Opinião

O Brasil precisa de honestidade e coragem

diario da manha

Há quantos anos o brasileiro ouve de sucessivos governos ser imprescindível e ultra urgente a realização de um ajuste fiscal. Toda a imprensa com seus renomados jornalistas e economistas escrevem sobre o tema desde 1950 quando o ex-presidente Juscelino extrapolou gastos públicos na construção de Brasília.

Em última instância, diferente das nossas empresas, quando o governo gasta mais do que arrecada manda a conta para os contribuintes. Isso é histórico nesse País e para não fugir à regra, o atual governo está fazendo o mesmo.

Em termos práticos, a  urgência já dura mais de meio século, estamos em uma perpetuação de ajustes fiscais, sempre em função de aumentar os impostos, sendo que a arrecadação hoje já está em 63% do produto bruto do País.

Somos hoje 200 milhões de brasileiros que todo ano contribuem de maneira exaustiva com o seu trabalho para engrossar a arrecadação de impostos que nunca são suficientes para a máquina de gastar do governo.

Agora estamos em 2015 e com um fiasco tremendo de um governo de 13 anos de incompetência onde além de destruir a 5º maior empresa do planeta, com um roubo jamais visto na humanidade,aumenta a carga tributária do já combalido contribuinte, que sabe que vai passar os próximos cinco anos ou mais trabalhando duro para pagar a incompetência e a corrupção de um partido e dos que gostam de receber sem trabalhar.

E numa demonstração de consideração e respeito pelo povo brasileiro que o elegeu, esse governo poderia aceitar o seu fracasso, reconhecer que o ajuste fiscal pode ser feito com corte de gastos e não aumento de impostos e alterar a estrutura dos  gastos púbicos, começando por eliminar os cargos apadrinhados de 200 mil petistas já acostumados a receber sem trabalhar.

Quando esse governo estava em campanha havia promessas e promessas de uma mudança geral com reformas das políticas tributárias, administrativas, trabalhista e sindical e talvez o caminho do crescimento do País passe por ai, pelo cumprimento das promessas de campanha.

O fato é que com 32 partidos políticos não iremos chegar a lugar nenhum. Os 39 ministérios criados para abrigar derrotados nas urnas,  custam muito caro ao país. Podemos começar por ai, tomando como exemplo a maior democracia do Planeta, representada pelos EUA, que tem apenas dois partidos, os democratas e os republicanos.

A fusão dos partidos seria um bom início, como uma fusão entre os ministérios. Não faz sentido ter um Ministério da Agricultura e outro para desenvolvimento agrário. O Estado brasileiro virou um monstro que devora todo dinheiro do suor da população brasileira.

E, em contrapartida, não temos saúde, educação, segurança, mas para enaltecer o ego de uma figura com problemas psicológicos fazemos obras milionárias no exterior como Bolívia, Venezuela, Cuba, Angola, Haiti e o povo não pode saber destas obras pois são sigilo jurídico. Precisamos mudar isso.

‘‘O Brasil precisa urgente de homens honestos e corajosos para acabar com a corrupção e a roubalheira existente.’’

 

(J. A. Puppio, empresário, diretor presidente da Air Safety e autor do livro “Impossível é o que não se tentou”)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais