Opinião

Quem são os idiotas?

diario da manha

Podemos ser idiotas e não saber. Digo mais: muitos querem ser. Para entender quem são os idiotas é necessário mergulhar mais fundo na origem da palavra. Originado do grego antigo o “idhiótis” ou “idiotés” era um cidadão privado, individual; mas não se engane, o idiotés não era um indivíduo que operava na autonomia, militando contra a massificação de ideais.
Na pólis grega, o termo era usado depreciativamente para referir a quem recusava a vida pública. Ao negar a própria vontade deixavam-se representar por outrem. O destino da cidade ficava a cargo dos outros. Permitamos o peso do nosso mundo às costas de Atlas. Abandonemos a responsabilidade, tomamos a forma dos idiotés.
Vemos inúmeros idiotas em nossa democracia representativa se submetendo a caricatura de pantomineiros. Passamos a responsabilidade. Lavamos as mãos no nosso próprio sangue, como se selássemos um pacto de isenção de culpa: essa culpa não é minha! Será mesmo? Não sejamos idiotés. Há quem diga que política não se discute, infeliz afirmação, política se discute sim, se aprende e se transforma.
Não posso generalizar, sabemos que muitos ainda lutam por dias melhores, assumem suas responsabilidades. Quiçá estamos aprendendo. Ainda há esperanças aos que manifestam, aos que consolidam em seus concidadãos a coragem e o amor à pátria. Quisera eu que, ao lado de nossos representantes, sentíssemos o gosto do bem comum. Quisera eu que meus compatriotas fossem não somente livres das garras da idiotice, mas dignos dessa liberdade.
Não sabemos a força que possuímos, nem tão pouco a eficácia que teríamos caso participássemos mais da nossa política. Os idiotas transferem suas forças aos representantes, escolhidos a dedo em meio a uma escuridão quase palpável. Alimentam o Leviatã. Tornamo-nos súditos e ele o soberano, amamos seu veneno. Somemos as nossas forças, lutemos. O Leviatã veste a vontade do povo, devora a responsabilidade que lhe foi cedida, vomita uma crise, e ri. Quem lhe resistirá à frente? Quem ousou desafiá-lo e ficou ileso? Ninguém debaixo do céu.

(Eder Carneiro, escritor)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar