Opinião

Argentina impõe o tango e o Brasil dança no custo logístico

diario da manha

O Bra­sil per­de, anual­men­te, apro­xi­ma­da­men­te 34 mi­lhões de to­ne­la­das de grãos por fal­ta de uma es­tru­tu­ra ade­qua­da de ar­ma­ze­na­gem em to­das as eta­pas da ca­deia pro­du­ti­va do agro­ne­gó­cio. O cál­cu­lo é do es­pe­cia­lis­ta em lo­gís­ti­ca, Re­na­to Pa­van, e foi de­ta­lha­do em pa­les­tra no se­mi­ná­rio In­fra­es­tru­tu­ra de Tran­spor­tes e Lo­gís­ti­ca: Vi­são dos Usu­á­rios, pro­mo­vi­do em São Pau­lo, pe­la Abag (As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra do Agro­ne­gó­cio), Abio­ve (As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra das In­dús­tri­as de Óle­os Ve­ge­tais), Anut (As­so­cia­ção Na­ci­o­nal dos Usu­á­rios do Tran­spor­te de Car­gas), e Sin­di­com (Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal das Em­pre­sas Dis­tri­bu­i­do­ras de Com­bus­tí­veis e Lu­bri­fi­can­tes).

“O pon­to mais crí­ti­co da fal­ta de ar­ma­zéns es­tá nas fa­zen­das, uma vez que ho­je ape­nas 14% da pro­du­ção agrí­co­la bra­si­lei­ra é ar­ma­ze­na­da ne­las, en­quan­to nos Es­ta­dos Uni­dos es­se per­cen­tu­al che­ga a 65%”, res­sal­ta Pa­van, sa­li­en­tan­do que is­so ge­ra ain­da mais ine­fi­ci­ên­cia na eco­no­mia bra­si­lei­ra, já tão pre­ju­di­ca­da por con­ta dos ele­va­dos cus­tos cau­sa­dos pe­las con­di­ções ina­de­qua­das das ro­do­vi­as, fer­ro­vi­as e por­tos. “Ho­je, o cus­to da to­ne­la­da de grãos tran­spor­ta­da de Sor­ri­so, no Ma­to Gros­so, até o por­to de San­tos é de US$ 102, en­quan­to nos Es­ta­dos Uni­dos não pas­sa de US$ 51, e na Ar­gen­ti­na sai por US$ 79. Em Go­i­ás, Es­ta­do es­sen­cial­men­te agro­pe­cu­á­rio tam­bém, a Co­mi­go (Co­o­pe­ra­ti­va Mis­ta dos Pro­du­to­res do Su­do­es­te Go­i­a­no), ba­se­a­da em Rio Ver­de, An­tô­nio Cha­va­glia, pre­si­den­te, res­sal­ta que “a con­di­ção é a mes­ma”.

Es­pe­ci­fi­ca­men­te no ca­so da Ar­gen­ti­na, Pa­van cha­mou a aten­ção pa­ra pla­nos fu­tu­ros da­que­le pa­ís em re­du­zir ain­da mais seus cus­tos lo­gís­ti­cos pa­ra es­co­a­men­to da sa­fra de grãos. “Es­tá em ne­go­ci­a­ção pe­lo go­ver­no ar­gen­ti­no a cons­tru­ção de uma fer­ro­via de 1.200 qui­lô­me­tros li­gan­do as re­gi­ões pro­du­to­ras de grãos com os por­tos no Chi­le, que de­ve au­men­tar a com­pe­ti­ti­vi­da­de dos grãos ar­gen­ti­nos, além de fa­ci­li­tar o aces­so aos mer­ca­dos asi­á­ti­cos, pe­la fa­ci­li­da­de de na­ve­ga­ção pe­lo Pa­cí­fi­co. Com is­so, a Ar­gen­ti­na de­ve ul­tra­pas­sar o Bra­sil em ter­mos de ações pa­ra re­du­zir os cus­tos lo­gís­ti­cos, be­ne­fi­ci­an­do, so­bre­tu­do, a sua pro­du­ção de grãos”, afir­mou, sa­li­en­tan­do ain­da que, co­mo o mer­ca­do in­ter­no ar­gen­ti­no é me­nor, so­bra mais pro­du­tos pa­ra ex­por­ta­ção.

Cláu­dio Gra­eff, pre­si­den­te do Co­mi­tê de Lo­gís­ti­ca e Com­pe­ti­ti­vi­da­de da Abag, con­cor­da com a ava­li­a­ção de Pa­van so­bre a ques­tão da ar­ma­ze­na­gem. “Ho­je, sem dú­vi­da ne­nhu­ma, a fal­ta de ar­ma­zéns é a prin­ci­pal de­fi­ci­ên­cia da ca­deia pro­du­ti­va do agro­ne­gó­cio”, ana­li­sou. Pa­ra Gra­eff, no en­tan­to, é na ar­ma­ze­na­gem que es­tá tam­bém a me­lhor pos­si­bi­li­da­de de se equa­cio­nar o pro­ble­ma. “Ao con­trá­rio da de­fi­ci­ên­cia em ro­do­vi­as, fer­ro­vi­as e por­tos, que de­man­da ele­va­dos in­ves­ti­men­tos, no ca­so de ar­ma­zém, a ne­ces­si­da­de de re­cur­so é me­nor e os in­ves­ti­men­tos po­dem ser fei­tos pe­lo pró­prio pro­du­tor ru­ral. Pen­so que es­sa sa­í­da é pro­vi­só­ria pa­ra ate­nu­ar o pro­ble­ma, en­quan­to não se re­sol­ve a for­ma de fi­nan­ciar os gran­des em­pre­en­di­men­tos de tran­spor­tes”, pon­de­rou.

No en­con­tro tam­bém foi fei­ta uma ava­li­a­ção eco­nô­mi­ca e ju­rí­di­ca so­bre vá­rios pro­je­tos de lei que tra­mi­tam no Le­gis­la­ti­vo e que in­ter­fe­rem nos pre­ços dos fre­tes do tran­spor­te de car­gas, es­ta­be­le­cen­do uma po­lí­ti­ca de pre­ços fi­xos. “To­das as pro­pos­tas em aná­li­se ge­ram dú­vi­das quan­to a sua cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de e são cla­ras ame­a­ças à li­vre ini­ci­a­ti­va, li­vre ne­go­ci­a­ção e tam­bém ao  re­gi­me de con­cor­rên­cia, fa­to­res  es­sen­ci­ais pa­ra o fun­cio­na­men­to da eco­no­mia de mer­ca­do”, afir­mou Le­o­nar­do Zi­lio, ge­ren­te de Re­la­ções Se­to­ri­ais do Sin­di­com. Se­gun­do cál­cu­los da en­ti­da­de, se es­sas pro­pos­tas fo­rem trans­for­ma­das em lei, no cur­to pra­zo, te­re­mos um au­men­to de até 9% nos cus­tos do fre­te. No lon­go pra­zo, po­de­mos che­gar a uma ele­va­ção de até 30%.

Pa­ra An­dréa Häggsträm Ro­dri­gues, ad­vo­ga­da da área de As­sun­tos Le­gis­la­ti­vos da CNI (Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria), que tam­bém pro­fe­riu pa­les­tra no even­to, as pro­pos­tas são “tão ab­sur­das que é di­fí­cil até ana­li­sar seus mé­ri­tos”. Ape­sar dis­so, ela in­for­ma que os pro­je­tos es­tão ten­do tra­mi­ta­ção ace­le­ra­da na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. “Ca­so se­jam apro­va­das, as pro­pos­tas de­vem pre­ju­di­car, so­bre­tu­do, as pe­que­nas in­dús­tri­as. Par­ti­ci­pa­ram tam­bém das dis­cus­sões le­gais re­la­ti­vas ao fre­te: Da­ni­el Ama­ral, ge­ren­te de Eco­no­mia da Abio­ve; e Thi­a­go Bas­tos Ro­sa, da Anut.

Ao fi­nal do se­mi­ná­rio, foi as­si­na­do um do­cu­men­to de prin­cí­pios que en­fa­ti­za a de­fi­ci­ên­cia na in­fra­es­tru­tu­ra de tran­spor­te, com ma­lha ro­do­vi­á­ria em más con­di­ções, fer­ro­vi­as, hi­dro­vi­as e ca­bo­ta­gem in­su­fi­ci­en­tes, sem con­tar o agra­van­te da bai­xa ca­pa­ci­da­de de ar­ma­ze­na­gem. “A lo­gís­ti­ca na­ci­o­nal pa­de­ce com uma com­pe­ti­ti­vi­da­de ina­de­qua­da, que há mui­to tem­po tem si­do um en­tra­ve ao de­sen­vol­vi­men­to eco­nô­mi­co e so­ci­al do Pa­ís”, afir­ma o do­cu­men­to, que foi li­do por Da­ni­el Ama­ral, da Abio­ve.

O tex­to des­ta­ca que o fu­tu­ro de­pen­de de uma re­vi­ra­vol­ta, com for­tes in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos e pri­va­dos pa­ra uma in­fra­es­tru­tu­ra de tran­spor­te com­pa­tí­vel com as ne­ces­si­da­des do Pa­ís. “O tran­spor­te de car­gas, nos seus di­ver­sos mo­dais, é in­du­tor de mai­or ri­que­za, me­lho­ria so­ci­al, sus­ten­ta­bi­li­da­de, ino­va­ção e tec­no­lo­gia. Por­tan­to, me­re­ce re­do­bra­da aten­ção pa­ra ser uma po­lí­ti­ca de Es­ta­do, não de go­ver­no, com pla­ne­ja­men­to e me­tas ve­ri­fi­ca­das e re­a­va­li­a­das pe­ri­o­di­ca­men­te. As en­ti­da­des de usu­á­rios cla­mam por um no­vo olhar pa­ra a lo­gís­ti­ca”, con­clui o do­cu­men­to.

O pre­si­den­te da Co­mi­go, An­tô­nio Cha­va­glia, tem ba­ti­do ao lon­go dos anos na ne­ces­si­da­de do go­ver­no bra­si­lei­ro pri­o­ri­zar a lo­gís­ti­ca nos tran­spor­tes. Em sua opi­ni­ão, é de vi­tal im­por­tân­cia o es­co­a­men­to dos grãos, car­nes e in­su­mos bá­si­cos num sis­te­ma que en­vol­va a in­te­gra­ção fer­ro­vi­á­ria, hi­dro­vi­á­ria e ro­do­vi­á­ria. “Não es­que­cen­do dos por­tos es­tra­té­gi­cos”, lem­bra. Go­i­ás es­coa pra­ti­ca­men­te pe­los por­tos de San­tos, São Pau­lo, e Pa­ra­na­guá, no Pa­ra­ná.

Pa­ra Cha­va­glia é im­por­tan­te o tra­ba­lho ini­ci­a­do pe­lo go­ver­no de São Pau­lo re­la­ti­vo à hi­dro­via Ti­e­tê – Pa­ra­naí­ba. Es­sa ini­ci­a­ti­va be­ne­fi­cia os mu­ni­cí­pios co­mo Itum­bi­a­ra, na re­gi­ão do sul do Es­ta­do, Rio Ver­de e Ja­taí, no su­do­es­te go­i­a­no.

 

(Wan­dell Sei­xas, jor­na­lis­ta vol­ta­do pa­ra o agro, edi­tor de Agro­in­dús­tria do Di­á­rio da Ma­nhã, ba­cha­rel em Di­rei­to e Eco­no­mia pe­la PUC-Go­i­ás, ex-bol­sis­ta em co­o­pe­ra­ti­vis­mo agro­pe­cu­á­rio pe­la His­ta­drut, em Tel Aviv, Is­ra­el, e au­tor do li­vro O Agro­ne­gó­cio pas­sa pe­lo Cen­tro-Oes­te)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais