Opinião

A necessidade da reinvenção humana

diario da manha

Há al­gum tem­po, vi­si­tei um cen­tro de in­ter­na­ção de me­no­res in­fra­to­res a fim de ins­pe­cio­nar as con­di­ções fí­si­cas da ins­ti­tu­i­ção e so­bre o tra­ta­men­to dis­pen­sa­do aos in­ter­nos. Con­ver­san­do com os as­sis­ten­tes so­ci­ais, pe­da­go­gos e psi­có­lo­gos, fui in­for­ma­do de que mais de no­ven­ta por cen­to dos in­fra­to­res são ori­un­dos de fa­mí­lias de­ses­tru­tu­ra­das, a gran­de mai­o­ria se­quer co­nhe­ce o pai.

Pes­qui­sas re­cen­tes apon­tam que a fi­gu­ra do pai é im­por­tan­te não ape­nas pe­lo as­pec­to fi­nan­cei­ro, ma­te­ri­al, co­mo mui­tas mu­lhe­res ima­gi­nam – ou na for­ma­ção do ca­rá­ter. Ela se dá, prin­ci­pal­men­te, em ra­zão da sim­bo­lo­gia da re­fe­rên­cia. Eis, por­tan­to, um dos mai­o­res pro­ble­mas que ca­rac­te­ri­zam a so­ci­e­da­de atu­al. A fal­ta de re­fe­rên­cias ou de va­lo­res pa­ra­dig­má­ti­cos. Quan­do se alu­de à fi­gu­ra pa­ter­na, é no sen­ti­do sim­bó­li­co da re­fe­rên­cia. O pai, por­tan­to, é a re­pre­sen­ta­ção ar­que­tí­pi­ca do ide­al, do he­rói, da pro­te­ção, da se­gu­ran­ça. A au­sên­cia de re­fe­rên­cias con­duz à uma fal­ta de pers­pec­ti­vas na vi­da. Des­ta for­ma, as pes­so­as es­tão fa­da­das a se tor­na­rem mais su­ces­sí­veis a acre­di­ta­rem e a bus­ca­rem apoio, se­gu­ran­ça e sen­sa­ção de pro­te­ção em opor­tu­nis­tas que se apre­sen­tam co­mo “lí­de­res”. Is­to é uma das cau­sas do im­pres­sio­nan­te avan­ço do sur­gi­men­to de in­fi­ni­tas de­no­mi­na­ções re­li­gi­o­sas, com seus lí­de­res ávi­dos e com um ape­ti­te in­sa­ci­á­vel pe­la lu­cra­ti­vi­da­de fi­nan­cei­ra.

Co­mo as uto­pi­as são sub­sti­tu­í­das, dan­do lu­gar aos de­va­nei­os, con­se­quen­te­men­te cria-se o ter­re­no pro­pí­cio ao sur­gi­men­to e ins­ta­la­ção do sec­ta­ris­mo, on­de as idei­as, o pen­sa­men­to, a ca­pa­ci­da­de cri­a­ti­va e evo­lu­ti­va do in­di­ví­duo, é sub­sti­tu­í­da pe­lo dog­ma­tis­mo do opres­sor e do ex­plo­ra­dor.

No âm­bi­to po­lí­ti­co, em ní­vel in­ter­na­ci­o­nal, não exis­tem mais as fi­gu­ras dos lí­de­res, dos he­róis, aque­les que pos­sam ser­vir de ins­pi­ra­ção, na cons­tru­ção de uma ide­o­lo­gia, com o fo­ram os re­vo­lu­ci­o­ná­rios de dé­ca­das pas­sa­das, re­ais ou te­ó­ri­cos, que tan­to des­per­ta­ram, prin­ci­pal­men­te na ju­ven­tu­de, os ide­ais li­ber­tá­rios, hu­ma­nis­tas, etc. Em ní­vel in­ter­no, a po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra não se cons­ti­tui na tra­du­ção da bus­ca do bem co­mum, nem re­ve­la mais a for­ma­ção de lí­de­res que pos­sam re­pre­sen­tar a per­so­ni­fi­ca­ção pa­ra­dig­má­ti­ca de prin­cí­pios mo­ra­is, dos va­lo­res hu­ma­nos. Ao con­trá­rio. As ins­ti­tu­i­ções pú­bli­cas são to­ma­das de as­sal­to por cri­mi­no­sos, mo­ral­men­te fa­li­dos, sa­que­a­do­res que vi­sam, tão-so­men­te, a lo­cu­ple­ta­ção des­ti­na­da aos in­te­res­ses de gru­pos.

Os par­ti­dos po­lí­ti­cos são pan­di­lhas, os fins são es­cu­sos, os pro­pó­si­tos são es­pú­ri­os, as ações são atos de de­lin­quên­cia em con­cur­so de pes­so­as. A in­ves­ti­du­ra e a per­ma­nên­cia à fren­te das ins­ti­tu­i­ções pú­bli­cas se con­ver­tem em uma clep­to­ma­nia que, in­fe­liz­men­te, con­ta com a le­tar­gia da (in)con­sci­ên­cia co­le­ti­va – es­ta, ca­da vez mais apá­ti­ca e to­le­ran­te com a fa­lên­cia das ins­ti­tu­i­ções po­lí­ti­cas, con­se­quên­cia tan­to da co­ni­vên­cia, quan­to da ab­so­lu­ta su­cum­bên­cia dos pa­râ­me­tros de va­lo­res so­ci­ais. Exis­te, no mun­do in­tei­ro, um va­zio abis­sal de li­de­ran­ça.

Es­sa or­fan­da­de de re­fe­rên­cias pa­ra­dig­má­ti­cas con­tri­bui pa­ra o sur­gi­men­to de pes­so­as ines­cru­pu­lo­sas que, com dis­cur­sos me­dí­o­cres, tor­pes e em­bus­tei­ros, lan­çam por ter­re­nos fér­te­is seus pro­je­tos de po­der pes­so­al, se­ja atra­vés da po­lí­ti­ca, se­ja atra­vés da uti­li­za­ção en­ga­na­do­ra da fé, com pro­mes­sas de uma in­ter­me­di­a­ção en­tre os cla­mo­res da gen­te so­fri­da e de­ses­pe­ran­ça­da e a pro­vi­dên­cia di­vi­na. Ine­vi­ta­vel­men­te, o re­sul­ta­do é mais opres­são, do­mi­na­ção e uti­li­za­ção ma­ni­pu­la­da pa­ra a per­pe­tu­a­ção no po­der po­lí­ti­co, en­ri­que­ci­men­to fi­nan­cei­ro ob­ti­do com a ex­plo­ra­ção mer­can­ti­lis­ta da fé, eu­fe­mis­ti­ca­men­te cha­ma­da de “dí­zi­mo” e, mais mo­der­na­men­te, a ar­re­gi­men­ta­ção de in­di­ví­duos pa­ra que pra­ti­quem aten­ta­dos su­i­ci­das ou que se pre­dis­po­nham a ma­tar e mor­rer em no­me de um “deus” em­pe­der­ni­do mas que, em ver­da­de, ser­ve ape­nas às me­ga­lo­ma­ní­a­cas pre­ten­sões de um po­der po­lí­ti­co fun­da­do em uma te­o­cra­cia opres­si­va e fa­ná­ti­ca.

Em An­tu­ér­pia, na Bél­gi­ca, jo­vens são con­ver­ti­dos ao Is­la­mis­mo pa­ra irem lu­tar e mor­rer em de­fe­sa dos in­te­res­ses de meia dú­zia de lu­ná­ti­cos ex­tre­mis­tas do gru­po Es­ta­do Is­lâ­mi­co (EI). No mun­do in­tei­ro há um au­men­to ver­ti­gi­no­so da de­lin­quên­cia pra­ti­ca­da por jo­vens, prin­ci­pal­men­te na fa­se da ado­les­cên­cia. Tu­do is­so é par­te das con­se­quên­cias de uma ge­ra­ção ser pers­pec­ti­vas, sem so­nhos, sem re­fe­ren­ci­al utó­pi­co ou ide­o­ló­gi­co. A ca­rên­cia ou a ab­so­lu­ta au­sên­cia de um ide­al con­duz o jo­vem à uma vi­da sem sen­ti­do, tor­nan­do-o pre­sa fá­cil ao ali­cia­men­to pa­ra o mor­ti­cí­nio sem cau­sa. A for­ma­ção de fac­ções, de gru­pos cu­jos in­te­gran­tes são mo­ra­do­res de de­ter­mi­na­das re­gi­ões, ge­ral­men­te des­ti­na­das à de­mar­ca­ção de ter­ri­tó­rios atra­vés da prá­ti­ca de cri­mes e vi­o­lên­cia con­tra ou­tros gru­pos con­si­de­ra­dos ri­vais, são efei­tos de­le­té­rios de uma ju­ven­tu­de per­di­da, que ta­teia no vão es­cu­ro de uma vi­da va­zia, sem ho­ri­zon­tes, on­de não há aco­lhi­da e di­re­cio­na­men­to sa­lu­tar pa­ra os seus ex­tra­or­di­ná­rios po­ten­ci­ais cri­a­ti­vos e trans­for­ma­do­res. Es­sa re­a­li­da­de, ca­rac­te­rís­ti­ca da so­ci­e­da­de mo­der­na, tem con­se­quên­cias ex­tre­ma­men­te no­ci­vas pa­ra a hu­ma­ni­da­de, cu­jos efei­tos ma­lé­fi­cos se pro­tra­i­rão por su­ces­si­vas ge­ra­ções. Nem to­da te­o­lo­gia é ma­lé­fi­ca às so­ci­e­da­des. Os dog­mas, sim!

Nos anos de 1960, após o Con­cí­lio Va­ti­ca­no II, cu­ja fi­na­li­da­de foi a de pro­mo­ver o in­cre­men­to da fé ca­tó­li­ca e a re­no­va­ção dos cos­tu­mes do po­vo cris­tão, adap­tan­do a dis­ci­pli­na ecle­siás­ti­ca aos tem­pos atu­ais, sur­giu, em re­a­ção, a Te­o­lo­gia da Li­ber­ta­ção. Es­sa cor­ren­te te­o­ló­gi­ca cris­tã nas­ceu na Amé­ri­ca La­ti­na e con­si­de­ra que o Evan­ge­lho exi­ge a op­ção pre­fe­ren­ci­al pe­los mais po­bres, va­len­do-se pa­ra a con­cre­ti­za­ção des­se ide­al, das ci­ên­cias hu­ma­nas e so­ci­ais. Es­sa cor­ren­te te­o­ló­gi­ca ins­pi­rou mui­ta gen­te a te­o­ri­zar e a pra­ti­car ações con­cre­tas vi­san­do a cons­tru­ção de uma so­ci­e­da­de mais jus­ta, fra­ter­na e so­li­dá­ria. Mui­tos jo­vens ide­a­lis­tas en­ga­ja­ram-se em um pro­je­to, em um ide­al de um mun­do me­lhor, re­no­van­do-se a fé e a es­pe­ran­ça no po­ten­ci­al hu­ma­no cri­a­ti­vo e trans­for­ma­dor. Ne­la mui­tos mo­vi­men­tos po­lí­ti­cos e so­ci­ais se ins­pi­ra­ram. In­fe­liz­men­te, es­sa cor­ren­te, que ga­nha­va adep­tos até den­tre os não-cris­tã­os, pois vi­am ne­la não um dog­ma re­li­gi­o­so, mas uma ide­o­lo­gia li­ber­tá­ria, su­cum­biu jun­ta­men­te (e co­mo con­se­quên­cia) com o fim das uto­pi­as.

A so­ci­e­da­de atu­al, ajus­tan­do-se ao pre­do­mí­nio da su­per­fi­ci­a­li­da­de, pros­tra-se, re­sig­na­da e sub­ju­ga­da, aos ta­lan­tes e de­si­de­ra­tos de no­vos ato­res que sur­gem em­pe­nha­dos no ades­tra­men­to e do­mi­na­ção so­ci­al. Apro­pri­an­do-se das men­tes fra­cas dos in­di­ví­duos, co­op­tam-nos e os ma­ni­pu­lam co­mo fan­to­ches de seus ca­pri­chos e san­di­ce. A te­o­lo­gia li­ber­tá­ria, por­tan­to, por um la­do, dá lu­gar ao fa­na­tis­mo ex­tre­mis­ta, à in­to­le­rân­cia e à cul­tu­ra do ódio; por um la­do, dá en­se­jo ao sur­gi­men­to de uma das mais mo­der­nas mo­da­li­da­des de ci­nis­mo e ca­na­lhi­ce: a de­no­mi­na­da “dou­tri­na da pros­pe­ri­da­de”, on­de só pros­pe­ram os ex­plo­ra­do­res, às cus­tas da fé ce­ga dos ex­plo­ra­dos.

O mun­do pre­ci­sa que sur­jam no­vas cor­ren­tes fi­lo­só­fi­cas, no­vas re­a­ções so­ci­ais, co­mo for­ma de des­per­tar-nos da apa­tia que nos apri­si­o­na co­mo so­ci­e­da­de. É pre­ci­so ha­ver uma no­va con­sci­ên­cia, o sur­gi­men­to de uma for­ça que con­ta­gie, prin­ci­pal­men­te aos jo­vens, a fim de que os des­per­tem pa­ra o mun­do em que vi­vem e que te­nham con­sci­ên­cia de que, pa­ra fa­zê-lo me­lhor, é pre­ci­so lu­tar cons­tan­te­men­te, rein­ven­tan­do-se sem­pre.

No­vos va­lo­res mo­ra­is e so­ci­ais de­vem sur­gir co­mo re­fe­rên­cias à es­sa ju­ven­tu­de ávi­da de re­a­ção e pro­ta­go­nis­mo. É pre­ci­so cri­ar-se as con­di­ções pa­ra que a ex­tra­or­di­ná­ria for­ça cri­a­ti­va e trans­for­ma­do­ra da ju­ven­tu­de en­con­tre as con­di­ções de efe­ti­va­men­te ser exer­ci­ta­da, na con­se­cu­ção dos pro­pó­si­tos da evo­lu­ção hu­ma­na.

 

(Ma­no­el L. Be­zer­ra Ro­cha, ad­vo­ga­do cri­mi­na­lis­ta – mlbe­zer­ra­ro­[email protected])

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar