Opinião

Ajuste fiscal, e daí? No Brasil o povo sempre paga a conta

Maione Padeiro ,Especial para Opinião Pública

diario da manha

Virou lenda que o Brasil só funciona depois do carnaval. Neste primeiro trimestre de 2015, nós brasileiros fomos pegos para de fato pagar a conta, afinal alguém tem que trabalhar e pagar, não é mesmo?

O aumento de impostos no crédito, anunciado pelo Governo Federal pesará diretamente no bolso da população e não dará margem para a redução dos juros no mercado, o que é nítido.

Agora, a maior revolta, talvez a mais visível seja a da alta do tributo sobre os combustíveis para o consumidor final, a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) e a PIS, a Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) .

Em todas as operações de crédito, incluindo financiamento imobiliário e empréstimo pessoal, o cidadão terá que arcar com uma alíquota maior do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), que subiu de 1,5% para 3%, ou seja, o dobro.

Para bom entendedor meia palavra basta, ou seja, o povo paga a conta, seja das campanhas eleitorais, seja da corrupção, seja da incompetência. Afinal, os incomodados que se mudem. Na prática, além das taxas de juros, o consumidor vai desembolsar uma quantia extra em tributos para a arrecadação do governo.

O aumento do imposto vai subir o custo dos financiamentos, ao passo que as taxas de juros devem continuar subindo. A medida é aumentar a arrecadação do governo federal, já que o IOF não é dividido entre os estados. Na prática, tomar dinheiro emprestado e fazer compras a prazo vai ficar mais caro.

O objetivo do governo federal, através de sua equipe econômica, é perseguir um superávit de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano de 2015. O aumento da tributação sobre os combustíveis nas refinarias faz parte do pacote do governo de elevação de impostos para tentar reequilibrar as contas públicas neste ano.

A medida tenta reverter a forte deterioração em 2014 pela fraca arrecadação do governo. Nesse diapasão, nós vamos pagar a conta, sem discutir e protestar, afinal a sensação daqueles que deveriam ser a favor do povo é de impunidade por seus próprios atos.

De acordo com o Fisco, o impacto do aumento seria de R$ 0,22 por litro para a gasolina e de R$ 0,15 para o diesel. Porém, o aumento variou em postos diferentes, chegando a R$ 0,35 em um dos postos. O governo espera arrecadar R$ 12,18 bilhões com a medida em 2015.

Senhora presidenta, até quando o povo vai pagar a conta, a senhora tão sensível exemplo visto recentemente foi sua comoção com o traficante brasileiro que foi morto na Indonésia, por favor, se comova, nós brasileiros, escravos do capitalismo selvagem pagando uma conta que não é nossa, nos ajude!

Lamento profundamente como cidadão, como membro de uma entidade classista, como operador do direito e um apaixonado por defender o povo das conveniências impostas pelas minorias.

 

(Maione Padeiro é presidente da Aciag Jovem)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais