Opinião

Volta da CPMF é a batalha do ano

diario da manha

Embora ainda não tenha superado de vez a crise política nem recuperado índices razoáveis de popularidade, o governo Dilma decidiu se lançar à grande batalha econômica do ano, que consiste em tentar ressuscitar a CPMF, desta vez rebatizada como Contribuição Interfederativa da Saúde. Com uma alíquota de 0,38%, incidente sobre todas as transações financeiras, traria algo entre R$ 68 bilhões e R$ 80 bilhões aos cofres públicos.

Por maior que seja a gritaria das entidades empresariais, a volta do imposto estará prevista no projeto de lei orçamentária, referente a 2016, que será enviado ao Congresso Nacional nesta semana. Isso porque é praticamente consensual na equipe econômica que o espaço para reduções de gastos é mínimo, num orçamento engessado por despesas obrigatórias, como os gastos com a folha dos servidores e os repasses à Previdência Social. E cortes anunciados de despesas, como a redução de ministérios, geram economias pouco significativas, uma vez que as estruturas atuais serão transformadas em secretarias – e não extintas.

Na última quinta-feira, veio o sinal de alerta, quando o governo divulgou o resultado fiscal de julho: um déficit primário de R$ 7,2 bilhões, que trouxe o resultado no semestre para R$ 9,1 bilhões, ou menos 0,27% do PIB – um resultado distante da meta do ano, que, embora pequena, é de 0,15% positivos. Ou seja: além da possível revisão do resultado deste ano, algum colchão em 2016 só virá com novos impostos.

É justamente aí que a CPMF ganha força entre outras alternativas, como a taxação de heranças, de grandes fortunas ou de dividendos distribuídos pelas empresas. Segundo Everardo Maciel, que foi secretário da Receita e implantou o “imposto do cheque” no governo FHC, a CPMF é “um tributo que produz bom volume de recursos, com baixo esforço administrativo”. Ou seja: seria a solução mais viável, para uma situação de emergência como a atual.

A grande dificuldade será construir algum consenso político, com a base de apoio ao governo ainda esfacelada. Os presidentes do Senado e da Câmara, Renan Calheiros (PMDB-AL) e Eduardo Cunha (PMDB-RJ), já se manifestaram contra a volta da CPMF, mas a esperança do Palácio do Planalto está nos governos estaduais, cujas finanças estão ainda mais combalidas do que as federais. A aposta é que os governadores pressionarão suas bancadas para que tenham algum reforço fiscal em 2016.

 

(Leonardo Attuch, jornalista. Artigo transcrito da revista IstoÉ)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar