Opinião

A nova era da confiança empresarial

diario da manha

Re­cen­te­men­te, uma ami­ga se viu es­pan­ta­da por­que um pres­ta­dor de ser­vi­ços da em­pre­sa que ela di­ri­ge re­a­li­zou ati­vi­da­des não pre­vis­tas em con­tra­to e não as co­brou pos­te­rior­men­te. Se­gun­do ela, ape­sar de aque­les itens não es­ta­rem es­ti­pu­la­dos no acor­do for­mal, por es­cri­to, ha­vi­am si­do elen­ca­dos na re­u­ni­ão de con­tra­ta­ção, mas, na re­da­ção do do­cu­men­to, por fa­lha dos ad­vo­ga­dos, fo­ram dei­xa­dos de la­do. “Qual­quer em­pre­sa te­ria o di­rei­to de não cum­pri-los ou de co­brá-los à par­te, mas, o ven­de­dor dis­se que se lem­bra­va per­fei­ta­men­te do acor­do, que ele es­ta­va in­clu­so no pre­ço e que sua pa­la­vra va­lia mais do que al­gu­mas fra­ses es­cri­tas. Fi­quei mui­to bem im­pres­sio­na­da e es­sa ati­tu­de nos in­cen­ti­vou a fir­mar no­vas par­ce­rias com es­sa em­pre­sa, que não só re­a­li­za ser­vi­ços tec­ni­ca­men­te per­fei­tos, mas, de­mons­tra ho­nes­ti­da­de”, re­ve­lou ela.

A ques­tão des­te ca­se é um fa­to a ser ana­li­sa­do sob a óti­ca da con­fi­an­ça em­pre­sa­ri­al: por que a ho­nes­ti­da­de des­se pro­fis­si­o­nal, que de­ve­ria ser uma re­gra, tor­nou-se al­go tão ad­mi­rá­vel?

As em­pre­sas, atu­al­men­te, vi­vem um mo­men­to no qual tí­tu­los, es­pe­cia­li­za­ções e o co­nhe­ci­men­to téc­ni­co são al­ta­men­te va­lo­ri­za­dos. Se o pro­fis­si­o­nal pas­sou por uma ex­ce­len­te uni­ver­si­da­de e a con­clu­iu com lou­vor, do­mi­na ou­tros idio­mas, é pós-gra­du­a­do e tem MBA, Mes­tra­do, Dou­to­ra­do ou es­pe­cia­li­za­ções em sua área e, além des­sas vir­tu­des aca­dê­mi­cas, fez car­rei­ra em bo­as e gran­des em­pre­sas, cer­ta­men­te tem mé­ri­tos su­fi­ci­en­tes pa­ra ocu­par ca­dei­ras im­por­tan­tes nas me­lho­res cor­po­ra­ções do pla­ne­ta. Sem dú­vi­da, ele tem o pre­pa­ro ne­ces­sá­rio pa­ra exer­cer o car­go e a fun­ção que o aguar­dam.

Po­rém, além de tu­do is­so, o que se es­pe­ra, atu­al­men­te, é que as em­pre­sas te­nham pro­fis­si­o­nais com os qua­is pos­sam con­tar, de­po­si­tar con­fi­an­ça e que as re­pre­sen­tem de ma­nei­ra éti­ca, aci­ma de tu­do.

No ca­so ex­pos­to por mi­nha ami­ga, se o fun­cio­ná­rio da em­pre­sa pres­ta­do­ra de ser­vi­ços agis­se de ma­nei­ra di­fe­ren­te, ele até po­de­ria ter con­se­gui­do agre­gar mais ser­vi­ços ao con­tra­to e ga­nhar mais com is­so, por­que a con­tra­tan­te, pro­va­vel­men­te, não se da­ria ao tra­ba­lho de pro­cu­rar uma no­va em­pre­sa pa­ra ter­mi­nar o que já es­ta­va qua­se no fim. Mas, ele man­cha­ria o no­me da mar­ca que re­pre­sen­ta, fe­chan­do com­ple­ta­men­te as por­tas pa­ra con­tra­ta­ções fu­tu­ras e, tam­bém, pa­ra ele mes­mo, no ca­so de se as­so­ciar a uma no­va em­pre­sa. Es­se é um pro­fis­si­o­nal no qual to­dos os elos da ca­deia po­dem con­fi­ar, por­que ele não pen­sa em ga­nhar ape­nas uma vez, ele quer de­sen­vol­ver re­la­ci­o­na­men­tos du­ra­dou­ros e ho­nes­tos.

O mun­do em­pre­sa­ri­al pre­ci­sa vi­ver uma no­va fa­se, que eu cha­mo de ‘era da con­fi­an­ça em­pre­sa­ri­al’. Não é uto­pia, tam­pou­co mo­dis­mo: é ape­nas a cons­ta­ta­ção de que, além de tu­do o que o pro­fis­si­o­nal pre­ci­sa ter pa­ra ser va­lo­ri­za­do, ele ne­ces­si­ta de ge­rar con­fi­an­ça.

 

(Mar­ce­lo Ter­tu­li­a­no, ad­mi­nis­tra­dor de em­pre­sas, com 22 anos de ex­pe­ri­ên­cia na fun­ção fi­nan­cei­ra, dos qua­is 15 anos em po­si­ção ge­ren­ci­al. Atu­al­men­te li­de­ra a área fi­nan­cei­ra de uma gran­de mi­ne­ra­do­ra em Mo­çam­bi­que. É um es­tu­di­o­so do com­por­ta­men­to em­pre­sa­ri­al mun­di­al)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais