Opinião

Traficante e usuário: quem é quem?

diario da manha

En­tre os as­pec­tos que for­mam a com­ple­xi­da­de da prá­ti­ca pe­nal es­tá a di­fe­ren­cia­ção en­tre o tra­fi­can­te e o usu­á­rio de dro­gas. A Lei nº 11.343/06, co­nhe­ci­da co­mo “Lei de Tó­xi­cos” ou “Lei de Dro­gas”, in­clui em seus ar­ti­gos 28 (usu­á­rio) e 33 (trá­fi­co) as con­du­tas de “ad­qui­rir”, “ter em de­pó­si­to”, “guar­dar”, “tran­spor­tar”, “tra­zer con­si­go” al­gu­ma sub­stân­cia em de­sa­cor­do com de­ter­mi­na­ção le­gal.

É ne­ces­sá­ria a pers­pi­cá­cia de dis­tin­ção por par­te do ope­ra­dor do di­rei­to di­an­te das fi­gu­ras do “usu­á­rio” e do “tra­fi­can­te”, ao pas­so que há atos que po­dem ser, ao mes­mo tem­po, qua­li­fi­ca­dos co­mo de uso e de trá­fi­co, por oca­si­ão de exis­tir  “ver­bos” igua­is, por exem­plo, “ad­qui­rir”, tan­to no ar­ti­go 28, quan­to no ar­ti­go 33.

Con­si­de­ran­do-se es­te con­tex­to, a in­ter­pre­ta­ção de “ad­qui­rir”, “guar­dar”, “ter em de­pó­si­to”, “tran­spor­tar” e “tra­zer con­si­go” de­pen­de di­re­ta­men­te da in­ves­ti­ga­ção re­la­ti­va ao des­ti­no dos en­tor­pe­cen­tes, is­to é, a dro­ga é pa­ra uso ou exer­cí­cio da tra­fi­cân­cia? Des­tar­te, não é su­fi­ci­en­te a apre­en­são das dro­gas pa­ra ca­rac­te­ri­zar, de pla­no, o trá­fi­co.

Por­tan­to, se ele­men­tos da apre­en­são não pos­si­bi­li­tam a con­clu­são ime­di­a­ta se a dro­ga é pa­ra con­su­mo ou dis­tri­bui­ção, faz-se ne­ces­sá­rio ana­li­sar os se­guin­tes, e prin­ci­pa­is, itens fi­xa­dos pe­la Lei de Dro­gas: a quan­ti­da­de de en­tor­pe­cen­te; o lo­cal e con­di­ções em que se de­sen­vol­veu a ação cri­mi­no­sa; cir­cun­stân­cia da pri­são; a con­du­ta e os an­te­ce­den­tes do agen­te.

Nes­te sen­ti­do, qua­li­fi­ca-se usu­á­rio quan­do há uma pe­que­na quan­ti­da­de de dro­gas, en­quan­to o réu não tem an­te­ce­den­tes cri­mi­nais, bem co­mo se o lo­cal evi­den­cia que a dro­ga é pa­ra uso.

En­tre­tan­to, plei­teia-se a se­guin­te hi­pó­te­se: Jo­ão, pri­má­rio, co­nhe­ci­do tra­fi­can­te da ci­da­de, é pe­go com 16 “pe­te­cas” de co­ca­í­na, pe­san­do 4,5 gra­mas (pe­so pro­por­ci­o­nal ao con­su­mo pró­prio), pró­xi­mo a uma “bo­ca de fu­mo”. Nes­se ca­so, aos olhos da le­gis­la­ção, Jo­ão irá en­cai­xar-se co­mo tra­fi­can­te ou usu­á­rio? Res­pos­ta: não há uma equa­ção ma­te­má­ti­ca, mas, re­por­tan­do-se a in­da­ga­ção ex­ter­na­da no iní­cio do tex­to, ora, “pa­ra uso ou dis­tri­bui­ção”, po­de-se res­pon­der que Jo­ão se­rá ti­do co­mo tra­fi­can­te.

Des­se mo­do, um in­di­ví­duo que com­pra du­zen­tos gra­mas de ma­co­nha pa­ra uso po­de com­prar a mes­ma quan­ti­da­de pa­ra fra­ci­o­nar em “bu­chas” pa­ra ven­der. Ex­põe-se as­sim a del­ga­da li­nha que dis­cri­mi­na o usu­á­rio do tra­fi­can­te.

Por fim, a sub­je­ti­vi­da­de dos cri­té­rios que di­fe­ren­ci­am o usu­á­rio do tra­fi­can­te con­tri­bui pa­ra a se­le­ti­vi­da­de do sis­te­ma pe­nal, ao pas­so que o “po­bre” qua­se sem­pre se­rá fla­gra­do em pe­ri­fe­ria, na re­gi­ão da bo­ca de fu­mo, por­tan­do de­ter­mi­na­da quan­tia em di­nhei­ro de uma ren­da que não con­se­gue jus­ti­fi­car e/ou dro­gas no bol­so, qua­li­fi­can­do-o, na prá­ti­ca, sem­pre co­mo tra­fi­can­te. É per­ti­nen­te a re­fle­xão.

 

(Ra­fa­el Lo­pes, ad­vo­ga­do cri­mi­na­lis­ta, mem­bro da Co­mis­são de Di­rei­to Cri­mi­nal da OAB/GO e mem­bro da As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra dos Ad­vo­ga­dos Cri­mi­na­lis­tas – Abracrim-GO)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais