Opinião

Eu tenho orgulho de ser pobre!

Eloiso Matos ,Especial para Opinião Pública

diario da manha

 

Não espere atitudes nobres de pessoas pobres de espírito.

(A.D)

A rua que  moro tem um asfalto de péssima qualidade, meus pais não têm bons empregos e às vezes até ficam desempregados, pois não tem qualificação profissional.

A rua que moro não é iluminada adequadamente e o orelhão foi quebrado, tenho celular, mas estou sem crédito para fazer ligações ou enviar mensagens, mas ele é de ultima geração.

Quando chove em minha casa tem muitas goteiras por isso precisamos arrastar os moveis do lugar, mas um dia vamos mudar e tudo vai melhorar porque vou ganhar na mega sena.

Não tenho dinheiro para tomar lanche todos os dias no colégio e mesmo assim conto vantagem e o depredo apesar de afetar o preço do lanche, mas não estou nem ai, meu pai me banca, mesmo que seja com dinheiro falsificado, mas estudo quem deve bancar é o governo arrecadando dos empresários que ficam cada vez mais ricos ás custas dos pobres trabalhadores.

Não possuo muitos uniformes para ir ao colégio que “estudo”, mas também não tenho humildade porque quero apenas aparecer e dizer que sou o cara. Ainda mais porque sou muito bonito, tenho o cabelo bom, estou sarrado e com muitos amigos  que se divertem comigo .

Durmo assim que chego do colégio e reclamo dos professores que passam tarefa para casa, dos meus pais que cobram de mim, destruo a escola que estudo riscando as paredes, quebrando ventiladores e carteiras. Jogo o lixo no chão da sala de aula, jogo também papel molhado no teto do banheiro e até o absorvente não sou capaz de jogar no lixo, mas no chão ou no vaso para entupi-lo ainda mais se estiver revoltado com uma nota ruim que o professor me “deu”.

Quando algum professor exige algo de mim, reclamo dele e falo mal para meus colegas,o desafio e até o ameaço de agressão física, pois a verbal já faço sempre, porque sei o que é melhor para mim e o professor é ultrapassado.

Quando a coordenação e a direção exigem de mim também invento alguma coisa da escola para os meus pais, faço-me de vitima, pois sei que eles acreditam em mim e vão me “defender” desta escola que não me aceita e esta sempre me perseguindo. Eles fazem coro comigo e também começam a falar mal do colégio, mas nem meus pais sabem que eu sou mesmo como eles pobre de espírito e não quero estudar de verdade.

Sempre que sou colocado para fora da sala de aula por bagunça e muita conversa, mesmo assim acredito que todos estão errados e apenas eu estou certo, porque sou injustiçado e vitima de uma sociedade com professores desqualificados e educação de péssima qualidade.

Posso ser aluno de uma escola publica ou particular, onde eu estiver  sei que destruo falando mal, não cumprindo com meus deveres escolares, porque sou pobre e tenho orgulho de ser um verdadeiro pobre de espírito, por isso a escola que frequento depredo; basta olhar para a carteira que eu sento, pois já até escrevi meu nome nela, as dos meus colegas também são marcadas, as paredes sujas, as portas, as janelas e os ventiladores não precisamos por isso destruímos e culpamos o governo porque não temos um bom colégio para estudar.

Minha sala não tem porta e se tivesse eu destruiria com outros que também são pobres de espírito que não estudam e por isso  tiram péssima notas e somente falam mal das pessoas, inclusive dos colegas que não apóiam o vandalismo,  mas isto é porque estes não sabem se divertirem. Se eu vir alguém destruindo onde estudo nem me preocupo porque não tenho nada a ver com isto.

Os moveis, as mesas, os meus materiais “não consigo” organizar porque sou pobre de espírito. Vivo reclamando porque os outros é quem são os culpados e não eu porque as coisas estão difíceis para mim no colégio, na vida e tudo esta bagunçado, mas ainda bem que tenho uma “mina” que me ama.

Eu sou tão pobre de espírito que ainda não aprendi que se estudar apesar das dificuldades estarei trazendo orgulho e alegria para meus pais, respeito e consideração por mim das pessoas de bem, tirarei boas notas e serei aprovado sem ficar de recuperação e progressão. Ninguém vai pegar no meu pé, passarei no vestibular e também em concursos públicos; mas que pena sou pobre de espírito e preciso arrumar um culpado para tudo que acontece na minha vida, Ainda mais que tenho a síndrome de Gabriela: “Eu nasci assim, vou viver assim, vou morrer assim…”.

Por isso prefiro continuar reclamando da vida, das minhas obrigações, porque eu quero mesmo é me divertir, namorar, redes sociais, jogos, dormir tarde, bola, vídeos, musicas e baladas. Isto sim é vida de rico com muita felicidade no mundo da ilusão que povoa a mente dos pobres de espírito que se acham ricos, porque tem um pouquinho de dinheiro.

Mas sou pobre de espírito e tenho orgulho porque sou feliz assim, mas se não sou pelo menos disfarço muito bem numa vida de pobreza espiritual, pois estou sempre contando vantagem e as pessoas, meus colegas “acreditam” em mim.

Basta olhar para mim que vivo sorrindo, contando piada, fazendo graça com a cara dos outros. Ler livros e ter conhecimento para que? No dia da prova eu “estudo” ou colo. Ah! Vou  comprar uma Hilux e todos vão me respeitar quando me virem com um carrão do ano.

Lamentavelmente existem muitas pessoas que são jovensou adultos e  tem orgulho da pobreza espiritual que vivem e por isso destroem  e falam mal de onde estudam, trabalham, do governo, da cidade que mora, do estado e do país. Ou  seja, jogam o lixo na rua e falam que a culpa é do governo porque a cidade esta suja.

O pobre de espírito é tão sem inteligência que destrói a escola que estuda que seria o principal espaço que ele deveria valorizar para assim obter conhecimento e crescer. Ele fala mal da família que tem e da empresa que trabalha, mesmo sabendo que depende destas duas instituições para sobreviver. Mas será que o pobre de espírito sabe disso?

O pobre é tão fraco que ele não sabe que se estudar vai se tornar inteligente e arrumar um bom emprego. Mas pobre você sabe como é? Sempre reclamando da vida, do governo, dos pais, e de onde ele “trabalha”. Não pode ter um tempinho de “sobra” que faz uma rodinha com os colegas para criticar o patrão e seus superiores, reclamar do salário e querer fazer greve.Não que a greve seja ilegal e eu contra, mas devemos ter atitudes que não sejam apenas na direção da paralisação e criticar o patronal como se fosse a grande ação inovadora e altruísta.

O pobre de espírito é tão atrasado que ele fica em um emprego: fala mal dos colegas, do horário que trabalha, reclama em casa, fala dos superiores, do patrão e não tem coragem de se esforçar para mudar de emprego, ou seja, o pobre de espírito é incompetente mesmo, mas não se reconhece como tal, pois os outros são sempre os culpados por suas derrotas e fracassos, no entanto eles confiam na justiça do trabalho, que terão todos seus direitos garantidos e poderão ter o seguro desemprego.

O pobre de espírito é tão azarado porque sempre as coisas ruins acontecem com ele; mas isto talvez seja porque devido as reclamações de tudo e de todos ele  atrai as coisas que o prejudica; e ainda quem tem o espírito altruísta e elevado não sente bem ficar próximo ao mesmo.

O pobre de espírito realmente é vergonhoso, porque não sabe discernir o que é bom ou ruim para ele, ou seja, em dia de enchente ele abraça crocodilo pensando ser um toco no meio da correnteza que lhe vai ajudar chegar á beirada do rio. Mas o pobre de espírito não vê que o que esta lhe faltando é sabedoria, discernimento e humildade para aprender com os verdadeiros mestres que já caminharam mais do que ele em um espírito nobre.

Vejamos se as escolas dos pobres de espírito não são depredadas por eles mesmos. Observe sua escola se a mesma tem o cuidado de todos que estudam nela.

Vejamos se a empresa que trabalhamos esta crescendo porque estamos nela e se cada um tem feito o melhor para que possibilite o aumento de clientes, das vendas ou se quando os funcionários estão juntos é apenas a fim de falar mal do patrão e reclamar do salário. Isto também revela se você ou eu somos pobres de espírito e  se temos muita inveja dos que já chegaram a níveis mais altos do que nós.

Vejamos se em nossa cidade, nosso estado e em nosso país  percebemos somente coisas ruins e difamamos mais do que contribuímos para o crescimento. Isto também é prova cabal da pobreza de espírito de uma pessoa e uma nação.

Que tipo de pessoa nós somos?

Se formos dedicados ao estudar e trabalhar; podemos até passar por algumas dificuldades, mas por sermos resilientes, comprometidos com a verdade, estudarmos em casa, cumprirmos nossas obrigações, fizermos nossos deveres, não destruirmos aescola, nem a empresa que estamos falando mal, não brigamos com nossos país ou mestres porque eles exigem de nós. Isto nós levará a um nível de excelência que nos tirará da pobreza de espírito ou nem permitirá que a mesma chegue as nossas vidas.

Cumprir horário, não dormir na escola, prestar atenção nas aulas, se qualificar, investir em novos conhecimentos, andar com pessoas do bem, agir com sabedoria, ser líder de si mesmo e não ser refém das circunstancias do passado e do presente, frequentar ambientes que somos respeitados; isto é perfil de quem não é pobre de espírito, mas de pessoas nobres com visão e espirito altruísta.

Se formos  pessoas que ficam  apenas esperando dos outros, querendo ser e se achando mais esperto que os outros, tentando enganar as pessoas com mentiras e falcatruas. Isto demonstra nitidamente nossa pobreza de espírito e fraqueza de caráter.

Infelizmente, muitos têm orgulho de serem pobres de espírito e ainda dizem: “Nois é nois; temos muitos amigos que vivem na periferia existencial com a gente e com um grau de estresse e agressividade elevados por terem que estudar e levantar cedo para trabalhar  e sem qualidade de vida, mas é assim mesmo”. Ainda mais que o governo é o culpado de tudo por estarmos nesta situação. Desta maneira pensam os pobres de espírito.

Passar por dificuldades financeiras, enfrentar dias difíceis não é sinônimo de pobreza espiritual, mas acreditar que não precisa fazer nada para mudar nossa historia evidencia que fomos contaminados pelo germe da pobreza espiritual que  ultimamente esta destruindo muitos estudantes nas periferias, nas favelas e nos bairros mais nobres de nosso país, nas escolas privadas e públicas.

Muitos funcionários, trabalhadores, nunca estão satisfeitos onde trabalham, mas é sempre falando mal de seus colegas, da vida, da família, da igreja que frequentam e de todos que estão a sua volta. Isto é pobreza espiritual, pois não  percebem que são eles responsáveis para melhorarem suas vidas e onde estão. Porque a máxima é a seguinte: se não estivermos satisfeitos onde estudamos trabalhamos, estudamos deveríamos pedir para sair. Esta sim seria a atitude mais nobre do que ficar difamando.

Não interessa se moramos em um favela na periferia ou em um bairro nobre, se somos modelos ou não, mas se formos pobres de espírito sempre estaremos mal humorados e não teremos capacidade de ver beleza na vida, pois a nossa essência definirá o que destilaremos no dia a dia e como construiremos os ambientes que frequentamos.

Devemos com honestidade avaliar nossos pensamentos e atitudes. Onde residimos o que fazemos para melhorar? Mas se apenas criticamos as pessoas ou somos parte para solução dos problemas definirá nitidamente se somos espiritualmente elevados ou estamos no nível da baixeza e pobreza espiritual.

A pobreza espiritual de quem se reconhece como alguém que depende do Criador é aceitável, pois esta é a maneira de demonstrarmos ao Mesmo que sem a sua presença em nossas vidas não somos completos, mas aquela pobreza destruidora de ambientes inevitavelmente tem arrasado muitos sonhos de jovens estudantes, professores, políticos e empresários com potenciais maravilhosos, porem esquecem que deveriam mudar os conceitos e valores da vida deles, para sociedade ser cada vez melhor.

Muitos homens, mulheres, professores, empresários, políticos e lideres religiosos estão transmitindo valores derrotistas para os seus filhos, alunos,seguidores e funcionários,  por isso os mesmos não conseguem construir um vida estudantil e profissional autentica e de sucesso, pois se alimentam cotidianamente dos valores do orgulho de  serem pobres espirituais que tem um efeito devastador em qualquer ambiente. Mas muitos já contaminados com este vírus não se esforçam para serem curados. Como estamos? Devemos fazer um diagnostico através de uma profunda e verdadeira reflexão sobre nosso comportamento e nosso espirito, porque desta maneira ficaremos livres deste maléfico sentimento.

 

(Eloiso Matos, diretor do Colégio Objetivo Metropolitano, presidente da Aciat- diretor do Cepem, membro da Atleca, ex-conselheiro estadual de Educação, ex-diretor da UEG/Trindade, e ex-bombeiro militar – [email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais