Opinião

A sublime arte de educar

diario da manha

O res­pei­to e a hu­mil­da­de que nu­tri­mos pe­las pes­so­as ver­sa­das na su­bli­me ar­te de edu­car por cer­to não nos im­pe­dem de tra­zer a lu­me es­tas sin­ge­las re­fle­xões so­bre o pro­ces­so edu­ca­ti­vo da hu­ma­ni­da­de.  Atre­vo afir­mar que a ver­da­dei­ra edu­ca­ção des­per­ta e ilu­mi­na a con­sci­ên­cia pa­ra re­mir o edu­can­do e trans­for­mar a so­ci­e­da­de. A ver­da­dei­ra edu­ca­ção que se trans­mu­ta em au­to­e­du­ca­ção in­ves­te na for­ma­ção da ci­da­da­nia, vi­san­do for­jar ca­rac­te­res e in­cu­tir há­bi­tos bons na cons­tru­ção da per­so­na­li­da­de de ho­mens e mu­lhe­res de bem.

Edu­car “a cri­an­ça no ca­mi­nho em que de­ve an­dar,” con­for­me sen­ten­ci­ou as Sa­gra­das Es­cri­tu­ras é o úni­co ins­tru­men­to ca­paz de trans­for­mar o ho­mem, fo­men­tar o de­sen­vol­vi­men­to in­te­lec­tu­al, cul­tu­ral, so­ci­al e es­pi­ri­tual da per­so­na­li­da­de em for­ma­ção vi­san­do con­quis­tar a paz e fa­zer avan­çar a hu­ma­ni­da­de. Ao as­su­mir em ja­nei­ro do cor­ren­te ano, o co­man­do ad­mi­nis­tra­ti­vo da Pre­fei­tu­ra Mu­ni­ci­pal de Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia, ti­nha con­sci­ên­cia e ci­ên­cia de que enor­mes de­sa­fi­os a ser en­fren­ta­dos com co­ra­gem e de­ter­mi­na­ção nos aguar­da­vam.   Pro­ble­mas os mais va­ri­a­dos pos­sí­veis cir­cun­da­vam to­dos os se­to­res ine­ren­tes ao po­der pú­bli­co mu­ni­ci­pal re­cla­man­do ur­gen­tes pro­vi­dên­cias.

Mui­ta coi­sa ha­ve­ria de ser fei­ta em to­das as ins­tân­cias do po­der: as­fal­to, sa­ú­de, ação so­ci­al, mo­ra­dia, meio am­bi­en­te, cul­tu­ra, trân­si­to, ge­ra­ção de em­pre­go, in­fra­es­tru­tu­ra e tan­tos ou­tros. Im­pe­di­do de su­cum­bir pe­las for­ças do bem e pe­lo de­se­jo enor­me de ven­cer a ad­ver­si­da­de pre­ci­sa­va  en­fren­tar, com­ba­ter e ven­cer to­dos os ob­stá­cu­los que se pos­ta­ram à nos­sa fren­te. Es­ta­mos con­sci­en­tes de que mui­to já foi re­a­li­za­do em fa­vor do po­vo por ca­da uma das se­cre­ta­rias mu­ni­ci­pa­is do nos­so Go­ver­no. Ho­je es­ta­mos aqui pa­ra fa­lar es­pe­ci­fi­ca­men­te de edu­ca­ção, que en­ten­de­mos e acre­di­ta­mos ser a fer­ra­men­ta mais pro­du­ti­va e mais efi­caz pa­ra em ven­cen­do de­sa­fi­os de to­da or­dem, im­pul­si­o­nar o de­sen­vol­vi­men­to jus­to e har­mo­ni­o­so da so­ci­e­da­de.

A edu­ca­ção é igual­men­te a me­lhor for­ma de se com­ba­ter a cri­mi­na­li­da­de de­sen­fre­a­da que se alas­tra por to­da par­te co­mo er­va da­ni­nha di­zi­man­do pre­ci­o­sas vi­das. Es­pan­car as tre­vas da ig­no­rân­cia hu­ma­na, avan­çar em bus­ca das lu­zes do sa­ber e do co­nhe­ci­men­to e ino­cu­lar cul­tu­ra e co­nhe­ci­men­to na men­te dos edu­can­dos é ta­re­fa im­pos­ter­gá­vel da edu­ca­ção que es­ta­mos im­plan­tan­do no mu­ni­cí­pio. A edu­ca­ção que des­per­ta e ilu­mi­na a con­sci­ên­cia do edu­can­do pa­ra re­mir a so­ci­e­da­de, é uma das pri­o­ri­da­des do nos­so go­ver­no. Por es­te mo­ti­vo co­lo­ca­mos na Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal da Edu­ca­ção ges­to­res e pro­fis­si­o­nal ga­ba­ri­ta­dos, de ra­ras vir­tu­des mo­ra­is e ex­tre­ma­men­te com­pe­ten­tes.

As­sim é que ho­je po­de­mos cons­ta­tar não ape­nas com pa­la­vras que con­ven­cem, mas com exem­plos que ar­ras­tam, que aque­la pas­ta, sob o se­gu­ro co­man­do do no­tá­vel Se­cre­tá­rio Ro­dri­go Cal­das, se­cun­da­do pe­la sa­be­do­ria e pe­la ra­ra com­pe­tên­cia de seus au­xi­li­a­res deu um sal­to de qua­li­da­de ru­mo ao de­sen­vol­vi­men­to.   A su­bli­me ar­te de edu­car não é ta­re­fa que se cum­pre de­li­mi­tan­do tem­po pa­ra ini­ci­ar e pa­ra ter­mi­nar a obra. Edu­car é uma ta­re­fa cons­tan­te e per­ma­nen­te do edu­ca­dor pa­ra fo­men­tar no edu­can­do o de­sen­vol­vi­men­to har­mo­ni­o­so e pro­gres­si­vo de to­das as su­as po­ten­ci­a­li­da­des. Ao ins­ti­tu­ir elei­ções di­re­tas pa­ra a es­co­la dos ges­to­res das es­co­las do mu­ni­cí­pio a ad­mi­nis­tra­ção an­te­ri­or res­ga­tan­do com­pro­mis­so e trans­for­mou em re­a­li­da­de um so­nho há anos aca­len­ta­do pe­la ca­te­go­ria. O es­pí­ri­to li­ber­tá­rio da de­mo­cra­cia en­se­jou a co­mu­ni­da­de es­co­lher por pri­mei­ra vez e pe­lo vo­to di­rei­to o ges­tor da es­co­la de seu fi­lho per­mi­tin­do que um so­pro da li­ber­da­de e da aden­tras­se ao am­bi­en­te es­co­lar, um dos es­pa­ços mais im­por­tan­tes pa­ra a for­ma­ção do ci­da­dão. Além das con­quis­tas con­so­li­da­das com a edi­fi­ca­ção de obras fí­si­cas re­gis­tra­mos o acer­vo atu­a­li­za­do e o mo­bi­liá­rio pa­ra to­das as bi­bli­o­te­cas, la­bo­ra­tó­rios de in­for­má­ti­ca, ma­te­ri­ais e brin­que­dos pe­da­gó­gi­cos pa­ra to­dos os Cmeis.

De nos­sa par­te con­ti­nua­mos in­ves­tin­do na for­ma­ção con­ti­nu­a­da; se­mi­ná­rios; aten­di­men­to edu­ca­cio­nal es­pe­cia­li­za­do; ali­men­ta­ção sa­u­dá­vel; in­for­ma­ti­za­ção da Re­de de En­si­no com as de­vi­das fer­ra­men­tas pa­ra os pro­fis­si­o­nais da edu­ca­ção; agi­li­da­de no an­da­men­to e con­clu­são dos pro­ces­sos de ti­tu­la­ri­da­de e pro­gres­sões, além de inú­me­ras ou­tras con­quis­tas. Daí a im­por­tân­cia de apre­sen­tar­mos à so­ci­e­da­de es­co­las com es­tru­tu­ras fí­si­cas de­cen­tes, bi­bli­o­te­cas com acer­vo es­pe­cia­li­za­do, la­bo­ra­tó­rios de in­for­má­ti­ca, ali­men­ta­ção sa­u­dá­vel, ma­te­ri­al di­dá­ti­co su­fi­ci­en­te, brin­que­dos pe­da­gó­gi­cos, fer­ra­men­tas tec­no­ló­gi­cas, for­ma­ção con­ti­nu­a­da, con­cur­so pú­bli­co, pla­no de car­rei­ra, pi­so sa­la­ri­al na­ci­o­nal e mui­to mais.

Com jú­bi­lo e imen­sa ale­gria já po­de­mos co­me­mo­rar o re­sul­ta­da já al­can­ça­dos com o de­sen­vol­vi­men­to pro­du­ti­vo e efi­caz, das ações até aqui já de­sen­vol­vi­das pe­lo nos­so go­ver­no que pre­ten­de fa­zer mui­to nes­te que é um dos mais im­por­tan­tes se­to­res da ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal. Nes­te pri­mei­ro ano de tra­ba­lho to­das as nos­sas es­co­las ul­tra­pas­sa­ram as me­tas es­ta­be­le­ci­das e por is­so de­se­ja­mos avan­çar mais, dan­do um sal­to de qua­li­da­de em bus­ca de no­vo pa­ta­mar nas lu­zes do co­nhe­ci­men­to e do sa­ber. To­das es­tas ações de­sen­vol­vi­das com efi­ci­ên­cia e pre­ci­são fo­ram fun­da­men­tais pa­ra que pu­dés­se­mos al­can­çar um am­bi­en­te es­co­lar sa­u­dá­vel, ale­gre e res­pon­sá­vel. O pro­ces­so de en­si­no e apren­di­za­gem per­pas­sa por es­te ca­mi­nho pa­ra che­gar a uma edu­ca­ção de qua­li­da­de.

Inú­me­ras ou­tras ações ne­ces­sá­rias e in­dis­pen­sá­veis à qua­li­fi­ca­ção e me­lho­ria do en­si­no pú­bli­co apa­re­ci­den­se, se­rão opor­tu­na­men­te em­pre­en­di­das pe­lo nos­so go­ver­no. To­da­via é bom lem­brar que em me­nos de um ano, já re­a­li­za­mos mui­to e al­can­ça­mos um re­sul­ta­do agra­da­vel­men­te po­si­ti­vo.  Pa­ra tan­to, além da ex­ce­lên­cia de uma equi­pe al­ta­men­te qua­li­fi­ca­da, con­ta­mos com o es­for­ço, o tra­ba­lho ár­duo, a com­pre­en­são, a sen­si­bi­li­da­de e com a pre­o­cu­pa­ção de to­dos os pro­fis­si­o­nais que in­te­gram a re­de mu­ni­ci­pal de en­si­no, ver­da­dei­ros par­cei­ros na ar­te de apri­mo­rar o pro­ces­so edu­ca­cio­nal, en­se­jan­do ao po­der pú­bli­co, a fe­liz opor­tu­ni­da­de de aten­der dig­na­men­te a nos­sa so­ci­e­da­de.

Pa­ra­be­ni­za­mos e agra­de­ce­mos ju­bi­lo­sa e en­ter­ne­ci­da­men­te a to­dos e a to­das que, com le­al­da­de e com­pa­nhei­ris­mo, com­par­ti­lham co­nos­co des­te pro­je­to re­den­tor, nes­ta cau­sa no­bre e mais do que jus­ta da edu­ca­ção.

 

(Gus­ta­vo Men­da­nha, pre­fei­to mu­ni­ci­pal de Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais