Opinião

A exigibilidade do teste de HIV nos concursos públicos é constitucional?

diario da manha

Mui­to se tem ques­ti­o­na­do acer­ca da obri­ga­to­ri­e­da­de de di­ver­sos exa­mes pa­ra com­pro­va­ção de ap­ti­dão dos can­di­da­tos nos con­cur­sos pú­bli­cos, prin­ci­pal­men­te aque­les que sub­me­tem os ser­vi­do­res ao es­for­ço fí­si­co du­ran­te su­as ati­vi­da­des la­bo­ra­is. Um dos tes­tes con­si­de­ra­dos mais pas­sí­veis de po­lê­mi­ca, tan­to no mun­do ju­rí­di­co, quan­to no dia a dia dos con­cur­sei­ros se­ria a obri­ga­to­ri­e­da­de do exa­me de HIV.

Ora, tal re­qui­si­to não afron­ta­ria o prin­cí­pio da iso­no­mia? Se­ria ra­zo­á­vel que can­di­da­tos sub­me­ti­dos e apro­va­dos no Tes­te de Ap­ti­dão Fí­si­ca – TAF, uma vez por­ta­do­res do ví­rus HIV, fos­sem pre­ju­di­ca­dos no seu di­rei­to à no­me­a­ção e pos­se por se­rem con­si­de­ra­dos pes­so­as vul­ne­rá­veis quan­to ao bom de­sem­pe­nho de su­as ati­vi­da­des? Di­an­te das in­da­ga­ções apre­sen­ta­das, o Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça, cor­te res­pon­sá­vel por ana­li­sar ca­sos de re­le­van­te in­te­res­se so­ci­al, já dis­pôs so­bre o as­sun­to, no sen­ti­do de que tal de­ci­são aten­ta con­tra o prin­cí­pio da dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na, bem co­mo atin­ge o di­rei­to à igual­da­de das pes­so­as nes­sas con­di­ções.

O res­pec­ti­vo Tri­bu­nal ain­da con­si­de­ra ati­tu­de dis­cri­mi­na­tó­ria por par­te do Po­der Pú­bli­co, ex­clu­ir can­di­da­to do cer­ta­me por es­te ser por­ta­dor so­ro­ló­gi­co po­si­ti­vo, po­rém, en­ten­de ser ra­zo­á­vel a dis­po­si­ção em edi­tal quan­to a obri­ga­to­ri­e­da­de de tal exa­me, quan­to ao exer­cí­cio de al­gu­mas ati­vi­da­des, con­si­de­ra­das con­tra­di­tó­ri­as com os sin­to­mas da do­en­ça, qua­is se­jam: o ser­vi­ço di­re­to nas em­bar­ca­ções em na­vi­os (For­ças Ar­ma­das – Ma­ri­nha), nas uni­da­des Ope­ra­ti­vas de Tro­pa, etc.

Di­an­te de tais, den­tre ou­tras cir­cun­stân­cias, po­de-se exi­gir o exa­me, po­rém, o ob­je­to da re­fe­ri­da ava­li­a­ção de­ve-se pau­tar, não pe­la eli­mi­na­ção de pla­no do can­di­da­to, mas sim pos­si­bi­li­tar que es­te pos­sa exer­cer as fun­ções de­se­ja­das, fa­zen­do uma pon­de­ra­ção en­tre as li­mi­ta­ções de um so­ro po­si­ti­vo, com­bi­na­do com o car­go a ser ocu­pa­do.

Es­te é o en­ten­di­men­to do STJ, já que, em re­gra, o edi­tal não po­de exi­gir a obri­ga­to­ri­e­da­de do exa­me, le­van­do em con­si­de­ra­ção a dis­po­si­ção nor­ma­ti­va ci­ta­da pe­lo pró­prio Tri­bu­nal Su­pe­ri­or, qual se­ja, a Por­ta­ria In­ter­na­ci­o­nal nº 869/92, na qual pres­cre­ve que: Con­si­de­ran­do que a so­ro­lo­gia po­si­ti­va pa­ra o ví­rus da imu­no­de­fi­ci­ên­cia ad­qui­ri­da (HIV) em si não acar­re­ta pre­ju­í­zo da ca­pa­ci­da­de la­bo­ra­ti­va de seu por­ta­dor.

A nos­sa Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral, es­ta­be­le­ce a re­gra de que to­dos são igua­is pe­ran­te a lei, ga­ran­tin­do à to­dos o di­rei­to a iso­no­mia, bem co­mo pre­zar por sua in­vi­o­la­bi­li­da­de, no sen­ti­do de ga­ran­tir que os de­si­gua­is tam­bém se­jam aten­di­dos em ma­ni­fes­ta pro­por­ção com su­as li­mi­ta­ções, e não se­rem ve­da­dos do exer­cí­cio de  um di­rei­to to­tal­men­te le­gí­ti­mo, já que os por­ta­do­res do ví­rus HIV são ca­pa­zes de de­sen­vol­ver ati­vi­da­des em car­gos com fun­ções com­ple­xas, a de­pen­der tão so­men­te dos Tes­tes de Ap­ti­dão Fí­si­ca – TAF.

Por­tan­to, não se­ria ra­zo­á­vel ob­star na re­a­li­za­ção do so­nho de uma pes­soa tão so­men­te por sua con­di­ção de por­ta­dor do ví­rus HIV, mas ape­nas es­cla­re­cê-lo acer­ca das li­mi­ta­ções que de­ter­mi­na­dos car­gos im­põ­em, pa­ra a sua pró­pria se­gu­ran­ça e a fim de pre­ser­var a sua sa­ú­de, oca­si­ão em que de­ve ser opor­tu­ni­za­da me­di­das al­ter­na­ti­vas co­mo pré-re­qui­si­to pa­ra pros­se­gui­men­to nas de­mais fa­ses ou até mes­mo efe­ti­var a no­me­a­ção e pos­se do can­di­da­to nes­tas con­di­ções.

 

(Rob­son Sousa, as­sis­ten­te Ju­rí­di­co no Es­cri­tó­rio de Ad­vo­ca­cia Ag­nal­do Bas­tos)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar