Opinião

A verdadeira arte de ensinar: vocação ou desejo?!

Kelly Lisita ,Especial para Opinião Pública

diario da manha

 

Quando alguém opta em ser professor, escolhe ser acima de tudo um educador, pessoa que ensina tendo consciência de seus conhecimentos, demonstrados em suas habilidades.

O docente tem indubitavelmente papel de extrema importância na formação pessoal, profissional e intelectual de seus alunos, assumindo responsabilidades tais quais as existentes no processo ensino-aprendizagem e que algumas vezes requer muita paciência, tolerância e vocação. Cada discente tem seu potencial e tal fato deve ser trabalhado para que a intenção do professor seja cumprida: o aprendizado, pois a aprovação é apenas a consequência.

Ensinar não depende unicamente do desejo outrora manifestado por outrem, mas sim da soma desse requisito aliado ao Dom, que pode ser definido como “dote natural,vocação; dádiva”, podendo ainda ser comparado ao Sacerdócio, que exige muita dedicação. Quantas vezes ouvimos falar que determinado professor sabe muito,mas não sabe passar o assunto?! Ter conhecimento, logo, não significa ter Dom.

O professor tem como missão o despertar da matéria e sua compreensão, a transmissão de simpatia como grande colaboradora do conhecimento, devendo ainda ter o discernimento que seus problemas não compõem sua disciplina e que o seu público-alvo antes de vestir a camisa do ensino tem em suas vidas outros afazeres, que passam por dificuldades financeiras e até emocionais. A criação de possibilidades com foco na produção é fator indicativo de competência do mentor que tem como foco o desenvolvimento da intelectualidade de seus educandos.

Estudos no campo da educação revelam que é mais fácil aprender quando se gosta de quem ensina, haja vista o cérebro associar tal prazer com a figura de quem o proporciona.

A docência solicita de interatividade entre o educador e o educando, a autoridade do primeiro deve associar-se á confiança e segurança, jamais ao autoritarismo, o que acabaria por ocasionar ao aprendiz um distanciamento do mestre e de seus planos.

Inegável também é o fato de que os professores através de suas explicações, por influência de suas metodologias contribuem na formação de valores morais em seus pupilos. A arte de ensinar necessita de disciplina,respeito e atenção á ética,que faz-se presente  na didática e compromissos assumidos.

Falta a ética quando o educador desrespeita a privacidade dos alunos, pratica assédio moral, constrange os mesmos, trata os colegas e membros do setor administrativo com grosseria. E vale dizer que há o verdadeiro Dom de ensinar quando são observados os seguintes elementos:qualificação,aprimoramento, cursos de extensão,pós graduação lato senso ou stricto senso ,preparação de aulas demonstradas nos planos de ensino.

A cartilha do Mestre é a Lei de Diretrizes e Bases da Educação e o seu lema deve ser sempre educar!

 

(Kelly Lisita Peres, professora, graduada em Direito, docente universitária, pós-graduada em Direito Civil, Penal, Processo Penal e Docência Universitária)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais