Opinião

Abraço de mãos neste fim de ano

diario da manha

A gen­te re­ce­be um mon­te de en­tu­lho pe­lo cor­reio ele­trô­ni­co, di­a­ria­men­te, mas às ve­zes che­gam coi­sas es­pe­ta­cu­la­res. Re­ce­bo da mi­nha ami­ga Fá­ti­ma de La­gu­na um cli­pe via Yo­u­tu­be que é um be­lís­si­mo car­tão de Ano No­vo. É uma mú­si­ca can­ta­da por San­dra de Sá, por um can­tor de Ca­bo Ver­de, Ilo Fer­rei­ra, e vá­rios ou­tros can­to­res e ins­tru­men­tis­tas de di­ver­sos paí­ses, co­mo Bu­e­nos Ai­res, Chi­le, In­dia, Es­pa­nha, Ja­mai­ca, etc.

A mú­si­ca é lin­da, can­ta­da em por­tu­guês e uma ou­tra lín­gua que eu não con­se­gui iden­ti­fi­car, tal­vez se­ja ben­ga­lês, mas não te­nho cer­te­za. E di­go que é o car­tão de Ano No­vo ide­al, por­que a le­tra é sim­ples, mas diz mui­to, diz tu­do o que que­re­mos pa­ra o nos­so fu­tu­ro, pa­ra o fu­tu­ro do ser hu­ma­no e do lu­gar on­de vi­ve­mos.

Ve­jam al­guns tre­chos: “Pe­ço a Deus que os ho­mens en­con­trem os seus so­nhos per­di­dos e que os so­nhos des­per­tem es­ses olhos dor­mi­dos que o amor trans­bor­de e que va­mos em paz. Pe­ço a Deus que nos man­de do céu mui­ta sa­be­do­ria um amor ver­da­dei­ro que nin­guém pas­se fo­me um abra­ço de mãos que vi­va­mos em paz que ter­mi­nem as guer­ras e tam­bém a po­bre­za En­con­trar ale­gri­as en­tre tan­ta tris­te­za que a luz ilu­mi­ne as al­mas per­di­das e um fu­tu­ro me­lhor.” Al­guém já ti­nha tra­du­zi­do um cum­pri­men­to en­tre os se­res hu­ma­nos co­mo “um abra­ço de mãos”? Pois é.

Não é a mais pu­ra ver­da­de? Não é o que to­dos que­re­mos, o que to­dos pe­di­mos? Co­mo dis­se a mi­nha ami­ga Fá­ti­ma: Na­tal é is­to: gen­te uni­da pe­la mú­si­ca. Pa­ra­fra­se­an­do Mer­ce­des So­sa: “a paz é can­tar­mos to­dos jun­tos!”O no­me do cli­pe é Sat­chi­ta e a mú­si­ca, co­mo dis­se, tra­duz nos­sos an­sei­os e es­pe­ran­ças pa­ra um fu­tu­ro me­lhor.

Con­si­de­rem a sua le­tra o meu car­tão de Ano No­vo. E te­nham to­dos o Ano No­vo mais fe­liz de su­as vi­das. Que 2018 nos tra­ga o res­ga­te da edu­ca­ção bra­si­lei­ra, da sa­ú­de, da se­gu­ran­ça, até da jus­ti­ça. Que sai­ba­mos vo­tar nes­te ano de 2018 e que te­nha­mos can­di­da­tos em quem vo­tar, pa­ra que pos­sa­mos co­lo­car po­lí­ti­cos de ver­da­de, ho­nes­tos, na di­re­ção des­te pa­ís. Se­rá que os há? Pa­ra que os pró­xi­mos anos se­jam me­lho­res. Pa­ra que pos­sa­mos co­me­mo­rar mais dig­na­men­te as fes­tas de fim de ano.

 

(Lu­iz Car­los Amo­rim, es­cri­tor, edi­tor e re­vi­sor, fun­da­dor e pre­si­den­te do Gru­po Li­te­rá­rio A Ilha, que com­ple­ta 37 anos de li­te­ra­tu­ra nes­te ano de 2017. Ca­dei­ra 19 da Aca­de­mia Sul­bra­si­lei­ra de Le­tras)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar