Opinião

Financiamento público

José Moraes ,Especial para Opinião Pública

diario da manha

 

Pego com a mão na cumbuca, pela Operação Lava Jato, o Partido dos Trabalhadores tenta fazer crer que a imoralidade não se encontra nele próprio, mas na possibilidade legal de financiamento de campanhas, por parte de empresas privadas.

Por deter o poder de governo, o PT é, obviamente, o maior beneficiário da “ajuda” das empresas particulares. Depois de mamar, todos estes anos, nas gordas tetas das grandes empresas particulares, o partido de Lula, agora, defende uma reforma política, na qual as empresas privadas sejam proibidas de fazer doações aos partidos políticos.

Pura mistificação. Tenta tapar o sol com uma peneira, encobrir seu profundo comprometimento com a corrupção, exposta no processo Lava Jato e, por outro lado, reforçar sua tese de financiamento exclusivo, pelo Poder Público, dos partidos políticos e suas campanhas.

Existe um ditado popular, moralmente complacente, de que a ocasião faz o ladrão. No caso,.. O PT já teve um tesoureiro julgado e condenado pelo STF, no processo do mensalão e um outro, agora, preso e acusado de envolvimento, até o pescoço, no caso do petrolão.

É duvidoso que empresas que correm atrás do lucro, disponham de bom grado, por razões puramente partidárias ou ideológicas, de qualquer percentual de seus rendimentos. Convenhamos, portanto, que debaixo desse angu tem carne. Entretanto, revogada a Lei que permite o financiamento pelas empresas privadas, não haverá nenhuma garantia de extinção da corrupção. Mais relevante, é que existam leis e os instrumentos que impeçam o financiamento ilegal – o chamado “caixa dois”. E, principalmente, aquilo que mais falta aos políticos e seus partidos: decência e ética.

Embora a maioria do povão não saiba, ele já paga para que os partidos políticos existam. Além do chamado horário “gratuito” de rádio e televisão, que não sai barato, existe o chamado Fundo Partidário. No ano passado, referido Fundo repassou aos partidos políticos, R$ 289,2 milhões. Ao votar o Orçamento para esse ano, por proposta do Deputado Romero Jucá (PMDB) os parlamentares elevaram aquele valor para R$ 867,5 milhões, o que foi sancionado pela Presidente Dilma, precisamente no momento em que ela apela para o “ajuste fiscal” que, entre outras coisas, restringe direitos trabalhistas e previdenciários.

Calcula-se que, caso aprovado o projeto petista de financiamento exclusivo dos partidos políticos, pelo Poder Público, haverá um gasto em torno de cinco bilhões de Reais. Assim, de acordo com a lógica lulo-petista, para que os políticos e seus partidos não sejam corrompidos pelas empresas particulares, que também mamam no Governo, o povão, a sociedade toda, terá que pagar a conta…

Partidos políticos fazem parte de uma sociedade democrática. Aliás, nesse sentido, o país está bem servido. Pelo menos na quantidade, pois temos 31 partidos já constituídos e mais alguns em projeto. Mas que sejam sustentados por seus fundadores, filiados, simpatizantes, eleitores.

Quem pariu Matheus, que o balance… Ou não?

 

(José Moraes, tipógrafo – linotipista aposentado. Email: [email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais