Opinião

Aprenda a manifestar seus sentimentos!

diario da manha

O cli­ma fes­ti­vo e fra­ter­nal de fim de ano nos mo­ti­va a ex­ter­nar os sen­ti­men­tos que nu­tri­mos por ami­gos e fa­mi­lia­res. Mas nem to­dos es­tão acos­tu­ma­dos ou mes­mo pre­pa­ra­dos pa­ra ma­ni­fes­tar o amor que sen­tem pe­los en­tes que­ri­dos, de for­ma sin­ce­ra e es­pon­tâ­nea.

Es­sa re­a­li­da­de me faz re­cor­dar a his­tó­ria de um me­ni­no que, es­tan­do mui­to do­en­te, de­fi­nha­va dia após dia num lei­to de hos­pi­tal. Pe­lo que se co­men­ta­va, seus pa­is nun­ca lhe ha­vi­am da­do a ne­ces­sá­ria aten­ção, o ne­ces­sá­rio ca­lor. Num cer­to mo­men­to, sua mãe per­gun­tou ao mé­di­co por que aque­le fi­lho es­ta­va as­sim, mor­ren­do aos pou­co.

– Por cau­sa do ma­ras­mo, dis­se-lhe ele.

– Que é is­so?, ela quis sa­ber.

– Ma­ras­mo é me­lan­co­lia, tris­te­za pro­fun­da, é o des­gos­to pe­la vi­da – ex­pli­cou o mé­di­co, adi­cio­nan­do – seu fi­lho es­tá mor­ren­do por fal­ta de amor.

A ex­pres­são do afe­to, do ca­lor, do ca­ri­nho é al­go mui­to pre­ci­o­so na con­vi­vên­cia hu­ma­na. Mas é pre­ci­so que a pes­soa te­nha apren­di­do a fa­zer is­so.

Co­nhe­ci um pai que, sen­do mui­to se­co no tra­to com os fi­lhos, jus­ti­fi­ca­va-se di­zen­do: “Fui cri­a­do sem ne­nhum bei­jo ou abra­ço. Nun­ca meus pa­is me dis­se­ram que gos­ta­vam de mim. Só xin­ga­vam. Mi­nha mãe di­zia que bei­jo é coi­sa má, pois foi com um bei­jo que Ju­das traiu Cris­to.”

São as cren­di­ces e su­per­sti­ções co­mo es­ta que es­fri­am o pei­to, que ma­tam os sen­ti­men­tos e di­fi­cul­tam, in­clu­si­ve, a ma­ni­fes­ta­ção do amor dos pa­is aos fi­lhos.

Tran­spor­te­mos es­sa ima­gem pa­ra o nos­so dia-a-dia e per­gun­te­mos a nós mes­mos, nes­te opor­tu­no fim de ano des­te con­tur­ba­do 2017: “Exis­tem nes­ta ter­ra pes­so­as que ama­mos? Se exis­tem, te­mos mos­tra­do a es­sas pes­so­as – no dia-a-dia, mo­men­to após mo­men­to, com pa­la­vras e ações – que nós a ama­mos?”

Is­so é de uma im­por­tân­cia enor­me. Quem sa­be ex­pres­sar seu afe­to, seu ca­ri­nho, é o pri­mei­ro be­ne­fi­ci­a­do. É al­guém mui­to mais fe­liz do que aque­les que não apren­de­ram a fa­zer is­so. Mas a ex­pres­são dos sen­ti­men­tos be­ne­fi­cia tam­bém os de­mais. Quem, aca­so, não gos­ta de con­vi­ver com al­guém que sa­be trans­mi­tir o ca­lor da ami­za­de, do com­pa­nhei­ris­mo, do amor?…

Ho­je em dia, os sen­ti­men­tos es­tão fi­can­do mui­to ca­la­dos. En­con­trar nos di­ver­sos am­bi­en­tes uma pes­soa re­al­men­te afe­tuo­sa, que sa­be ex­pres­sar com sol­tu­ra seus sen­ti­men­tos, é al­go que se vai tor­nan­do uma ra­ri­da­de.

Nu­ma boa par­te, as pes­so­as têm ver­go­nha de mos­trar ca­ri­nho aos fi­lhos. É que elas tam­bém fo­ram cri­a­das as­sim. O que fa­zer, en­tão?

A ci­ên­cia lo­go­só­fi­ca en­si­na o ser hu­ma­no a de­sen­vol­ver seu sis­te­ma sen­sí­vel, de­di­can­do aten­ção mui­to es­pe­ci­al aos sen­ti­men­tos. En­si­na a co­nhe­cer ca­da um de­les, a cul­ti­vá-los, a man­tê-los vi­vos atra­vés do tem­po, a ex­pres­sá-los às pes­so­as que­ri­das, a ma­ni­fes­tá-los com li­ber­da­de in­ter­na. Mos­trar pa­ra as pes­so­as que­ri­das o quan­to gos­ta­mos de­las é al­go que va­le a pe­na apren­der.

 

(Dalmy Ga­ma, es­cri­tor, pro­fes­sor, do­cen­te de Lo­go­so­fia)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais