Opinião

Monserrat Vellasco tem um dom nato para as artes plásticas

diario da manha

Nesse conturbado e grave momento de crise em que vivemos, quando a predominância dos assuntos tratados massivamente pela mídia brasileira é corrupção, desmandos, etc, é sempre bem prazeroso abordar um assunto alegre, de falar bem de quem merece que assim se faça, sobretudo quando com essa pessoa se teve um convivio cotidiano e duradouro, como é o caso da renomada artista plástico vilaboense Monserrat Vellasco que foi minha colega de aula de ginásio no Colégio Estadual Professor Alcide Jubé aqui na nossa querida ex-capital.
Naqueles tempos, os seus já pendores artísticos eram demonstrados num refinado e constante desenhar a lápis, sempre tendo como tema as igrejas e casarios que preservados e cuidadosamente zelados pelos moradores, muito contribuíram para que tempos depois a cidade de Goiás viesse a obter o titulo de patrimônio histórico cultural da humanidade, título conseguido já da primeira vez que a candidatura foi apresentada, de cuja memorável e inesquecível campanha tive a honra de ser um dos tesoureiros em companhia de Antolinda Baia Borges, a Tia Tó.
Monserrat Vellasco tem como ramificação familiar uma ascendência bem antiga e que sempre participou de diversos e importantes momentos da história politica/social vilaboense, tendo ela tido a oportunidade de conviver com renomados mestres da pintura que pontuaram e enriqueceram as artes plásticas por longos e longos anos, como Octo Marques e Goiandira do Couto, tendo sido também contemporânea de outro grande nome e que hoje, embora vilaboense de nascimento e coração, atua em Curitiba por ter encontrado ali grande valorização às suas ricas obras.
Como é de praxe de cada um dos grandes pintores, dentro do seu estilo peculiar, Monserrat Vellasco tem se especializado, além dos quadros tradicionais emoldurados, em pintar em telhas e pratos de barro, com grande genialidade e perfeição já que suas obras uma vez concluídas apresentam um conjunto perfeito de luminosidade, tons e acabamento dignos apenas dos mais refinados mestres das artes plásticas pois ela já pode se considerar, com todos os méritos, um deles, tal a qualidade que, num crescente, se percebe em cada um dos seus trabalhos.
E é assim, merecidamente, que na galeria dos grandes nomes das telas, tintas e pincéis de cujo uso pode se obter uma valiosíssima obra de artes, que ela nela se insere, afinal, Monserrat Vellasco tem um dono nato para as artes plásticas.

(José Domingos é jornalista, professor universitário, escritor e poeta)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais