Opinião

A consciência negra, a libertação dos escravos e a independência do Brasil

diario da manha

Ao aqui che­gar os na­ve­gan­tes por­tu­gues­es e des­co­bri­do­res da nos­sa pá­tria fi­ca­ram ex­tre­ma­men­te en­can­ta­dos com as be­le­zas pa­no­râ­mi­cas e na­tu­ra­is da ter­ra de San­ta Cruz. Sem de­mo­ra e mo­vi­dos por um for­te sen­ti­men­to de gra­ti­dão pro­mo­ve­ram os ofí­ci­os re­li­gi­o­sos e ce­le­bra­ram a pri­mei­ra mis­sa cam­pal em ter­ras bra­si­lei­ras. O pa­ís nas­cia ao in­flu­xo de um for­te sen­ti­men­to de re­li­gi­o­si­da­de.   Não tar­dou e os des­co­bri­do­res acha­ram-se no di­rei­to de po­der es­cra­vi­zar os na­ti­vos, nos­sos ir­mãos em hu­ma­ni­da­de e ver­da­dei­ros do­nos do ter­ri­tó­rio pá­trio.   E no pa­ís ver­de ama­re­lo co­me­ça­va-se a es­cre­ver a pá­gi­na mais em­pa­li­de­ci­da da his­tó­ria da ter­ra des­co­ber­ta por Ca­bral.

Es­cra­vi­za­dos e hu­mi­lha­dos os sil­ví­co­las fo­ram im­pi­e­do­sa­men­te mas­sa­cra­dos pe­los aven­tu­rei­ros que ao pro­cu­rar o ca­mi­nho pa­ra as Ín­di­as, aqui apor­ta­ram tra­zen­do a vi­o­lên­cia e o “pro­gres­so” pa­ra as ter­ras do no­vo mun­do. As­sim te­ve iní­cio a or­ga­ni­za­ção so­ci­al e po­lí­ti­ca da nos­sa na­ção. Des­ta for­ma fo­ram da­dos os pri­mei­ros pas­sos pa­ra que na Pá­tria do Cru­zei­ro, pu­des­se se for­jar o ber­ço de uma no­va ci­vi­li­za­ção. O pa­ís ver­de ama­re­lo nas­cia sob o pá­lio ge­ne­ro­so das lu­zes do Evan­ge­lho. O Bra­sil sur­gia com a des­ti­na­ção de tor­nar-se ce­lei­ro de ali­men­tos e for­ne­ce­dor de ma­té­ria pri­ma pa­ra to­do o pla­ne­ta.

Re­gis­tram as nos­sas tra­di­ções his­tó­ri­cas e es­pi­ri­tua­is que es­te pro­je­to di­vi­no ain­da per­du­ra. O des­vio de ro­ta im­pos­to pe­lo mau uso do li­vre ar­bí­trio co­me­çou pe­la per­ver­si­da­de dos co­lo­ni­za­do­res que egó­la­tras e or­gu­lho­sos, ini­ci­a­ram o in­de­se­já­vel pro­ces­so de di­zi­ma­ção qua­se ple­na dos ín­di­os, le­gí­ti­mos ha­bi­tan­tes do ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro.  Fin­da es­ta ope­ra­ção ver­go­nho­sa e de­su­ma­na, o sen­ti­men­to de de­sa­mor e per­ver­si­da­de dos co­lo­ni­za­do­res por­tu­gues­es, le­vou-os a pro­mo­ver a ime­di­a­ta im­por­ta­ção de mão de obra es­cra­va dos nos­sos ir­mãos afri­ca­nos.

Per­me­an­do es­tas e ou­tras inú­me­ras di­fi­cul­da­des, a es­cra­vi­za­da na­ção bra­si­lei­ra des­de há mui­to as­pi­ra­va ver-se li­vre do ju­go por­tu­guês, por­que “a ter­ra de Ca­bral já es­ta­va can­sa­da de ul­tra­jes su­por­tar.” Em da­do mo­men­to his­tó­ri­co o pa­ís vê ma­te­ri­a­li­za­do seu so­nho li­ber­tá­rio.  Al­ta­nei­ro e so­be­ra­no com­tem­pla com ale­gria na voz vi­bran­te e no his­tó­ri­co ges­to do in­fan­te  Dom Pe­dro I o bra­do de sua in­de­pen­dên­cia.

A 07 de se­tem­bro de 1822, às mar­gens do ri­a­cho Ipi­ran­ga em São Pau­lo, o im­pe­ra­dor es­can­ca­ra pa­ra o Bra­sil e pa­ra o mun­do, o seu fa­mo­so e his­tó­ri­co gri­to de “In­de­pen­dên­cia ou Mor­te.” Afi­nal via-se o Bra­sil po­lí­ti­ca e eco­no­mi­ca­men­te li­vre do ju­go por­tu­guês. Inob­stan­te a con­so­li­da­ção des­ta his­tó­ri­ca con­quis­ta po­lí­ti­ca e eco­nô­mi­ca, pa­ra nos­sa ver­go­nha, o pa­ís se­guia es­cra­vi­zan­do os ne­gros afri­ca­nos. Es­te in­di­to­so co­me­ti­men­to que aca­bou por ma­cu­lar in­de­le­vel­men­te a his­tó­ria da nos­sa pá­tria.

De­pois de vá­rios anos e de lu­tas acer­bas dos in­con­fi­den­tes, dos po­e­tas, dos pro­sa­do­res, dos in­te­lec­tu­ais e de ou­tros pa­trí­cios de ide­ais li­ber­tá­rios, a pe­na hu­ma­ni­tá­ria e ge­ne­ro­sa da prin­ce­sa Iza­bel, aca­bou por in­ter­rom­per o so­fri­men­to e o mar­tí­rio atroz e san­gui­no­len­to da ra­ça ne­gra no Bra­sil.

Ao as­si­nar a Lei Área a prin­ce­sa de­cre­ta­va o fim da es­cra­vi­dão no pa­ís. To­da­via, os res­quí­cios des­ta pá­gi­na ne­gra  do li­vro da nos­sa his­tó­ria ain­da exer­cem ne­fas­ta in­flu­ên­cia  à vi­da do nos­so or­ga­nis­mo so­ci­al. O Bra­sil ain­da não é uma pá­tria in­tei­ra­men­te li­vre. A co­me­mo­ra­ção do “Dia da Con­sci­ên­cia Ne­gra,” nes­te 20 de no­vem­bro de 2017 ar­re­me­te-nos a uma pro­fun­da re­fle­xão a res­pei­to da prá­ti­ca in­de­se­já­vel do ra­cis­mo em to­dos os qua­dran­tes da pá­tria bra­si­lei­ra. In­fe­liz­men­te o nos­so ain­da é um pa­ís ra­cis­ta.

Em ou­tra épo­ca a voz por­ten­to­sa e vi­bran­te de Cas­tro Al­ves o po­e­ta dos es­cra­vos, se le­van­ta co­mo in­can­sá­vel ali­a­da da ra­ça ne­gra. Com sua ver­ve in­con­fun­dí­vel ele de­ci­de can­tar em ver­sos as mi­sé­rias, a des­di­ta, às agru­ras e o so­fri­men­to da “ali­má­ria do uni­ver­so”, vi­ven­cia­dos pe­los nos­sos ir­mãos ne­gros nos po­rões dos na­vi­os que o con­du­zi­am à es­cra­vi­dão: “Não bas­ta in­da de dor oh Deus ter­rí­vel? É, pois Teu pei­to eter­no ine­xau­rí­vel de vin­gan­ça e ran­cor? O que é que fiz Se­nhor? Que tor­vo cri­me eu co­me­ti,  ja­mais que as­sim me opri­me teu  gáu­dio vin­ga­dor?”

O ra­san­te vou do in­con­for­ma­do po­e­ta con­dor, fi­lho di­le­to do fér­til e bon­do­so so­lo ba­i­a­no, cru­za os ma­res, os céus e os ares e do al­to de sua al­ti­va e ma­jes­to­sa es­ta­tu­ra in­te­lec­tu­al, vem à ter­ra fa­zer-se men­sa­gem. Ob­ser­va com cla­re­za e es­cre­ve com ni­ti­dez e pre­ci­são, a in­ten­sa dor da es­cra­va na­ção. Dos la­men­to­sos gri­tos que bro­ta­vam dos fé­ti­cos po­rões dos ne­grei­ros na­vi­os emer­gem o so­fri­men­to, a re­vol­ta e a dor dos fu­tu­ros es­cra­vos ino­cen­tes.

O po­e­ta le­van­ta e os­ten­ta bem al­to gar­bo­sa­men­te com en­tu­si­as­mo e ale­gria a ban­dei­ra da li­ber­ta­ção. Com a be­le­za in­con­fun­dí­vel de sua ver­ve po­é­ti­ca es­tra­ti­fi­ca em ver­sos a la­men­to­sa si­tu­a­ção da­que­le “ban­do” de mu­lhe­res e ho­mens ne­gros, car­co­mi­dos pe­la ver­go­nha e pe­la dor fí­si­ca e mo­ral. Emer­ge  de sua pe­na ma­gis­tral e so­be­ra­na o gri­to lu­ci­lan­te da an­gús­tia e da de­ses­pe­ra­ção su­pli­can­do con­so­lo e for­ça de vi­ver a uma hi­po­té­ti­ca en­ti­da­de su­pe­ri­or: “Deus ó  Deus on­de es­tás que não res­pon­des? Em que mun­do, em que es­tre­la Tu te es­con­des em­bu­ça­do nos Céus?”

A vi­da se­gue e o tem­po pas­sa sem pa­rar. Do inol­vi­dá­vel e li­ber­tá­rio gri­to do Ipi­ran­ga a es­ta par­te, o Bra­sil pas­sou a co­me­mo­rar em 7 de se­tem­bro a da­ta mag­na de sua In­de­pen­dên­cia Po­lí­ti­ca. Pe­na que os efei­tos no­ci­vos do re­gi­me do ar­bí­trio e da pre­po­tên­cia ha­jam ar­ran­ca­do o ci­vis­mo do pei­to va­ro­nil da bra­va gen­te bra­si­lei­ra. Em­bo­ra a nos­sa pá­tria ain­da não se­ja ple­na­men­te li­vre do pre­con­cei­to, da dis­cri­mi­na­ção, da in­di­fe­ren­ça e do ra­cis­mo, os bra­si­lei­ros, re­ve­ren­ci­am a me­mo­rá­vel da­ta da con­sci­ên­cia ne­gra.

Em­bo­ra a sim­bo­lo­gia ma­gis­tral das sim­bó­li­cas as co­me­mo­ra­ções da In­de­pen­dên­cia e da li­ber­ta­ção dos es­cra­vos é for­ço­so re­co­nhe­cer que o Dia da Con­sci­ên­cia Ne­gra é igual­men­te mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra a his­tó­ria do com­ba­li­do or­ga­nis­mo so­ci­al bra­si­lei­ro. Li­ber­da­de ple­na nes­te pa­ís só ha­ve­re­mos de en­con­trar quan­do nos des­ven­ci­lhar­mos com­ple­ta­men­te da es­cra­vi­dão de nos­sa pró­pria ig­no­rân­cia.

Li­ber­da­de ple­na só quan­do ven­cer­mos a vi­o­lên­cia, o ví­cio, a dro­ga, o pre­con­cei­to e o anal­fa­be­tis­mo. Li­ber­da­de ple­na só quan­do não mais hou­ver a pe­do­fi­lia, o es­tu­pro, o abor­to, a ex­plo­ra­ção se­xu­al, a es­cra­vi­dão bran­ca, e a cri­mi­no­sa de­vas­ta­ção da na­tu­re­za. Li­ber­da­de ple­na só quan­do afu­gen­tar­mos o fan­tas­ma in­de­se­já­vel da cor­rup­ção, da fo­me e da mi­sé­ria co­man­da­do pe­la tri­lo­gia: or­gu­lho, ego­ís­mo e vai­da­de.

Que a par­tir des­tas sin­ge­las re­fle­xões em tor­no des­tas da­tas his­tó­ri­cas pos­sa­mos nós os bra­si­lei­ros unir nos­sas emo­ções, nos­sos sen­ti­men­tos, nos­sos pen­sa­men­to, nos­sos co­ra­ções e ide­ais pa­ra jun­tos lu­tar­mos pe­lo bem da pá­tria bra­si­lei­ra. Per­si­ga­mos o su­pe­ri­or ob­je­ti­vo de con­so­li­dar es­ta con­quis­ta e fa­ça­mos do Bra­sil uma pá­tria ver­da­dei­ra­men­te li­vre, al­ta­nei­ra, so­be­ra­na, in­de­pen­den­te, fra­ter­na e igua­li­tá­ria.

 

(Gus­ta­vo Men­da­nha, pre­fei­to mu­ni­ci­pal de Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais