Opinião

A despeito do Natal, Feliz Natal!

diario da manha

Não é de mi­nha na­tu­re­za ser um ni­i­lis­ta. Tam­pou­co um des­man­cha-pra­ze­res. En­tre­tan­to, por mais que eu me es­for­ce, não con­si­go en­vol­ver-me nes­se cli­ma de Na­tal que tan­to con­ta­gia as pes­so­as. Não di­go is­so com re­go­zi­jo, o fa­ço até mes­mo com cer­ta do­se de tris­te­za, afi­nal, não é fá­cil vi­ver em um mun­do on­de sin­to-me des­to­an­te de qua­se tu­do o que é co­mum. Não é so­men­te o Na­tal que ve­jo co­mo sen­do al­go ab­so­lu­ta­men­te sem sen­ti­do. Ou me­lhor, o Na­tal faz sen­ti­do, sim, pa­ra cum­prir com a fi­na­li­da­de re­al, pa­ra a qual ele foi in­ven­ta­do: a fes­ta do ca­pi­ta­lis­mo, da cul­tu­ra con­su­mis­ta.

Eu te­nho uma enor­me di­fi­cul­da­de de in­ser­ção até mes­mo nas coi­sas mais co­muns, na­qui­lo que, às ve­zes, sig­ni­fi­ca até mes­mo a iden­ti­da­de de um po­vo, co­mo por exem­plo o fu­te­bol. Quan­do ve­jo du­as ou mais pes­so­as dis­cu­tin­do so­bre fu­te­bol, por mais que eu me es­for­ce, não mais pa­ra en­trar no cli­ma, mas, ao me­nos, pa­ra achar nor­mal, não con­si­go ver ou­tra coi­sa se­não dois ou mais idi­o­tas. Pa­ra mim é tu­do mui­to sem sen­ti­do. Eu te­nho mui­tos ami­gos que gos­tam de fu­te­bol, ou­tros que são fa­ná­ti­cos. Is­so me aju­dou a des­co­brir que as mu­lhe­res sem­pre fin­gi­ram que odei­am que seus na­mo­ra­dos ou ma­ri­dos se­jam fis­su­ra­dos por fu­te­bol. É tu­do men­ti­ra. Elas gos­tam dis­so, pois, pa­ra elas, fi­ca tu­do tão pre­vi­sí­vel que fa­ci­li­ta o con­tro­le, a fis­ca­li­za­ção, o do­mí­nio da si­tu­a­ção. Elas não ve­em ne­les ne­nhu­ma va­ri­a­ção e is­so as co­lo­ca em uma zo­na de con­for­to di­an­te da re­la­ção. As mu­lhe­res, na ver­da­de, não su­por­tam os ho­mens que pen­sam mui­to, que se en­tre­gam por ho­ras ao si­lên­cio, às in­tro­spec­ções, às re­fle­xões. Is­so cau­sa ne­las uma pro­fun­da in­qui­e­ta­ção. “Ih, es­se ca­ra pen­sa de­mais. O que se­rá que an­da se pas­san­do pe­la ca­be­ça de­le? Se­rá que es­tá des­con­fi­an­do de al­gu­ma coi­sa”?

Mas, não é ape­nas em re­la­ção ao fu­te­bol que sin­to-me de­sa­gre­ga­do de gran­de par­te do cor­po so­ci­al. A co­me­çar, não sou um bra­si­lei­ro tí­pi­co, não gos­to de ca­fé, não su­por­to car­na­val, odeio pa­go­de e axé. Qual­quer pes­soa fu­man­te per­ce­be ra­pi­da­men­te que não gos­to de­la, nem mes­mo que res­pi­re per­to de mim. Co­mo se tu­do is­so fos­se pou­co, de­tes­to mul­ti­dão e gen­te que fa­la al­to e em de­ma­sia. Não é pre­ci­so pres­sa­gi­ar pa­ra per­ce­ber que te­nho pou­cos ami­gos. Sim, são pou­cos. Mas cul­ti­vo com de­vo­ção as ami­za­des que pos­suo, co­mo sen­do uma de mi­nhas ca­rac­te­rís­ti­cas idi­os­sin­crá­ti­cas, não sig­ni­fi­can­do que eu se­ja uma pes­soa não-gre­gá­ria.

Re­tor­nan­do ao te­ma do Na­tal, eu te­nho ra­zões pa­ra de­tes­tá-lo des­de a mi­nha ten­ra in­fân­cia, mais pre­ci­sa­men­te quan­do co­me­cei a apren­der a ler. Por is­so creio que a edu­ca­ção é mes­mo mui­to po­de­ro­sa pa­ra que­brar mi­tos, des­tru­ir ilu­sões, li­ber­tar-nos da ca­ver­na da ig­no­rân­cia. A in­fân­cia po­bre da­va-nos a sen­sa­ção de que o Na­tal não exis­tia pa­ra nós, pois es­tá­va­mos fo­ra do rol dos que po­di­am con­su­mir. Res­ta­va-nos ape­nas es­pe­rar a vi­si­ta do Pa­pai No­el. Quan­do co­me­cei a apren­der a ler, en­tão tu­do se es­cla­re­ceu. Eu per­ce­bi pe­los pa­peis dos em­bru­lhos dos pre­sen­tes que não era na­da de Pa­pai No­el, mas a mi­nha po­bre mãe que fa­zia um es­for­ço imen­su­rá­vel pa­ra nos pre­sen­te­ar e nem se pre­o­cu­pa­va em en­vol­ver os pre­sen­tes em pa­peis que omi­tis­sem os no­mes dos es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais on­de fo­ram com­pra­dos. Pa­ra ela, po­der com­prá-los e nos pre­sen­te­ar já era um gran­de alí­vio e fe­li­ci­da­de. Pa­ra nós tam­bém. Eu sem­pre achei o Na­tal uma far­sa e, quan­do adul­to, o que era dú­vi­da pas­sou a ser cer­te­za. A co­me­çar pe­la pró­pria da­ta, 25 de de­zem­bro. É cla­ro que es­sa da­ta não pas­sa de uma es­tra­té­gia do co­mér­cio pa­ra ajus­tar su­as eco­no­mi­as, con­si­de­ran­do o fim do ano e o iní­cio de ou­tro.

Ne­nhum his­to­ri­a­dor, ne­nhu­ma re­li­gi­ão, ne­nhum do­cu­men­to, até ho­je, foi ca­paz de de­mons­trar que Je­sus Cris­to, de fa­to, te­nha nas­ci­do no dia 25 de de­zem­bro. Ali­ás, sem pre­ten­der cri­ar po­lê­mi­ca, e por res­pei­to aos sen­ti­men­tos que en­vol­vem tan­ta gen­te nes­te pe­rí­o­do, não vou apro­fun­dar-me no as­sun­to. En­tre­tan­to, exis­tem es­tu­di­o­sos, co­mo his­to­ri­a­do­res, ar­que­ó­lo­gos, an­tro­pó­lo­gos, que sus­ten­tam que o pró­prio Je­sus Cris­to nun­ca exis­tiu e que a sua in­ven­ção não pas­sa de uma pro­vi­dên­cia de es­tra­té­gia do im­pe­ra­dor Cons­tan­ti­no e pe­las mes­mas ra­zões que se cri­ou a Igre­ja Ca­tó­li­ca.

Em ver­da­de, eu na­da te­nho con­tra o Na­tal. Ocor­re que tam­bém na­da te­nho a fa­vor. Quan­do eu di­go a al­guém “fe­liz Na­tal”, não es­tou fa­zen­do re­fe­rên­cia à da­ta, pro­pri­a­men­te di­ta, pois não acre­di­to que exis­ta al­go de Di­vi­no ou de So­bre­na­tu­ral nis­so. Acre­di­to, sim­ples­men­te, que a pes­soa pos­sa, a pre­tex­to do Na­tal, ser re­al­men­te fe­liz, em co­mu­nhão com seus en­tes que­ri­dos, cul­ti­van­do e com­par­ti­lhan­do da bon­da­de que já exis­te em si, em seu co­ra­ção, in­de­pen­den­te­men­te da da­ta. O Na­tal, por si só, não tor­na o mun­do me­lhor, não faz as pes­so­as me­lho­res. Ele nun­ca faz ces­sar as guer­ras, as mal­da­des, a in­ve­ja, a co­bi­ça, o ódio. Sen­ti­men­tos de res­pei­to e amor ao pró­xi­mo não nas­cem da ma­ni­fes­ta­ção de von­ta­de dos deu­ses; eles bro­tam e se de­sen­vol­vem a par­tir da to­ma­da de con­sci­ên­cia, for­ma­da pe­la cons­tru­ção dos va­lo­res éti­cos, al­tru­ís­tas, co­mo con­se­quên­cia da evo­lu­ção hu­ma­na na di­re­ção de su­as as­pi­ra­ções ci­vi­li­za­tó­ri­as. Ain­da es­ta­mos mui­to aquém des­se ide­al.

No pe­rí­o­do de Na­tal as pes­so­as fa­lam de paz, de amor, de fra­ter­ni­da­de, mas con­ti­nuam ma­tan­do, rou­ban­do, men­tin­do, fe­rin­do, en­ga­nan­do, cons­pi­ran­do. Sem pre­ten­der ser cé­ti­co nem pes­si­mis­ta aos ex­tre­mos, per­ce­bo no Na­tal uma da­ta on­de a hi­po­cri­sia se re­ve­la com mais ên­fa­se. Em meu es­cri­tó­rio, re­ce­bo de­ze­nas de cor­res­pon­dên­cias com te­mas alu­si­vos ao Na­tal e ao Ano No­vo, prin­ci­pal­men­te as emi­ti­das por po­lí­ti­cos, a mai­or par­te de­les os mais ines­cru­pu­lo­sos cor­rup­tos. Fa­ço aqui, de pú­bli­co, es­te re­gis­tro: há mui­to tem­po dei­xei de ler es­sas as­nei­ras cus­te­a­das pe­lo Erá­rio. Ali­ás, con­fes­so, ge­ral­men­te li­mi­to-me a amas­sá-las ou ras­gá-las e ar­re­mes­sá-las ao ces­to de li­xo. Na ver­da­de, eu de­tes­to cor­res­pon­dên­cia de po­lí­ti­co. Elas, na mai­o­ria das ve­zes, são a ex­pres­são em ver­são im­pres­sa de su­as hi­po­cri­si­as e a su­bes­ti­ma­ção da in­te­li­gên­cia do des­ti­na­tá­rio. São vi­si­vel­men­te fal­sas. O con­te­ú­do é re­ple­to de fra­ses me­câ­ni­cas e pa­dro­ni­za­das, de pés­si­mo mau-gos­to e, o que é pi­or, cus­te­a­das com o di­nhei­ro do con­tri­buin­te e ser­vem ape­nas co­mo pro­pa­gan­da elei­to­rei­ra.

É nes­sa épo­ca que sur­gem os cha­ma­dos “ca­ri­do­sos de oca­si­ão”. Nem es­tou fa­zen­do re­fe­rên­cia a po­lí­ti­cos e go­ver­nos que dis­tri­bu­em pre­sen­tes às cri­an­ci­nhas po­bres, com­pra­dos com o di­nhei­ro al­heio. Re­fi­ro-me, mais es­pe­ci­fi­ca­men­te, àque­les em­pre­sá­rios, co­mer­cian­tes, que pas­sam o ano in­tei­ro rou­ban­do seus cli­en­tes, ex­plo­ran­do seus fun­cio­ná­rios, so­ne­gan­do tri­bu­tos e, no fi­nal do ano, vão às pe­ri­fe­rias dis­tri­bu­ir brin­que­dos de 1 re­al ou so­pa com pão mur­cho aos de­sa­bri­ga­dos. A gran­de par­te des­sas “bo­as ações” é acom­pa­nha­da da im­pren­sa, que foi avi­sa­da an­te­ci­pa­da­men­te, ou de uma pes­soa que es­tá sem­pre com uma câ­me­ra à mão. Não sei se sou um cé­ti­co pir­rô­ni­co, mas, é fa­to que já tem um bom tem­po que dei­xei de acre­di­tar na bon­da­de hu­ma­na. Ve­jo por trás de ca­da ges­to de bon­da­de hu­ma­na uma ca­mu­fla­gem pa­ra um in­te­res­se ego­ís­ti­co ou um tre­men­do sen­ti­men­to de cul­pa, um en­car­go de con­sci­ên­cia.

Co­mo já dis­se em ou­tras opor­tu­ni­da­des, eu cos­tu­mo lan­çar al­gu­mas dú­vi­das so­bre as ge­ne­ro­si­da­des “des­pren­di­das” de Ma­dre Te­re­za de Cal­cu­tá e de Ir­mã Dul­ce. Te­nho cá mi­nhas in­cer­te­zas de que se não fos­se a sua ina­ba­lá­vel fé em Deus e, com mai­or ên­fa­se, a cren­ça de que o In­fer­no re­al­men­te exis­te, se elas te­ri­am si­do tão bo­a­zi­nhas. A bon­da­de que lhes ca­rac­te­ri­za é a pu­re­za dos seus co­ra­ções ou o me­do do Cas­ti­go Eter­no? Se­ria o me­do da ira de Deus que lhes con­de­na­ria ao fo­go do In­fer­no?

Quan­do o cir­co in­ven­tou o pa­lha­ço foi pa­ra en­tre­ter o pú­bli­co en­tre uma ce­na e ou­tra, en­quan­to os ato­res tro­ca­vam as su­as fan­ta­si­as e al­te­ra­vam o ce­ná­rio pa­ra a pró­xi­ma en­ce­na­ção. Nes­se in­ter­va­lo, apro­vei­ta­vam pa­ra co­mer­cia­li­zar al­gu­mas gu­lo­sei­mas e pro­du­tos, en­quan­to o pa­lha­ço re­a­li­za­va es­tri­pu­li­as pa­ra não en­fa­dar os pre­sen­tes. O tem­po, to­da­via, in­cum­biu-se de trans­for­mar o pa­lha­ço na prin­ci­pal atra­ção do cir­co, per­so­ni­fi­can­do ne­le o que há de mais en­can­ta­dor, de má­gi­co, no ver­da­dei­ro es­pí­ri­to do cir­co. O ca­pi­ta­lis­mo e a cul­tu­ra do con­su­mo tam­bém cri­a­ram o Na­tal, vi­san­do o lu­cro, o co­mér­cio.

Tal­vez – es­pe­ro, sin­ce­ra­men­te – o ser hu­ma­no pos­sa ser re­al­men­te to­ca­do por um sen­ti­men­to su­bli­me e trans­for­me o Na­tal em uma da­ta de ce­le­bra­ção da vi­da, do amor ao pró­xi­mo, e ha­ja mais en­vol­vi­men­to em um es­pí­ri­to de so­li­da­ri­e­da­de e fra­ter­ni­da­de. Não por ser Na­tal, mas por ter nos tor­na­do em se­res que, ver­da­dei­ra­men­te, fo­mos to­ma­dos por uma Éti­ca-Mai­or e al­can­ça­do um es­tá­gio de evo­lu­ção es­pi­ri­tual que nos per­mi­te sen­tir que com­pe­te a nós a mis­são de fa­zer­mos da Ter­ra um lu­gar úni­co e fe­liz.

Nes­se sen­ti­do, e com es­sa es­pe­ran­ça, sin­to-me mo­ti­va­do a res­sus­ci­tar a cren­ça no po­ten­ci­al hu­ma­no e po­der de­se­jar a to­dos um Fe­liz Na­tal. Sim, eu re­al­men­te de­se­jo a to­dos um Fe­liz Na­tal!

 

(Ma­no­el L. Be­zer­ra Ro­cha, ad­vo­ga­do cri­mi­na­lis­ta – mlbe­zer­ra­ro­[email protected])

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais