Opinião

A democracia a caminho da oligarquia

diario da manha

A al­ter­nân­cia do po­der, tro­ca de um ges­tor pú­bli­co por ou­tro di­fe­ren­te, oxa­lá, de par­ti­do opos­to, cons­ti­tui tô­ni­co re­cons­ti­tu­in­te, re­vi­ta­li­za­do­ra da de­mo­cra­cia. Pa­ra as­se­gu­rar es­sa re­ga­lia ím­par, foi ins­ti­tu­í­do man­da­tos es­tan­ques, em nos­so cas­so, a sub­sti­tui­ção de um por ou­tro, de qua­tro em qua­tro anos. Sub­sti­tui­ção por meio de elei­ções li­vres e vo­to se­cre­to, so­be­ra­no, uni­ver­sal. Es­se vo­to, quan­do con­sci­en­te, con­sci­en­te sa­pi­en­te, cons­ti­tui a ar­ma mais po­de­ro­sa do ci­da­dão/ci­da­dã, na de­mo­cra­cia, pois, per­mi­te a co­mu­ni­da­de re­a­li­zar, de for­ma sin­gu­lar, por­quan­to pa­cí­fi­ca, a al­ter­nân­cia do po­der, pre­mi­an­do o me­lhor can­di­da­to e, ao mes­mo tem­po, pe­na­li­zan­do o pi­or.

Acon­te­ce, lei­tor elei­tor, que ain­da ho­je, por cul­pa da es­co­la e a es­co­la, por cul­pa dos go­ver­nan­tes, em ple­na au­ro­ra do sé­cu­lo XXI, a mai­or par­ce­la dos vo­tos em nos­sos mu­ni­cí­pios, es­ta­dos e pa­is, con­ti­nua con­ta­mi­na­da de ví­ci­os, con­ti­nua vo­to de ca­bres­to ou do com­pa­drio, mais per­du­lá­rio ain­da, vo­to sub­ser­vi­en­te le­nien­te, re­mi­nis­cên­cia do feu­da­lis­mo, era do rei fi­gu­ra di­vi­na, sú­di­to ou ser­vo se­nhor. O vo­to pra­ti­ca­do da for­ma co­mo foi con­ce­bi­do, ima­gi­na­do, con­sci­en­te, cons­ti­tui freio ex­ce­len­te, in­ve­já­vel, pa­ra fre­ar a von­ta­de ego­ís­ti­ca, apai­xo­na­da do mau po­lí­ti­co, des­car­tan­do-o de for­ma pa­ci­fi­ca, or­dei­ra, pre­en­chen­do o seu lu­gar, por ou­tro me­lhor iden­ti­fi­ca­do, com os prin­cí­pios ba­si­la­res da cau­sa de­mo­crá­ti­ca.

So­bre­vém que, o vo­to em nos­so pa­ís foi sem­pre de ca­bres­to, es­fai­ma­do, pois, con­ser­va for­te ran­ço do vo­to da era do par­la­men­to im­pe­ri­al, o vo­to pa­ro­qui­al, on­de, pa­ra vo­tar, ti­nha que pos­su­ir pa­tri­mô­nio no va­lor mí­ni­mo de du­zen­tos con­tos de reis. O elei­tor pren­da­do, com es­se pa­tri­mô­nio, por­tan­to inu­si­ta­do, ven­dia seu vo­to pa­ra um fa­mi­ge­ra­do ca­bo elei­to­ral que, por sua vez, elei­tor de vo­to plu­ral, ven­dia uma “cam­bu­i­a­da”, gí­ria dos tem­pos idos, pa­ra o can­di­da­to ao par­la­men­to. Era co­mum, quan­do o can­di­da­to não se ele­gia ou re­e­le­gia, dar o tom­bo nos seus ca­bos elei­to­ra­is, de­sen­ca­de­an­do uma que­bra­dei­ra dos in­fer­nos.

To­da es­sa di­va­ga­ção, pa­ra que se pos­sa en­ten­der a ori­gem, fun­da­men­to, do vo­to de ca­bres­to, mer­can­ti­li­za­do no pro­ces­so elei­to­ral, na atu­al con­jun­tu­ra bra­si­lei­ra, as­so­cia­do as cam­pa­nhas na­ba­bes­cas, nas­ce­dou­ro da mal­si­na­da cor­rup­ção que as­so­la o pa­ís, de can­to a can­to. Nes­sas cam­pa­nhas mi­li­o­ná­rias, o can­di­da­to, pa­ra se ele­ger, es­ban­ja re­cur­sos fi­nan­cei­ros com uma mão, uma vez elei­to, pas­sa a ex­tor­quir, com a ou­tra, su­per­fa­tu­ran­do o or­ça­men­to pú­bli­co, afim de se per­pe­tu­ar no po­der, con­tra­ri­an­do o prin­cí­pio sa­gra­do de al­ter­nân­cia, na de­mo­cra­cia. A bai­xa al­ter­nân­cia, ma­nu­ten­ção pe­lo vo­to de ca­bres­to, das mes­mas fi­gu­ras nos car­gos, le­va a for­ma­ção de oli­gar­quias, se­ja no âm­bi­to mu­ni­ci­pal, se­ja no es­ta­du­al, co­mo no fe­de­ral. Es­sas oli­gar­quias de ori­gem fa­mi­liar pas­sam a se apo­de­rar de re­ga­li­as, pri­vi­lé­gios he­di­on­dos, su­jan­do a ima­gem da de­mo­cra­cia no seio da so­ci­e­da­de, daí o al­to grau de re­jei­ção, des­con­ten­ta­men­to, no âm­bi­to da so­ci­e­da­de elei­to­ra, ab­sten­ção de vo­ta­ção, de qua­se 30%, nas elei­ções do úl­ti­mo plei­to.

O pró­prio Con­gres­so Na­ci­o­nal ma­ni­e­ta­do por mis­ce­lâ­nea des­ses gru­pos oli­gár­qui­cos con­cor­re, em mui­to, pa­ra ma­cu­lar a ima­gem da de­mo­cra­cia. Há, ali, um nú­me­ro gran­de de re­pre­sen­tan­tes se re­e­le­gen­do su­ces­si­va­men­te, por mais de qua­ren­ta anos. Ave­za­dos aos maus cos­tu­mes, no in­tui­to de re­ce­ber be­nes­ses, por meio de emen­das, não apro­vam au­men­to de im­pos­tos, tão pou­co, a re­du­ção das mor­do­mi­as, le­van­do o go­ver­no, ca­so re­cen­te, a au­men­tar os pre­ços dos com­bus­tí­veis, com o fim de ar­re­ca­dar mais im­pos­tos. No to­can­te ao óleo di­es­el e com­bus­tí­vel, o au­men­to é per­ni­cio­so a eco­no­mia do pa­ís, por­quan­to vi­tal a to­do pro­ces­so pro­du­ti­vo, bem co­mo, es­co­a­men­to da ri­que­za na­ci­o­nal, es­tá, por­tan­to, o atu­al go­ver­no, na con­tra­mão da his­tó­ria.

Fos­se a so­ci­e­da­de con­sci­en­ti­za­da de seu ver­da­dei­ro pa­pel, na vi­da re­pu­bli­ca­na, qual se­ja, o de con­tro­lar os ges­to­res pú­bli­cos, já te­ria se mo­bi­li­za­do, mo­bi­li­za­do de for­ma or­dei­ra, pa­cí­fi­ca con­tra tais au­men­tos abu­si­vos, de­sa­ti­na­dos, in­cen­ti­va­do­res do pro­ces­so in­fla­cio­ná­rio, ini­bi­do­res do cres­ci­men­to, co­ad­ju­van­te da es­tag­na­ção eco­nô­mi­ca. Re­mon­tan­do ao vo­to, fos­se ele con­sci­en­te, con­sci­en­te sa­pi­en­te, por si mes­mo, já es­ta­ria con­tro­lan­do a ma­nia vi­ci­a­da, vi­ci­o­sa de re­e­lei­ções in­fin­das, no en­tan­to, co­mo não é, nun­ca foi, ca­be a na­ção, por meio de su­as ins­ti­tu­i­ções clas­sis­tas, re­pre­sen­ta­ti­vas co­mo OAB, CNBB, e, ou­tras de in­flu­ên­cia no­tó­ria re­cor­rer, co­mo fez pa­ra apro­var a lei da Fi­cha Lim­pa, ao ar­ti­go 14, alí­nea III, da mag­na cons­ti­tu­i­ção, me­di­da de ini­ci­a­ti­va po­pu­lar, fa­zen­do, por meio do vo­to ele­trô­ni­co. Apro­var leis que aca­bem com o pro­ces­so ma­trei­ro de re­e­lei­ções abu­si­vas, que lem­bra o feu­da­lis­mo da mo­nar­quia. Na­que­le tem­po, o im­bró­glio se fa­zia por he­re­di­ta­ri­e­da­de, no ago­ra, se faz pe­lo vo­to de ca­bres­to, vo­to de com­pa­drio, ou se­ja, sub­ser­vi­en­te le­nien­te. No mes­mo pro­je­to, se­ria tam­bém le­gal, pa­ra oxi­ge­nar a re­pú­bli­ca, trans­fe­rir à co­mu­ni­da­de, por meio de su­as lí­di­mas ins­ti­tu­i­ções, o di­rei­to de le­gis­lar em cau­sa pró­pria, is­to é, ca­be­ria a so­ci­e­da­de con­tri­buin­te con­tro­lar to­da sor­te de pro­ven­tos de­les.

Ade­mais, há ou­tros, igual­men­te in­fi­éis, no­ci­vo a de­mo­cra­cia, que é o di­rei­to, ou­tor­ga do pre­si­den­te da re­pú­bli­ca e go­ver­na­do­res dos es­ta­dos, de no­me­a­rem os mi­nis­tros que irão jul­gar as su­as pró­pri­as con­tas. Qua­se to­dos pri­vi­lé­gios, des­sa na­tu­re­za, re­mon­tam a re­a­le­za, cus­ta, en­tão, crer que pas­sa­ram ile­sos nu­ma cons­ti­tu­in­te, tão ba­da­la­da, co­mo a de 1988. Pois bem lei­tor, is­to le­va a so­ci­e­da­de agas­ta­da com tan­tos es­cân­da­los a crer, que eles cons­ti­tu­in­tes, no lu­gar de cor­tar, to­da sor­te de re­ga­li­as atá­vi­cas, her­da­das do Im­pé­rio, mo­nar­quia, ao es­cor­ra­ça­rem os en­tu­lhos au­to­ri­tá­rios da di­ta­du­ra, se acer­ca­ram, mais do que dan­tes, de re­ga­li­as tão avan­ta­ja­das que, mes­mo, com o es­cân­da­lo da Pe­tro­bras, “O Pe­tro­lão” em apu­ra­ção pe­la ope­ra­ção La­va Ja­to, con­ti­nuam pro­te­gi­dos pe­lo fó­rum pri­vi­le­gi­a­do.

Ta­ma­nha re­ga­lia, de dar agua na bo­ca, lem­bra o an­ti­go ne­gó­cio da Chi­na, con­tu­do, o de ago­ra em uso dei­xa no os­tra­cis­mo o da Chi­na, ca­val­ga com es­po­ras, chi­co­tes, mes­mo aque­le do ban­quei­ro, qual se­ja, o adá­gio, de que, o me­lhor ne­gó­cio do mun­do é ser ban­quei­ro, o se­gun­do me­lhor ne­gó­cio, é um ban­quei­ro ar­rui­na­do. Mais do que o do ban­quei­ro, nes­te pa­ís, o me­lhor ne­gó­cio é o de um po­lí­ti­co com man­da­to, o se­gun­do me­lhor ne­gó­cio é o de po­lí­ti­co ar­rui­na­do. A pro­va ca­bal des­sa afir­ma­ti­va, po­de ser ob­ser­va­da pe­lo ve­-e­men­te ape­go no car­go ele­ti­vo. Com efei­to, ele­ge-se a pri­mei­ra vez pas­san­do, a se­guir, lu­ta-se de unhas e den­tes pa­ra nun­ca mais per­der o jo­co­so pos­to, inu­si­ta­da pren­da, por­ten­to­so man­da­to ou­tor­ga­do pe­lo vo­to com­pa­drio, sub­ser­vi­en­te le­nien­te, con­tra­ri­an­do, so­be­ja­men­te, as nor­mas de­mo­crá­ti­cas de mu­dan­ças cons­tan­tes, per­ma­nen­tes de re­pre­sen­tan­tes nos po­de­res le­gis­la­ti­vo, exe­cu­ti­vo, bem co­mo, no ju­di­ci­á­rio, ora de pou­ca al­ter­nân­cia, na jus­ti­ça cí­vil. Pas­me! Ne­nhu­ma, na jus­ti­ça in­qui­si­ti­va, to­ta­li­tá­ria, tra­ba­lhis­ta. A per­pe­tu­a­ção, no mes­mo car­go, ele­ti­vo ou não, con­tra­ria de for­ma abo­mi­ná­vel, o sis­te­ma de go­ver­no re­pu­bli­ca­no, mas­ca­ran­do a sua ima­gem pe­ran­te a so­ci­e­da­de que sus­ten­ta, de for­ma an­gus­ti­a­da, o es­ta­do pa­pão, pa­ga a con­ta de tu­do, pois ele não ge­ra im­pos­to. O es­ta­do bem con­tro­la­do po­de ad­mi­nis­trar, com se­ri­e­da­de, tran­spa­rên­cia, o erá­rio pú­bli­co, po­rém, sem con­tro­le in­ter­no e ex­ter­no, co­mo o mons­tro da fá­bu­la Gre­ga, mi­no­tau­ro, ou ou­tro mons­tro de sua ima­gi­na­ção, de­vo­ra, com gu­la, os bens es­ta­tais, tri­bu­tos pa­gos por to­dos.

Em tem­po, ca­be a vo­cê, so­ci­e­da­de, sa­ir da ina­ção pa­ra a ação, fa­zer e cons­tru­ir sua pró­pria his­tó­ria, par­ti­ci­pan­do, in­ci­si­va­men­te, da vi­da po­lí­ti­ca de sua co­mu­ni­da­de, der­ro­gan­do, to­da sor­te de en­tu­lhos, prer­ro­ga­ti­vas pri­vi­lé­gios, aci­ma ex­pos­tas, que vem ar­ra­san­do, so­la­pan­do a ima­gem da re­pú­bli­ca, trans­for­man­do vo­cê, no pla­no vir­tu­al, em bur­ra de car­ga de­le, es­ta­do,

além dis­so, bur­ra de car­ru­a­gem de lu­xo dos go­ver­nan­tes e seus apa­ni­gua­dos, por meio das mor­do­mi­as, até ago­ra, in­to­cá­veis, im­pu­nes. Po­lí­ti­ca em vo­ga por to­da sor­te de oli­gar­quias, en­con­tra-se tão afas­ta­da da éti­ca, co­mo a ter­ra do sol.

 

(Jo­si­as Lu­iz Gui­ma­rã­es, ve­te­ri­ná­rio pe­la UFMG, pós-gra­du­a­do em fi­lo­so­fia po­lí­ti­ca pe­la PUC-GO, pro­du­tor ru­ral)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais