coisa que nunca é demais para o pastor ou professor, para um conselheiro é a sabedoria, sabedoria para percorrer os caminhos sombrios da racionalização, das evasivas, do auto-engano e das emoções do coração humano. Coração que somente Deus tem condições de conhecer por completo, sabedoria para saber quando falar e quando ouvir. É preciso ouvir com atenção, ter sabedoria para saber quando acelerar e quando desacelerar o ritmo da conversa para empregar recursos espirituais não ‘religiosos’ com sensibilidade e com amor. Orientar que direção tomar, que mudança e como mudar é muita responsabilidade diante de Deus e da própria sociedade. Como é sério os desabafos familiares, marido e mulher, filhos, avós e netos. Precisamos de muitas orações para a busca da sabedoria que representa o lado espiritual e de bom senso do aconselhamento. Relações humanas no trabalho, as dúvidas do namoro, no lar, na sociedade, na igreja e a interrogação de como vivenciar e como buscar a paz e a felicidade. As mulheres sensíveis buscam como aliviar o seu sofrimento, suas dúvidas e as dificuldades de decisões importantes. Estresse e atenção atrapalha muito todos os relacionamentos. O amor precisa ser enfatizado pois o perdão depende dele, a  paciência, bondade e perseverança também. A verdade, a sinceridade para a pessoa e para o conselheiro é fundamental para soluções abençoadas. A fé é uma força  e os problemas conjugais, de negócios, os sociais possuem a necessidade de oração com a base da orientação e sempre vem o Espírito Santo para trazer a paz. O interessante é que muito tenho aprendido ao aconselhar ouvindo com atenção buscando de Deus a sabedoria com a finalidade de orientar com amor. O bom é poder ver a libertação e em paz aquela pessoa seguir o caminho da felicidade e da tranquilidade. As pessoas hoje estão muito carentes, a ansiedade, o estresse a tristeza profunda abre horizontes de desespero e pensamentos suicidas. À medida que eu e você olharmos mais intensamente para Jesus, nos voltarmos para sua Palavra e dependermos do seu Espírito Santo amenizaremos muitas dores de tantos sofridos. Tem que ser com muito amor para atender as almas e corações aflitos por um aconselhamento. Medite sobre isto é tenha mais atenções com o ser humano e como dizia minha mãe: “Um gesto, uma palavra, um olhar com amor, bastava.” Deus abençoe a todos com paz, saúde e  alegria.

 

(Pr. Leordino Lopes de Carvalho Junior – presidente do  CPA – Conselho de Pastores de Anápolis, vice-presidente da Cruzada pela Dignidade. E-mail- [email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais