Opinião

Ao querido aniversariante e presidente da AGI Valterli Guedes

diario da manha

Su­as ati­tu­des sá­bi­as, seu bom sen­so e seus cons­tan­tes atos de amor, fa­zem com que seus ami­gos e co­le­gas jor­na­lis­tas nun­ca se es­que­çam de seu ani­ver­sá­rio, pois vo­cê é lem­bra­do o ano in­tei­ro. E o que faz um ho­mem ser lem­bra­do? Ati­tu­des bo­as com a fa­mí­lia e ami­gos, mas prin­ci­pal­men­te com o fu­tu­ro de sua ci­da­de, de seu Es­ta­do e de seu Pa­ís. E vo­cê é um jor­na­lis­ta o ano in­tei­ro. Tan­to pas­sa no­tí­cias co­mo re­ce­be, prin­ci­pal­men­te as bo­as. E nos­so que­ri­do Bra­sil es­tá pre­ci­san­do de mais no­tí­cias bo­as.

A in­fla­ção caiu, os ju­ros bai­xa­ram, as fá­bri­cas vol­ta­ram a pro­du­zir, a con­tra­tar mais pes­so­as, a sa­fra de grãos foi a mai­or e me­lhor dos úl­ti­mos trin­ta anos, a bol­sa re­a­giu, nos­sas ex­por­ta­ções su­pe­ra­ram as im­por­ta­ções, nos­sas re­ser­vas cres­ce­ram. As chu­vas vol­ta­ram a ca­ir no tem­po cer­to, as re­pre­sas re­tor­na­ram aos ní­veis fa­vo­rá­veis, não hou­ve e nem ha­ve­rá apa­gões. Cor­rup­tos fa­mo­sos es­tão de­trás das gra­des e ou­tros mais fa­mo­sos de­ve­rão ser pre­sos no pró­xi­mo ano. Gran­des em­pre­sas bra­si­lei­ras, trans­for­ma­das em mul­ti­na­cio­nais, es­tão ci­en­tes de su­as res­pon­sa­bi­li­da­des com o pa­ís, en­tre­gan­do  cor­rup­tos.

Paí­ses vi­zi­nhos es­tão co­pi­an­do nos­sas ope­ra­ções mãos lim­pas, en­fim, qua­se tu­do es­tá en­tran­do nos ei­xos e não é por aca­so: Exis­te as mãos de Deus ope­ran­do e se api­e­dan­do de nós bra­si­lei­ros. Não bas­ta um Pre­si­den­te ser bom, ser com­pe­ten­te, ser que­ri­do e do agra­do de to­dos, po­de até ser an­ti­pa­ti­za­do por 71 % dos elei­to­res. Mas pre­ci­sa fa­zer a coi­sa cer­ta, fa­zer o que a gran­de mai­o­ria dos po­lí­ti­cos de­ve­ri­am fa­zer e nun­ca fi­ze­ram.

Afi­nal to­mar ati­tu­des enér­gi­cas são coi­sas que só pes­so­as sen­sa­tas po­dem fa­zer, mes­mo ba­ten­do de fren­te com a gran­de mai­o­ria de pes­so­as que só que­rem di­rei­tos e pou­cos de­ve­res. En­quan­to 10% go­zam de gran­des be­ne­fí­ci­os e pou­cos de­ve­res, 90% da po­pu­la­ção se ar­ras­tam atrás de mi­ga­lhas. As coi­sas pre­ci­sam mu­dar com ur­gên­cia. Por pou­co me­nos, es­tou­rou as re­vo­lu­ções Fran­ce­sa, Rus­sa e de­ze­nas em ou­tros paí­ses. Um Pre­si­den­te pre­ci­sa es­tar de bem com o po­vo e com DEUS. Mas só com Deus já é su­fi­ci­en­te no mo­men­to.

Ago­ra vem a par­te mais dra­má­ti­ca: Co­mo va­mos es­co­lher um no­vo Pre­si­den­te? As fi­gu­ras ca­rim­ba­das e na fi­la de be­nes­ses são vá­ri­as, mas ne­nhu­ma com re­al ca­pa­ci­da­de de ad­mi­nis­trar: Uma ra­po­sa en­to­ca­da e pres­tes a ca­ir na pri­são; Um ve­lho nor­des­ti­no ex-go­ver­na­dor, ex-mi­nis­tro e fra­cas­sa­do na vi­da, tan­to na Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, co­mo na vi­da par­ti­cu­lar, prin­ci­pal­men­te na vi­da fa­mi­liar; Uma ex-sem ter­ra fa­ve­la­da, pro­tes­tan­te na re­li­gi­ão e na vi­da po­lí­ti­ca, in­ca­paz de se apre­sen­tar aos ór­gã­os in­ter­na­cio­nais e com voz can­sa­da, não po­de­rá ser com cer­te­za a Pre­si­den­te que pre­ci­sa­mos, um pi­co­lé de chu­chu que não con­se­gue aglu­ti­nar nem os mem­bros de seu par­ti­do, co­mo po­de­rá go­ver­nar 200 mi­lhões de pes­so­as?

E o que te­mos a ver com is­to? Um pe­que­no exér­ci­to de jor­na­lis­tas an­ci­ões e pre­o­cu­pa­dos com apo­sen­ta­do­ri­as, re­cei­tas mé­di­cas, al­guns com fi­lhos e ne­tos com pro­fis­sões in­de­fi­ni­das, uma ci­da­de go­ver­na­da por ou­tro an­ci­ão per­di­do no tem­po e mes­mo um Es­ta­do apos­sa­do por um jo­vem es­per­to, as­tu­to e com gran­des as­pi­ra­ções po­lí­ti­cas, fi­ca­mos per­gun­tan­do: Se­nhor Deus o que fi­ze­mos pa­ra re­ce­ber ta­ma­nha dí­vi­da?

Te­nho a res­pos­ta ime­di­a­ta: O mun­do mu­dou nes­tes úl­ti­mos 5 anos o que não ha­via mu­da­do nos úl­ti­mos 50 e mui­tos de nós fi­ca­mos  pa­ra­dos no tem­po e no es­pa­ço. Um jor­na­lis­ta bra­si­lei­ro pu­bli­cou uma ma­té­ria, di­zen­do que so­mos um ban­do de bun­dões, fi­ca­mos es­con­di­dos em nos­sas zo­nas de con­for­to, en­quan­to o pa­ís, prin­ci­pal­men­te o Rio de Ja­nei­ro es­tá se de­te­rio­ran­do e se des­fa­zen­do num mar de la­ma e de cri­mes.

Ho­je o Rio tem 200 mil ban­di­dos ca­das­tra­dos e re­gis­tra­dos nas fac­ções cri­mi­no­sas e mais 300 mil co­ad­ju­van­tes. São me­no­res mu­las, po­li­ci­ais, po­lí­ti­cos, em­pre­sá­rios que dão va­zão às mer­ca­do­ri­as rou­ba­das, sem con­tar mais 3 mi­lhões de usu­á­rios de car­gas rou­ba­das. Uma pi­ca­nha que cus­ta R$ 30,00 é co­mer­cia­li­za­da na ven­di­nha da es­qui­na por R$ 15,00, um bo­ti­jão de gás de R$ 70,00 por R$ 45,00. En­tão es­ta po­pu­la­ção “be­ne­fi­ci­a­da” não quer po­lí­cia nos mor­ros, pre­fe­rem ban­di­dos que apoi­am os Bai­les Funks, o Car­na­val, as Es­co­las de Sam­ba e pro­te­gem as mo­ci­nhas e cri­an­ças de pe­dó­fi­los e dos abu­sos se­xu­ais, for­ne­cem re­mé­di­os aos ve­lhi­nhos e pro­te­gem os bar­ra­cos mal tran­ca­dos. Sa­bem que ao vol­tar do tra­ba­lho não ti­ve­ram a te­le­vi­são ou o bo­ti­jão de gás rou­ba­dos. São os Ro­bin Ho­ods do sé­cu­lo 21.

Es­te é o pa­ís que dei­xa­mos acon­te­cer. Eu fui cul­pa­do, to­dos nós fo­mos cul­pa­dos. Mas é che­ga­da a nos­sa ho­ra de re­ver­ter o qua­dro ca­tas­tró­fi­co que cri­a­mos, quan­do apoi­a­mos can­di­da­tos cor­rup­tos, ou­vi­mos quei­xas e não apu­ra­mos, ti­ve­mos cer­te­za que éra­mos go­ver­na­dos por ban­di­dos que ti­ve­ram pa­tri­mô­ni­os mul­ti­pli­ca­dos por mi­lhões e não de­to­na­mos um sim­ples car­tu­cho.

Va­mos des­cru­zar os bra­ços, ti­rar nos­sas ar­mas dos ar­má­rios, un­tá-las, pre­pa­rar as mu­ni­ções. Va­mos en­cher nos­sos car­tu­chos de tin­tas, amo­lar nos­sas pe­nas das Parkers 51, nos­sas ve­lhas má­qui­nas de es­cre­ver e no­te­bo­oks, e dis­pa­rar pa­ra to­dos la­dos, co­mo uma me­tra­lha­do­ra gi­ra­tó­ria. Doa a quem do­er. Pre­ci­sa­mos mos­trar que con­ti­nua­mos mais vi­vos do que nun­ca e so­mos ver­da­dei­ros sol­da­dos da Pá­tria. Nos­sas trin­chei­ras se­rão as pá­gi­nas de jor­nais pe­que­nos que ain­da não con­se­gui­ram ser cor­rom­pi­dos, pois os mai­o­res já fo­ram ven­di­dos por um pu­nha­do de dó­la­res, ou às 30 mo­e­das de Ju­das.

A pró­xi­ma cam­pa­nha po­lí­ti­ca se­rá di­fe­ren­te de tu­do que já ou­vi­mos fa­lar. A in­ter­net con­ta com bots (ro­bôs) ca­pa­zes de en­vi­ar em ques­tões de se­gun­dos vá­rios mi­lhões de men­sa­gens a to­do o Bra­sil. De­ep­fakes que po­dem tro­car a ca­ra de uma pes­soa, ca­pa­zes de con­fun­dir elei­to­res in­cau­tos. Se­rá uma Guer­ra sem li­mi­tes e sem pu­do­res. Por is­to pre­ci­sa­mos fi­car an­te­na­dos. Na­da de “es­tou ve­lho, can­sa­do, com as vis­tas fra­cas”. Nos­sas ca­be­ças es­tão bo­as e ci­en­tes de nos­sas res­pon­sa­bi­li­da­des. Va­mos à lu­ta!

Pa­ra­béns Pre­si­den­te Val­ter­lí Gue­des.

Do ami­go Al­ber­ti­no Ro­que.

 

(Al­ber­ti­no Ro­que. ro­[email protected])

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais