Opinião

A dança da cultura cigana, mourisca e árabe

diario da manha

O fôl­der do 2º Fes­ti­val Fla­men­co de Mon­tes Cla­ros ex­pli­ca que o Fla­men­co é uma dan­ça ori­un­da da fu­são da cul­tu­ra dos ci­ga­nos, mou­ris­cos – es­pa­nhóis des­cen­den­tes de mu­çul­ma­nos –, e ára­bes, sur­gi­da no sul da An­da­lu­zia, es­ta­do in­de­pen­den­te que in­te­gra a Fe­de­ra­ção His­pâ­ni­ca. Tal ma­ni­fes­ta­ção ser­viu pa­ra con­gre­gar os po­vos da­que­la re­gi­ão, uni­dos por dor, so­fri­men­to e per­se­gui­ção. A dan­ça ali­vi­a­va o so­fri­men­to, ani­ma­va fes­tas e en­chia as pes­so­as de or­gu­lho e es­pe­ran­ça em su­as lu­tas, unin­do cul­tu­ra e te­a­tra­li­da­de na ar­te de de­sa­ba­fo. Vá­rios rit­mos com­põ­em o Fla­men­co, e nes­ta apre­sen­ta­ção es­ti­ve­ram pre­sen­tes Mar­ti­ne­te, Co­lom­bi­a­nas, Pa­ta­da por Tan­gos, Gar­ro­tin, Gua­ji­ra, Tan­gos de Tri­a­na, Tan­gos de Gra­ná, Ale­gri­as, Se­vi­lha­na e Ti­en­tos. Nos dez nú­me­ros apre­sen­ta­dos, Eli­sa Pi­res es­ta­va no bai­le, as­si­nan­do a di­re­ção ar­tís­ti­ca, ce­no­gra­fia e co­re­o­gra­fia ao la­do dos seus alu­nos da Es­co­la Pá­tio Fla­men­co de Mon­tes Cla­ros.

Eli­sa Pi­res é mon­tes-cla­ren­se e es­te­ve ra­di­ca­da na ca­pi­tal du­ran­te du­as dé­ca­das, on­de te­ve uma es­co­la de dan­ça. Quan­do a vi dan­çar, co­nhe­ci a ple­ni­tu­de des­sa ar­te que di­vi­de o cor­po fe­mi­ni­no em du­as por­ções dis­tin­tas, da cin­tu­ra pa­ra ci­ma é a le­ve­za e fe­mi­ni­li­da­de dos ges­tos de bra­ços e mãos, da cin­tu­ra pa­ra bai­xo é a sen­su­a­li­da­de de um re­que­brar e a for­ça das per­nas e pés no sa­pa­te­a­do de di­ver­sas fa­ces. Al­ter­nam-se ba­ti­das do pé in­tei­ro, o gol­pe, do sal­to, o ta­con, ou da plan­ta ou da pon­ta, com seus sons e es­té­ti­cas ca­rac­te­rís­ti­cos. O sa­pa­te­a­do con­vi­da ao en­tu­si­as­mo e a em­pol­ga­ção, de­mons­tran­do sa­ú­de e agi­li­da­de, es­pe­ci­al­men­te se em rit­mo alu­ci­nan­te. Quan­do a dan­ça é tris­te, há dra­ma­ti­ci­da­de no ros­to do cor­po de bai­le, mas se é ale­gre o sor­ri­so cor­re em ca­da fa­ce, mos­tran­do o pra­zer de dan­çar.

Exis­tem os pal­me­ros, com mui­tas ma­nei­ras e sons nes­sas pal­mas, o que ga­ran­te o rit­mo, al­guns de­les com do­ze tem­pos. O som ne­ces­sá­rio po­de ser mais gra­ve ou mais agu­do, con­for­me o an­da­men­to. Tam­bém há os can­tes fla­men­cos, que sol­tam a sua voz de la­men­to, a gui­tar­ra fla­men­ca, o bai­xo elé­tri­co, o ca­jon e a per­cus­são. A mu­lher po­de se apre­sen­tar de cal­ças com­pri­das, mas ves­te, pre­fe­ren­ci­al­men­te, ves­ti­do com­pri­do de ba­ba­dos, ca­be­lo pre­so na nu­ca, en­fei­ta­do com flor, re­de ou pen­te, ma­qui­a­gem e sa­pa­to com bi­co e sal­to co­ber­to por me­tal, pa­ra ga­ran­tir o som do sa­pa­te­a­do.

Os ade­re­ços po­dem ser cha­péu, cha­le, le­que, si­no, ben­ga­la ou cas­ta­nho­la. Em­pu­nhar e to­car cas­ta­nho­la exi­gem um trei­na­men­to ex­trabai­le. Co­mo to­das as dan­ças, o Fla­men­co so­ci­a­li­za, in­te­gra, de­si­ni­be, con­ta­gia, e a co­re­o­gra­fia, com di­fe­ren­tes ma­ni­fes­ta­ções en­tre a par­te su­pe­ri­or e in­fe­ri­or do cor­po, pe­de uma es­pé­cie de dis­so­ci­a­ção cor­po­ral, e me­lhor con­sci­ên­cia fí­si­ca, fa­vo­re­cen­do co­ne­xões ce­re­bra­is ou­tras e ati­va­ção da me­mó­ria.

No 2º Fes­ti­val Fla­men­co de Mon­tes Cla­ros ti­ve­mos a pre­sen­ça de dois ho­mens, uma cri­an­ça, Jo­ão Pi­res e um adul­to, Ale­xan­der Tei­xei­ra. Bra­ços pa­ra ci­ma, num ges­tu­al mas­cu­li­no, eles têm mar­ca­das su­as ca­rac­te­rís­ti­cas de for­ça, vi­gor e vi­ri­li­da­de, e as­sim exi­be-se o ho­mem.

O qua­dro in­fan­til com Co­lom­bi­a­nas y Pa­ta­da por Tan­gos te­ve a gra­ci­o­si­da­de de du­as pré-ado­les­cen­tes que se des­ta­ca­ram pe­la ha­bi­li­da­de e po­ten­ci­al ar­tís­ti­co. São elas Lui­za Pi­res e Ya­ra Ro­yo. As ou­tras me­ni­nas, al­gu­mas de ten­ra ida­de, fi­ze­ram um tra­ba­lho de uma mei­gui­ce co­mo­ven­te.

A sen­su­a­li­da­de es­te­ve pre­sen­te no úl­ti­mo rit­mo, Ti­en­tos, nu­ma apre­sen­ta­ção de re­le­vo, com be­lo fi­gu­ri­no pre­to com ro­sas ver­me­lhas apli­ca­das no pei­to, bai­lan­do Ana Pi­res, Bel­la An­tu­nes, Da­nú­bia Sil­vei­ra, Dany Vas­con­ce­los, Ju­li­a­na Pi­res, Mar­ta Me­dei­ros, Van Ro­yo, Wylli­a­ne Al­bu­quer­que e Eli­sa Pi­res.

O so­lo de Eli­sa foi um pre­sen­te-con­vi­te pa­ra dan­çar Fla­men­co. Apre­sen­tou-se com um be­lo cha­le, tão gran­de que po­de­ria fa­cil­men­te la­çar-lhe os pés, de­se­qui­li­bran­do-a, mas o seu do­mí­nio téc­ni­co pas­sou lon­ge dis­so, es­pe­ci­al­men­te quan­do ela lar­gou seu par­cei­ro de fran­jas e sa­pa­te­ou ocu­pan­do to­do o pal­co. Apre­sen­tou-se nou­tros rit­mos, re­for­çan­do gru­pos e afi­nan­do o re­per­tó­rio, fez vá­ri­as tro­cas de fi­gu­ri­no, sen­do a ra­i­nha da fes­ta, ain­da que vá­ri­as de su­as alu­nas te­nham de­mons­tra­do no­tá­veis ta­len­tos. Mar­can­do sua ou­sa­dia e es­pí­ri­to em­pre­en­de­dor, Eli­sa Pi­res ide­a­li­zou e fez acon­te­cer um be­lo es­pe­tá­cu­lo. De vol­ta a Mon­tes Cla­ros há dois anos, cria em de­zem­bro a tra­di­ção fla­men­ca.

 

(Ma­ra Nar­ci­so, mé­di­ca e jor­na­lis­ta)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais