Opinião

Rosivaldo Bruno sumiu

diario da manha

Du­ran­te o ter­cei­ro go­ver­no Si­quei­ra Cam­pos (2003/2007), um ca­so mui­to es­tra­nho ocor­reu, re­la­ci­o­na­do com de­nún­cias de ir­re­gu­la­ri­da­des na Se­cre­ta­ria da Edu­ca­ção. O ele­tro­téc­ni­co Ro­si­val­do Bru­no de Sou­sa, 39 anos, foi con­tra­ta­do pa­ra tra­ba­lhar na se­cre­ta­ria de Edu­ca­ção e Cul­tu­ra, na ges­tão da ho­je de­pu­ta­da Do­ri­nha Se­a­bra, que di­ri­giu aque­la se­cre­ta­ria de 2000 a 2009. Ro­si­val­do de­sa­pa­re­ceu mis­te­ri­o­sa­men­te quan­do tra­ba­lha­va na Ilha do Ba­na­nal, re­gi­ão su­do­es­te do To­can­tins, no dia 18 de se­tem­bro de 2004.

Se­gun­do foi di­vul­ga­do na épo­ca, o ve­í­cu­lo em que ele e ou­tros dois ser­vi­do­res vi­a­ja­vam, um Fi­at Uno, te­ria ato­la­do no arei­ão, e o ele­tro­téc­ni­co, en­tão, saiu em bus­ca de aju­da pa­ra de­sa­to­lar o ve­í­cu­lo e não vol­tou mais. A equi­pe ti­nha vi­a­ja­do àque­la re­gi­ão a fim de de­sen­vol­ver um tra­ba­lho jun­to a es­co­las in­dí­ge­nas. Es­se fa­to foi am­pla­men­te di­vul­ga­do pe­la im­pren­sa to­can­ti­nen­se, uma vez que, di­as an­tes, Bru­no ha­via en­tre­gue um re­la­tó­rio à se­cre­ta­ria da Edu­ca­ção apon­tan­do sus­pei­ta de frau­de em no­tas fis­cais emi­ti­das pe­lo es­cri­tó­rio de re­pre­sen­ta­ção da se­cre­ta­ria em São Fé­lix do Ara­gu­aia (MT). Não se sa­be ao cer­to o te­or des­sas sus­pei­tas, até mes­mo por­que as cir­cun­stân­cias que en­vol­vem o ca­so até ago­ra não fo­ram de­vi­da­men­te es­cla­re­ci­das. Os fa­mi­lia­res da ví­ti­ma che­ga­ram a sus­pei­tar que Ro­si­val­do te­nha si­do ví­ti­ma de uma em­bos­ca­da, em ra­zão das de­nún­cias de pos­sí­veis frau­des na edu­ca­ção do Es­ta­do.

Um dos que sus­ten­tam a te­se de em­bos­ca­da é o seu pró­prio ir­mão, o po­li­ci­al ala­go­a­no Jo­sé Ro­ni­e­re Bru­no de Sou­za. Ele acom­pa­nhou as bus­cas no To­can­tins e não acre­di­ta que o ir­mão te­nha se per­di­do, já que era acos­tu­ma­do a de­sa­to­lar ca­mi­nho­ne­tes e, por­tan­to, soa es­tra­nho não ter con­se­gui­do de­sa­to­lar um Fi­at Uno, ain­da mais sen­do acom­pa­nha­do de ou­tras du­as pes­so­as. Os fa­mi­lia­res ain­da ale­gam que hou­ve omis­são por par­te da se­cre­ta­ria da Edu­ca­ção em re­la­ção ao ca­so, com as de­nún­cias fei­tas, quan­to com o de­sa­pa­re­ci­men­to do ser­vi­dor.

A fa­mí­lia só foi avi­sa­da do ocor­ri­do no dia 22, ou se­ja, cin­co di­as após o de­sa­pa­re­ci­men­to, e ain­da as­sim por­que uma ir­mã da ví­ti­ma li­gou na se­cre­ta­ria em bus­ca de in­for­ma­ção. Ain­da con­for­me os fa­mi­lia­res, a ocor­rên­cia tam­bém só foi re­gis­tra­da na de­le­ga­cia nes­se mes­mo dia, e a Se­cre­ta­ria só se ma­ni­fes­tou ofi­ci­al­men­te 19 di­as de­pois, após fa­mi­lia­res e ami­gos pro­mo­ve­rem um ato pú­bli­co em Pal­mas. O que tam­bém cha­mou a aten­ção da fa­mí­lia foi o fa­to de a ali­an­ça, o ce­lu­lar, a car­tei­ra com os do­cu­men­tos e mais R$ 1.200,00 do ser­vi­dor te­rem si­do de­vol­vi­dos. A ver­são dos com­pa­nhei­ros é de que Ro­si­val­do os te­ria dei­xa­do den­tro do car­ro ao sa­ir em bus­ca de aju­da.

Além de to­da es­sa con­fu­são, sur­gi­ram ou­tras ver­sões, co­mo a que da­va con­ta de que o ser­vi­dor te­ria si­do de­vo­ra­do por on­ças.

O mai­or pro­ble­ma é que, de­cor­ri­do tan­to tem­po des­se mis­te­ri­o­so de­sa­pa­re­ci­men­to, a po­pu­la­ção to­can­tinen­se e, so­bre­tu­do, os ser­vi­do­res da Edu­ca­ção, os ami­gos e os fa­mi­lia­res do de­sa­pa­re­ci­do con­ti­nuam sem qual­quer res­pos­ta. Não se sa­be o que acon­te­ceu. É tu­do uma in­cóg­ni­ta. Jus­ta­men­te pa­ra evi­tar que o ca­so vi­es­se a ca­ir no es­que­ci­men­to, co­mo tan­tos ou­tros, o en­tão de­pu­ta­do fe­de­ral Ro­nal­do Di­mas (PSDB-TO), ho­je pre­fei­to de Ara­gu­aí­na, fez a de­núncia pu­bli­ca­men­te na tri­bu­na da Câ­ma­ra e en­viou à se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca ofí­cio so­li­ci­tan­do in­for­ma­ções a res­pei­to, di­zen­do que, ape­sar de as in­ves­ti­ga­ções cor­re­rem sob si­gi­lo, o ca­so es­ta­va sen­do acom­pa­nha­do pe­los Di­rei­tos Hu­ma­nos e que, in­clu­si­ve, foi pas­sa­do às mãos do mi­nis­tro da Jus­ti­ça da­é­po­ca, Már­cio Tho­maz Bas­tos

O po­li­ci­al ala­go­a­no Jo­sé Ro­ni­e­re Bru­no de Sou­za, ir­mão de Ro­si­val­do Bru­no, con­fir­mou que a Po­lícia Fe­de­ral en­trou no ca­so, ao ou­vir o de­poi­men­to de sua ir­mã Ra­que­li­ne, em Pal­mas. Se­gun­do Ro­ni­e­re, as bus­cas pa­ra­ram na re­gi­ão on­de seu ir­mão de­sa­pa­re­ce­ra.

Ele acom­pa­nhou as bus­cas no To­can­tins e não acre­di­ta que te­nha se per­di­do. “Lá tem uma fa­zen­da a ca­da três qui­lô­me­tros”. Ro­ni­e­re re­a­fir­mou que Bru­no era acos­tu­ma­do a de­sa­to­lar ca­mi­nho­ne­tes e es­tra­nha ele não ter con­se­gui­do, com mais du­as pes­so­as, de­sa­to­lar um Uno.

Ou­tro fa­to que cha­mou a aten­ção da fa­mí­lia é que a ali­an­ça de Bru­no, o ce­lu­lar, a car­tei­ra com os do­cu­men­tos e mais R$ 1.200 fo­ram de­vol­vi­dos. Te­ri­am fi­ca­do no car­ro, se­gun­do a ver­são dos acom­pa­nhan­tes. “Co­mo uma pes­soa sai pa­ra bus­car aju­da e dei­xa os do­cu­men­tos, o ce­lu­lar e a ali­an­ça? Acho que o Bru­no foi atra­í­do pa­ra uma em­bos­ca­da”, dis­se Ro­ni­e­re.

Na épo­ca, a fa­mí­lia apro­vei­tou a pre­sen­ça do mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Már­cio Tho­maz Bas­tos, no Es­ta­do do To­can­tins e en­tre­gou um dos­siê do ca­so, com có­pia do re­la­tó­rio on­de Bru­no de­nun­ci­a­va o des­vio de re­cur­sos e um pe­di­do de apoio ao mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça na apu­ra­ção do es­tra­nho de­sa­pa­re­ci­men­to. De acor­do com os fa­mi­lia­res de Ro­si­val­do Bru­no, hou­ve omis­são por par­te da se­cre­ta­ria da Edu­ca­ção em re­la­ção ao ca­so, tan­to com as de­nún­cias fei­tas, quan­to ao seu de­sa­pa­re­ci­men­to. O ca­so foi de­nun­ci­a­do exaus­ti­va­men­te pe­lo jor­nal “Ga­ze­ta de Ala­go­as” de 30 de ou­tu­bro e 5 de no­vem­bro de 2004 e pe­lo “Jor­nal da Mí­dia” de 05 de no­vem­bro de 2004.

Ra­que­li­ne diz ain­da que “a se­cre­tá­ria de Edu­ca­ção do Es­ta­do só se ma­ni­fes­tou ofi­ci­al­men­te so­bre o ca­so 19 di­as de­pois, por­que fa­mi­lia­res e ami­gos pro­mo­ve­ram um ato pú­bli­co em fren­te à se­de da Se­cre­ta­ria, em Pal­mas, de­nun­ci­an­do a omis­são”. Mes­mo as­sim, na sua opi­ni­ão, a se­cre­tá­ria pa­re­ce mais pre­o­cu­pa­da em se de­fen­der da de­nún­cia de no­tas fri­as do que com o de­sa­pa­re­ci­men­to do seu ir­mão. Ela diz ain­da que o go­ver­no che­gou a ad­ver­tir e pu­nir ser­vi­do­res que par­ti­ci­pa­ram do ato pú­bli­co.

Mais um ca­so aba­fa­do, que en­trou na con­ta dos mis­té­ri­os in­de­ci­frá­veis do To­can­tins.

 

(Li­be­ra­to Pó­voa, De­sem­bar­ga­dor apo­sen­ta­do do TJ-TO, Mem­bro-fun­da­dor da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se de Le­tras e da Aca­de­mia Di­a­no­po­li­na de Le­tras, Mem­bro da As­so­cia­ção Go­i­a­na de Im­pren­sa (AGI), es­cri­tor, ju­ris­ta, his­to­ri­a­dor e ad­vo­ga­do, li­be­ra­to­po­[email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais