Opinião

Hugol é a revolução na Saúde pública

Marquinho Palmerston,Especial para o Diário da Manhã

diario da manha

 

Estive visitando, na última sexta feira, o Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), que tem data prevista para ser inaugurado dia 6 de julho, mas já está em pleno funcionamento.  Um hospital, construído dentro dos padrões da Organização Mundial de Saúde e do Ministério da Saúde, e que conta com equipamentos de última geração.

Confesso que fiquei maravilhado, mais ainda impressionado com a obra, pois sei da importância que a entidade hospitalar terá para Goiás. O Hugol prestará os mesmos serviços do Hugo, além do acréscimo do atendimento às vítimas de queimaduras e banco de sangue próprio. Para ter uma ideia, o hospital possui 510 leitos divididos em seis andares, sendo que 86 são de UTI, sendo 40 UTIs neonatal e pediátrica, além de 13 leitos para vítimas de queimaduras, do atendimento a serviços médicos de urgência e emergência, entre outros.

O Hugol vai integrar a Rede Hugo, composta ainda pelo Hugo 1 e pelos demais hospitais de Urgência e Emergência do Estado já em funcionamento ou em construção: Hugo, HDT, HGG, Materno, Crer, Huana, Huapa e toda a rede hospitalar do Estado. Importante destacar, portanto, o empenho do governador Marconi Perillo nesta obra, que trará um impacto positivo na estrutura da saúde pública estadual.  Não há notícia de que, outro hospital público ofereça tantas condições de atendimento e tratamentos diversos como este.

Todos sabem da sobrecarga dos hospitais em todo Brasil, e em Goiás não é diferente. A estrutura do Hugol, aliada à modernidade e equipamentos de ultima geração é, sem dúvidas, algo inquestionável. Sem duvidas deve ser reconhecido como o hospital mais moderno e sustentável do Brasil.

Impressiona também o feito da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), que conseguiu, além de edificar o hospital em tempo recorde ao de qualquer outra obra pública ou privada da mesma dimensão, ainda economizou metade do valor cobrado pelo marcado de construções. Com investimento de aproximadamente R$ 258 milhões, na obra e na aquisição dos equipamentos, o Hugol terá ainda, atendimento 24 horas da Fundação Instituto de Pesquisa e Estudos de Diagnóstico por imagem (FIDI) que atuará na manutenção de aparelhos e apresentação de diagnósticos.

Além do que pude presenciar no espaço físico, tive a garantia do governador que o Hugol tem compromisso prioritário em oferecer à população goiana uma saúde humanizada. Compromisso, aliás, estabelecido a toda equipe envolvida naquela unidade hospitalar.

Tive oportunidade, por exemplo, em ocasião da minha visita, toda metodologia a ser aplicada no acompanhamento dos pacientes pela família. Haverá em pouco tempo, a atualização de todo quadro clínico do paciente internado, pela internet, com laudos atualizados imediatamente em rede. É realmente uma revolução. Uma grande conquista que não poderia deixar de compartilhar com todos os leitores deste jornal.

Não tenho dúvidas que Goiás inicia um novo ciclo de desenvolvimento na Saúde, assim como fez e continua fazendo em outras áreas. É gratificante ver o gestor público conseguir atender, além do que a população espera. Obrigado governador Marconi Perillo, o povo goiano reconhece sua força, competência e sua determinação em fazer Goiás avançar cada dia mais!

 

Marquinho Palmerston, deputado estadual (PSDB)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais