Opinião

O pedagogo e a sua prática de trabalho: responsabilidade dobrada

Marcos Antônio de Oliveira ,Especial para Opinião Pública

diario da manha

 

No dia 20 de maio comemora-se o dia do pedagogo, uma data mais do que justa, em função da grande importância que este profissional representa para a sociedade, por exemplo, é o responsável pela formação de outras profissões, pois é quem administra/coordena o processo educacional.

O pedagogo é um profissional responsável pela organização didática e intelectual do processo de ensino e aprendizagem. É ser tudo na escola, o profissional polivalente, sempre improvisando ou criando meios para que a aprendizagem deslanche. Além do mais, é quem utiliza do jogo de cintura para administrar situações adversas na escola, os preconceitos, as ações de bullying, etc.

Ser pedagogo no Brasil é atuar com garra diante de uma sociedade competitiva e consumista e desigual. É passar bons valores para o jovem que se formará, é a luta para se construir uma sociedade honesta, com as pessoas respeitando o outro, sem distinção de cor, credo religioso, etnia ou posição social.

E dentre os vários desafios que este profissional enfrenta, alguns precisam ser corrigidos, por exemplo, a questão de conseguir levar os alunos das camadas menos favorecidas da sociedade a darem conta de pensar criticamente, a compreender a sua realidade social, atendendo ao grande educador Paulo Freire quanto ao seu método de ensinar as pessoas, por meio de uma pedagogia crítica.

Outro grande desafio enfrentado pelos profissionais da área da pedagogia é a falta de valorização profissional e social em nosso País. Em relação à profissão, infelizmente não há uma política de valorização capaz de proporcionar uma carreira atraente sob o ponto de vista salarial e de satisfação. Quanto ao aspecto social, ainda há um abismo muito grande entre as carreiras de nível superior como médicos, engenheiros, advogados (carreiras que são valorizadas pela nossa sociedade por conta dos salários e o status que garantem para aqueles que se formam nessas áreas) e os professores.

Cobrar dos professores no sentido de que a classe docente instrumentalize o estudante no sentido de compreender os elementos ideológicos presentes nos diversos textos, tanto dentro como fora da sala de aula e ainda, conhecer para que estes textos estejam direcionados.

Através da atuação do pedagogo, se valoriza a cultura popular, a linguagem do que não é dominante. É procurar tornar igual todas as culturas, pois é preciso valorizar a diversidade.

A sua atuação em escolas ou centros de educação é muito importante, pois tem a responsabilidade pelo desenvolvimento social e econômico da sociedade do país, contribuem e desenvolvem pesquisas para métodos de ensino e aprendizagem para que os professores apliquem junto aos alunos, prestam serviços de apoio escolar, recebe pais para reuniões para conversar sobre o aproveitamento dos filhos, enfim, é um dos profissionais mais versáteis da educação, se não o melhor.

É importante frisar que o trabalho do pedagogo difere do trabalho dos professores, focando mais em ensinar crianças e jovens para a vida, transmitindo conhecimentos, auxiliando-os a construir e reconstruir novos saberes, apoiar aprendizes no seu desenvolvimento cognitivo e social.

 

(Professor Marcos Antônio de Oliveira. Conselheiro Municipal de Educação, pedagogo, historiador e teólogo)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais