Opinião

Adeus Londres, voltaremos!

diario da manha

Ha­via uma enor­me ex­pec­ta­ti­va, tan­to mi­nha co­mo e, prin­ci­pal­men­te, por par­te de Ma­ri­lia, pa­ra es­ta vi­si­ta a Lon­dres; lá em ca­sa tra­ça­mos os pla­nos so­bre o que fa­zer, aon­de ir, qua­is pri­o­ri­da­des e, prin­ci­pal­men­te, vol­tar­mos aos lu­ga­res on­de nós dois es­ti­ve­mos há mais de qua­ren­ta anos e que tan­to co­men­tá­va­mos em nos­sa ca­sa.

Es­ti­ve vá­ri­as ve­zes em Lon­dres, po­rém, es­ta vi­a­gem ti­nha uma mo­ti­va­ção di­fe­ren­te das ou­tras; era a se­gun­da vez que a vi­si­ta­va de­pois da pu­bli­ca­ção do meu li­vro – “Cou­to de Ma­ga­lhã­es, o úl­ti­mo des­bra­va­dor do Im­pé­rio” e uma das ra­zões des­ta nos­sa vi­a­gem era so­li­di­fi­car al­gu­mas in­for­ma­ções a res­pei­to das an­dan­ças do bi­o­gra­fa­do pe­la ci­da­de, a fim de ten­tar pu­bli­car uma se­gun­da edi­ção do li­vro, com al­guns acrés­ci­mos pon­tu­ais.

O per­so­na­gem bi­o­gra­fa­do na­que­le li­vro, Gal. Jo­sé Vi­ei­ra Cou­to de Ma­ga­lhã­es, vi­ve­ra du­ran­te qua­tro anos em Lon­dres (1876-1880), ten­do es­cri­to um di­á­rio: “Di­á­rio Ín­ti­mo”, ao qual ti­ve aces­so pois foi pu­bli­ca­do no Bra­sil pe­la edi­to­ra Cia das Le­tras em 1998 re­la­tan­do su­as ati­vi­da­des em­pre­sa­ri­ais (ten­ta­va con­se­guir um em­prés­ti­mo pa­ra a cons­tru­ção de uma es­tra­da de fer­ro no Bra­sil), su­as an­dan­ças, su­as mo­ra­di­as e su­as aven­tu­ras amo­ro­sas.

Por ter mo­ra­do em Lon­dres na dé­ca­da de 1970 (co­mo já men­ci­o­nei em ou­tros tex­tos pu­bli­ca­dos nes­te es­pa­ço), en­tu­si­as­mei-me com as des­cri­ções fei­tas por Cou­to Ma­ga­lhã­es; qua­se to­das as ru­as ci­ta­das na­que­le seu di­á­rio que foi pu­bli­ca­do,  eram mi­nhas co­nhe­ci­das e, al­gu­mas de­las, fa­zi­am par­te do meu iti­ne­rá­rio di­á­rio.

“Per­cor­re­mos, Cou­to e eu, as mes­mas ru­as, fo­mos aos mes­mos te­a­tros, às mes­mas li­vra­ri­as, aos mes­mos par­ques e jar­dins, na­ve­ga­mos jun­tos pe­lo rio Ta­mi­sa; pa­re­ce que na­da mu­da­ra na que­ri­da Lon­dres, na­que­le in­ter­reg­no de tem­po de qua­se 100 anos!” (ex­cer­to do li­vro aci­ma ci­ta­do).

Nes­ta vi­a­gem de ago­ra pla­ne­jei vol­tar àque­les en­de­re­ços mais im­por­tan­tes por ele ci­ta­dos, prin­ci­pal­men­te ao lo­cal on­de ele mo­ra­ra por mais tem­po, on­de mo­ra­ra sua na­mo­ra­da Lily, a ca­sa dos ban­quei­ros que ele fre­quen­ta­va e, prin­ci­pal­men­te, a an­ti­ga em­bai­xa­da do Im­pé­rio do Bra­sil.

Qual a ra­zão des­te meu en­can­ta­men­to por Lon­dres, per­gun­tou-me um dia um dos meus fi­lhos; acho, res­pon­di-lhe,

– Que Lon­dres é a úni­ca ci­da­de, por si só, ca­paz de pro­vo­car ci­ú­mes na sua mu­lher!

Al­gu­mas ou­tras ci­da­des são su­pe­ri­o­res a Lon­dres em al­gu­mas par­ti­cu­la­ri­da­des; Pa­ris é, in­dis­cu­ti­vel­men­te, mais bo­ni­ta, mais ale­gre e le­va-nos a pen­sar que a vi­da é sem­pre cor de ro­sa; Ro­ma é mais ami­gá­vel, seus ha­bi­tan­tes são mais brin­ca­lhões, le­van­do-nos a pen­sar na ne­ces­si­da­de de vi­ver o dia de ho­je, pois, “o mi­nu­to que pas­sou não vol­ta mais”, o Rio de Ja­nei­ro tem a na­tu­re­za fa­lan­do a seu fa­vor; em No­va York a vi­da é mais ex­ci­tan­te e su­ge­re que tu­do que acon­te­ça no mun­do, de­ve­rá pas­sar por ali, po­rém, na so­ma­tó­ria das qua­li­da­des e de­fei­tos, Lon­dres su­pe­ra to­das elas.

Não se co­gi­ta vi­si­tar Lon­dres sem vol­tar a an­dar nas ime­di­a­ções dos seus sím­bo­los, mes­mo que is­to es­te­ja acon­te­cen­do pe­la ené­si­ma vez:

– O Big Ben (mes­mo pa­ra­do, co­mo ago­ra), a Ca­sa do Par­la­men­to, a guar­da re­al de Bucking­han e o Rio Ta­mi­sa; sei que mui­tos di­rão, e os Par­ques? E a Tor­re de Lon­dres? E o Pic­ca­dilly? E a ca­te­dral de West­mins­ter? Se qui­se­rem pos­so acres­cen­tar a es­ta lis­ta a Tra­fal­gu­ar squa­re com a Ga­le­ria Na­ci­o­nal, a Ox­ford cir­cus e a Re­gent stre­et, os mu­seus e as ga­le­rias de ar­tes, os te­a­tros, en­fim, to­do o fei­ti­ço de Lon­dres não ca­be­ria no es­pa­ço des­ta crô­ni­ca.

No en­tan­to exis­te uma en­ti­da­de que po­la­ri­za a aten­ção dos in­gles­es; são os Par­ques e os jar­dins; são enor­mes es­pa­ços aber­tos, vá­ri­as de­ze­nas e em vá­ri­as re­gi­ões da ci­da­de, cha­ma­dos de “pul­mões de Lon­dres”; pa­ra se ter uma pá­li­da idéia da sua gran­di­o­si­da­de, o Hyde Park e o Ken­sing­ton Gar­den, so­ma­dos, cor­res­pon­dem a mais de dois qui­lô­me­tros qua­dra­dos de área ver­de.

An­ti­ga­men­te es­tes Par­ques eram os lo­ca­is on­de a Mo­nar­quia pro­mo­via su­as fa­mo­sas “ca­ça­das às ra­po­sas”; ho­je, a mai­o­ria de­les es­tá lo­ca­li­za­da no co­ra­ção de Lon­dres, por­tan­to, sem con­di­ções de se man­ter aque­la tra­di­ção, po­rém, exis­te um es­pa­ço on­de os in­gles­es se di­ver­tem, é o “Hyde Park spe­aker cor­ner”, lo­ca­li­za­do em um can­to do Hyde Park; ali, aos do­min­gos, uma mul­ti­dão se reú­ne pa­ra ou­vir “ora­do­res” fa­ze­rem dis­cur­sos tre­pa­dos em cai­xo­tes.

Po­de-se fa­lar mal de to­do mun­do (po­lí­ti­co, prin­ci­pal­men­te), só é pro­i­bi­do fa­lar mal da ra­i­nha (pois ela é a pro­pri­e­tá­ria de to­dos os par­ques da ci­da­de)..

Es­tan­do em um des­tes jar­dins, ten­te não ob­ser­var os ca­sais de na­mo­ra­dos tro­can­do ju­ras de amor, abra­ça­dos na gra­ma, pro­va­vel­men­te as mais au­da­cio­sas ce­nas em exi­bi­ção ao ar li­vre em to­da a Eu­ro­pa; pro­cu­re olhar os ge­râ­nios, as pe­tú­ni­as, os nar­ci­sos sil­ves­tres e as tu­li­pas for­man­do can­tei­ros mul­ti­co­lo­ri­dos.

É ina­cre­di­tá­vel o amor dos In­gles­es pe­los jar­dins; se ele não ti­ver es­pa­ço pa­ra ter um em sua ca­sa, cer­ta­men­te ele o fa­rá no pa­ra­pei­to da sua ja­ne­la.

Pa­ra dei­xar bem cla­ro es­te ata­vis­mo pe­los jar­dins, con­ta a his­tó­ria que a Ra­i­nha Ca­ro­li­na, na épo­ca es­po­sa de Ge­or­ge IV, um dia per­gun­tou ao Pri­mei­ro Mi­nis­tro qual se­ria o cus­to pa­ra tra­zer de vol­ta o Park St. Ja­mes, pa­ra uso ex­clu­si­vo da Mo­nar­quia. O pri­mei­ro Mi­nis­tro te­ria res­pon­di­do: – So­men­te a sua co­roa, Ma­da­me!

Acres­cen­ta­ria que a sín­te­se de tu­do o que dis­ser­mos a res­pei­to de Lon­dres cor­res­pon­de­ria a qua­tro pre­di­ca­dos: Be­le­za, char­me, tra­di­ção e glo­ri­fi­ca­ção do pas­sa­do e, prin­ci­pal­men­te, res­pei­to à in­di­vi­dua­li­da­de das pes­so­as.

A cau­sa des­ta sín­te­se? A co­roa Re­al, que há sé­cu­los do­mi­na os sen­ti­men­tos dos in­gles­es, co­mo po­de­mos per­ce­ber nes­ta be­la pas­sa­gem (re­su­mi­da e em tra­du­ção li­vre) da pe­ça “A tra­gé­dia do Rei Ri­car­do II – Wil­li­am Shakes­pe­a­re”:

Es­te re­al tro­no de Reis/ Es­ta ter­ra de Ma­jes­ta­des/

Es­te ou­tro Pa­ra­í­so/ Es­ta aben­ço­a­da ter­ra/

Es­ta ter­ra, es­te rei­no/

Es­ta In­gla­ter­ra…

Ho­ra da des­pe­di­da! es­tá­va­mos nas ime­di­a­ções da Ox­ford Cir­cus, lo­cal em­ble­má­ti­co pa­ra Ma­ri­lia e eu (já con­tei es­ta his­tó­ria em ou­tra crô­ni­ca de vi­a­gem!), es­tá­va­mos per­to do Ho­tel e con­ti­nua­mos nos­sa ca­mi­nha­da fa­zen­do as úl­ti­mas ob­ser­va­ções so­bre a ci­da­de de Lon­dres; co­mo nos­so ho­rá­rio de vôo do dia se­guin­te era mui­to ce­do, acha­mos pru­den­te jan­tar­mos no pró­prio ho­tel; ali­ás, foi a me­lhor coi­sa que fi­ze­mos, não só pe­lo am­bi­en­te ma­ra­vi­lho­so, mas, tam­bém, pe­la óti­ma co­mi­da; dig­na de uma des­pe­di­da fe­liz!

Ves­ti­mos nos­sos me­lho­res tra­jes e des­ce­mos pa­ra o bar, en­quan­to aguar­dá­va­mos que de­so­cu­pas­se a me­sa que ha­ví­a­mos re­ser­va­do; pe­di­mos dois “mar­ti­nis”, le­van­do em con­si­de­ra­ção que não se de­ve to­mar na­da mui­to for­te, co­mo ape­ri­ti­vo, se es­ta­mos pla­ne­jan­do, co­mo es­tá­va­mos, to­mar vi­nho na re­fei­ção; lem­brei-me e re­pe­ti pa­ra a Ma­ri­lia o que es­cre­veu o nor­te­a­me­ri­ca­no Fitzge­rald em “A Fes­ta de noi­va­do”:

– Eles be­be­ram cocktails an­tes do jan­tar, vi­nhos co­mo os fran­ces­es, cer­ve­ja co­mo os ale­mã­es e whiskey co­mo os in­gles­es.

Já sen­ta­dos à me­sa, pro­cu­ra­mos sub­sí­di­os do mai­tre pa­ra es­co­lher­mos o pra­to; su­ge­riu-nos um cor­dei­ro, se­gun­do ele, o seu pre­fe­ri­do do dia; após acor­dar­mos com a in­di­ca­ção, o so­me­li­er se apro­xi­mou e pas­sa­mos a dis­cu­tir qual vi­nho es­co­lher.

O cor­dei­ro, co­mo sa­be­mos, é uma car­ne ver­sá­til pa­ra se acom­pa­nhar de vi­nho, de pre­fe­rên­cia um tin­to; in­da­ga­mos a res­pei­to de um Zin­fan­del; o so­mel­li­er da ca­sa não era do ti­po “snob” co­mo fre­quen­te­men­te cos­tu­ma ser, apoi­ou nos­sa in­di­ca­ção, com uma ex­pres­são usu­al aos bons pro­fis­si­o­nais:

– Gran­de es­co­lha, se­rá um fan­tás­ti­co vi­nho, adu­zin­do – Vo­cês es­co­lhe­ram a uva, ago­ra eu es­co­lho o vi­nho!

Su­gi­ro Rab­bit Rid­ge e acres­cen­to, se ain­da não sa­bem: – To­do vi­nho Zin­fan­del tin­to ini­ci­a­do com a le­tra R ou ter­mi­na­do em Elli é bom.

Abriu o vi­nho, ser­viu mi­nha ta­ça com uma “lá­gri­ma” de vi­nho que pra­ti­ca­men­te ba­nhou so­men­te o seu fun­do e pos­tou-se, com dig­ni­da­de pro­fis­si­o­nal, ao la­do da me­sa com a gar­ra­fa na mão, es­pe­ran­do meu tes­te gus­ta­ti­vo; an­tes que fi­zés­se­mos qual­quer mo­vi­men­to, deu-nos ou­tra “di­ca”, pis­can­do o olho com cer­ta in­ti­mi­da­de:

– Se o se­nhor, por qual­quer mo­ti­vo, de­se­ja im­pres­sio­nar ou ho­me­na­ge­ar o seu con­vi­da­do, olhe sé­rio pa­ra o so­mel­li­er e di­ga com po­li­dez, po­rém com con­vic­ção:

– Acho que o vi­nho ne­ces­si­ta de um pe­que­no tem­po de des­can­so pa­ra se acos­tu­mar com a ta­ça e um pra­zo, com a gar­ra­fa aber­ta, pa­ra tran­spi­rar!

Com es­te jan­tar ma­ra­vi­lho­so, des­pe­di­mo-nos de Lon­dres; no dia se­guin­te vol­ta­rí­a­mos pa­ra o Bra­sil.

 

(Hé­lio Mo­rei­ra, da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, Aca­de­mia Go­i­a­na de Me­di­ci­na, Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar