Opinião

A mensagem do Natal

diario da manha

Du­ran­te mui­tos anos, ti­ve sem­pre uma cer­ta di­fi­cul­da­de em cap­tar a men­sa­gem do Na­tal. Quan­do me­ni­no, ou­via as mais di­ver­sas ex­pli­ca­ções, di­tas apres­sa­da­men­te pe­los adul­tos: “é o nas­ci­men­to do nos­so Se­nhor”; “é a da­ta mais im­por­tan­te do mun­do”; “é tem­po de amor e de paz”; “é dia do pa­pai No­el tra­zer pre­sen­tes”. Co­mo não he­si­tar di­an­te de tão de­sen­con­tra­das res­pos­tas? Se é ani­ver­sá­rio de al­guém, ca­be a nós dar pre­sen­tes, não? Se é a da­ta mais im­por­tan­te do mun­do, por que os go­ver­nan­tes não vão pa­ra a te­le­vi­são fa­lar so­bre ela? Não, não po­de ser um tem­po de amor e paz, afi­nal, tra­ta-se de um dia (ou uma noi­te). Além dis­so, tem­po de amor e paz não é nun­ca, ou de­ve­ria ser sem­pre. Ou qua­se sem­pre, pois era pre­ci­so des­con­tar  quan­do eu sen­tia rai­va do meu ir­mão, por usar mi­nhas ca­mi­sas, do meu pai, por me ba­ter de cin­ta, ou da mi­nha mãe, por me obri­gar a co­mer qui­a­bo.

So­bra­va a res­pos­ta mais plau­sí­vel, mais ra­zo­á­vel, pe­lo me­nos pa­ra uma cri­an­ça: era dia de ga­nhar pre­sen­te. Is­so im­pli­ca­va acre­di­tar que, du­ran­te a noi­te, um ho­mem ve­lho, com bar­bas lon­gas, si­len­cio­sa­men­te pu­la­ria o mu­ro, abri­ria a ja­ne­la, en­tra­ria na sa­la da sua ca­sa e dei­xa­ria pre­sen­tes sob a ár­vo­re. Não, não lá em ca­sa. Não ha­via ár­vo­re. O pre­sen­te era dei­xa­do no pé das nos­sas ca­mas. Ele, por­tan­to, sal­ta­va o mu­ro, en­tra­va na ca­sa, atra­ves­sa­va o cor­re­dor, abria a por­ta do nos­so quar­to, no es­cu­ro (os ca­chor­ros não la­ti­am, os pa­tos não gras­na­vam, o ga­lo não can­ta­va) e dei­xa­va o pre­sen­te de ca­da um no lu­gar cer­to. Pre­sen­tes em­bru­lha­dos com pa­pel das Lo­jas Ame­ri­ca­nas. Era ado­rá­vel, mas não ha­via co­mo não ques­ti­o­nar tu­do is­so. Olhá­va­mo-nos, meu ir­mão e eu, ti­tu­be­an­tes fren­te àque­las in­co­e­rên­cias. Mas, co­mo o cren­te di­an­te da te­o­ria do cri­a­cio­nis­mo, dei­xá­va­mos as la­cu­nas e as con­tra­di­ções ób­vias de la­do e agar­rá­va­mo-nos na úni­ca cer­te­za que in­te­res­sa­va: ga­nha­mos pre­sen­tes!

Ou­tra coi­sa era igual­men­te im­pac­tan­te. Na noi­te de Na­tal – ha­via sem­pre fran­go as­sa­do, ar­roz a gre­ga e fa­ro­fa, além de re­fri­ge­ran­te (ra­rís­si­mo!) – pai­ra­va um cli­ma de as­sus­ta­do­ra tran­qui­li­da­de: meus pa­is fa­la­vam com a voz mais pau­sa­da e éra­mos aca­ri­nha­dos com mãos nos ca­be­los e bei­jos nas bo­che­chas, co­mo se ti­vés­se­mos fei­to a li­ção na ho­ra e lim­pa­do o quin­tal sem nin­guém pe­dir. Só de­pois des­co­bri que es­sa mu­dan­ça de ati­tu­de era pro­du­zi­da pe­lo “cli­ma de Na­tal”. Que se, no dia se­guin­te, a im­pa­ci­ên­cia e os ru­í­dos vol­tas­sem aos ní­veis nor­mais, nin­guém ques­ti­o­na­va. O cli­ma era o que era: só uma bri­sa pas­sa­gei­ra. Mas era tão bom!

Dé­ca­das se pas­sa­ram e, é ló­gi­co, bus­quei re­pe­tir to­da es­sa en­ce­na­ção com meu fi­lho. Não im­por­ta­va o quan­to eu o dei­xa­va con­fu­so com a mi­nha se­pa­ra­ção da mãe de­le, nem com as mi­nhas ex­plo­sões di­an­te de su­as per­gun­tas so­fri­das; mui­to me­nos com as mi­nhas au­sên­cias ca­da vez mais lon­gas da sua pe­que­na vi­da. No dia de Na­tal, ha­via fes­ta e pre­sen­tes e o pa­pai No­el. Abra­ços, pa­la­vras tre­mi­das pe­la emo­ção, pro­mes­sas de amor e paz. Eu ten­ta­va man­ter o cli­ma. E pas­sou-se ain­da mais tem­po des­de en­tão. Ho­je, dis­tra­io-me bus­can­do a men­sa­gem de Na­tal nas me­mó­ri­as des­sas dé­ca­das de even­tos re­pe­ti­dos. E de tan­to pers­cru­tar, per­ce­bo ago­ra que ha­via uma coi­sa a mais que sem­pre me es­ca­pou. Na ceia, em um cer­to mo­men­to – cur­to, dis­tra­í­do – al­guém lem­bra­va, mes­mo que pa­ra fa­zer al­gum ti­po de gra­ça, de Je­sus. E eu me lem­bra­va (co­mo ain­da me lem­bro) da his­tó­ria de seu nas­ci­men­to. E is­so sem­pre me emo­cio­na­va. Não me re­fi­ro a es­ti­li­za­ção fic­cio­nal da va­qui­nha, da man­je­dou­ra, dos três reis ma­gos. Vi­nha-me à men­te (qua­se co­mo um chei­ro) o me­do de Jo­sé e Ma­ria, o de­sam­pa­ro, o frio, a in­cer­te­za quan­to ao que ia acon­te­cer. Aque­le me­ni­no cho­ran­do, a mãe ali­vi­a­da da dor, mas an­gus­ti­a­da com o mo­men­to se­guin­te; o pai aten­to e afli­to. Es­se mo­men­to de vi­da, es­se ins­tan­te na noi­te per­di­da no tem­po – ou ape­nas cri­a­da pe­la ima­gi­na­ção – re­su­me pa­ra mim a men­sa­gem do Na­tal (que eu de­mo­rei tan­to pa­ra apren­der): há al­guém, ago­ra, sem­pre, nas­cen­do em pe­ri­go, e vi­ve­rá em pe­ri­go, sem que is­so se­ja ab­so­lu­ta­men­te ne­ces­sá­rio. Al­guém vin­do de uma mãe e de um pai, que não es­pe­ra na­da da vi­da, ape­nas es­tá aí, por­que foi ge­ra­do. E tu­do o que se­rá de­le de­pen­de de co­mo o tra­ta­re­mos e do que se­re­mos pa­ra ele. O pri­mei­ro mi­la­gre de Je­sus foi tor­nar Ma­ria mãe e Jo­sé pai. E es­se é o co­me­ço e a pos­si­bi­li­da­de de tu­do.

 

(Da­ni­el Me­dei­ros, dou­tor em Edu­ca­ção His­tó­ri­ca pe­la UFPR e pro­fes­sor no Cur­so Po­si­ti­vo)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar