Opinião

Opinião: Barganha política diabólica

diario da manha

Nes­tes di­as – en­tre os mui­tos já pre­sen­ci­a­dos – es­ta­mos as­sis­tin­do a mais um es­pe­tá­cu­lo po­lí­ti­co de­pri­men­te e re­pug­nan­te. Com a mai­or ca­ra-de-pau o gol­pis­ta Mi­chel Te­mer com­pra – com di­nhei­ro dos co­fres pú­bli­cos – o vo­to de po­lí­ti­cos pa­ra apro­var a cha­ma­da Re­for­ma (que, na re­a­li­da­de, é An­tir­re­for­ma) da Pre­vi­dên­cia. A per­ver­si­da­de mo­ral – pre­me­di­ta­da e ma­te­ma­ti­ca­men­te cal­cu­la­da – do go­ver­no ile­gí­ti­mo e da mai­o­ria dos po­lí­ti­cos não tem li­mi­te. O des­ca­ra­men­to é to­tal. Até on­de ire­mos? Com ur­gên­cia ur­gen­tís­si­ma, pre­ci­sa­mos dar um bas­ta a ta­ma­nha sem-ver­go­nhi­ce!

Ve­jam! Co­mo mo­e­da de tro­ca pe­la apro­va­ção da Re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, ali­a­dos pe­di­ram mais R$ 3 bi­lhões; de­pu­ta­dos ne­go­ci­a­ram com o Pla­nal­to au­men­to das emen­das par­la­men­ta­res em 2018; o go­ver­no com­pro­me­teu R$ 43,2 bi­lhões nos pró­xi­mos anos.

Além do des­pu­do­ra­do to­ma-lá-dá-cá, o go­ver­no ile­gí­ti­mo do gol­pis­ta Mi­chel Te­mer só es­tá pre­o­cu­pa­do em pre­ser­var e de­fen­der os in­te­res­ses dos in­ves­ti­do­res e do mer­ca­do às cus­tas dos tra­ba­lha­do­res/as. O po­vo que se da­ne!

O go­ver­no já per­do­ou R$ 27 bi­lhões de ban­cos pri­va­dos em 2017. E ago­ra, pas­mem! “Te­mer en­tre­ga R$ 1 tri­lhão pa­ra pe­tro­lí­fe­ras ame­ri­ca­nas e es­tran­gei­ras. Não sa­tis­fei­to em ven­der o pe­tró­leo do pré-sal, o go­ver­no Mi­chel Te­mer quer a re­du­ção de tri­bu­tos de em­pre­sas en­vol­vi­das nas ati­vi­da­des de ex­plo­ra­ção, de­sen­vol­vi­men­to e pro­du­ção de pe­tró­leo e gás na­tu­ral pa­ra fa­vo­re­cer as em­pre­sas in­ter­na­cio­nais; so­men­te pa­ra 2018, a pre­vi­são de re­nún­cia de re­cei­ta, de­cor­ren­te de Me­di­da Pro­vi­só­ria que te­ve re­la­tó­rio apro­va­do em co­mis­são es­pe­ci­al, é de cer­ca de R$ 16,4 bi­lhões, e po­de che­gar a R$ 1 tri­lhão, con­for­me pre­vi­sões de téc­ni­cos do se­tor e de re­la­tó­rios ela­bo­ra­dos pe­la as­ses­so­ria le­gis­la­ti­va da Câ­ma­ra”. Lindbergh Fa­rias (PT-RJ) afir­mou: “Is­so é uma trai­ção na­ci­o­nal, trai­ção do go­ver­no pa­ra com o pa­ís. O que es­tá sen­do apro­va­do nes­ta co­mis­são é uma ma­ma­ta pa­ra o se­tor in­ter­na­ci­o­nal de pe­tró­leo”

De­pois de mui­tas con­ver­sas e vá­ri­as ten­ta­ti­vas de mar­car a da­ta pa­ra a vo­ta­ção da Re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, fi­cou cla­ro que a vi­a­bi­li­za­ção des­sa da­ta de­pen­de­rá uni­ca­men­te do re­sul­ta­do da com­pra de vo­tos dos par­la­men­ta­res: uma ver­da­dei­ra bar­ga­nha po­lí­ti­ca di­a­bó­li­ca, to­tal­men­te imo­ral, mas com apa­rên­cia de le­ga­li­da­de. Pa­ra apro­var a Re­for­ma são ne­ces­sá­rios 308 vo­tos na Câ­ma­ra e 49 no Se­na­do.

E tem mais: o go­ver­no – hi­pó­cri­ta e mal­do­sa­men­te – ten­ta en­ga­nar os tra­ba­lha­do­res/as, pas­san­do mel na bo­ca das Cen­tra­is Sin­di­cais. “Em meio às ne­go­ci­a­ções pa­ra a apro­va­ção da Re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, o Pla­nal­to fez um ace­no às Cen­tra­is Sin­di­cais que se opõ­em às mu­dan­ças. Mi­chel Te­mer ga­ran­tiu – dia 5 – que bai­xa­rá por­ta­ria na pró­xi­ma se­ma­na pa­ra li­be­rar o pa­ga­men­to de cer­ca de R$ 500 mi­lhões em ver­bas do im­pos­to sin­di­cal que es­ta­vam re­ti­das na Uni­ão (por fa­lhas no pre­en­chi­men­to de da­dos obri­ga­tó­rios pa­ra o pa­ga­men­to). O di­nhei­ro é fru­to de um acor­do en­tre as en­ti­da­des, o MP, a Cai­xa e o go­ver­no”

Dei­xo uma ad­ver­tên­cia: o gol­pis­ta Mi­chel Te­mer e sua gang de po­lí­ti­cos opor­tu­nis­tas e cor­rup­tos lem­brem-se que Deus não acei­ta bar­ga­nha po­lí­ti­ca. Em bre­ve, po­de­rão cons­ta­tar pes­so­al­men­te. Aguar­dem!

Pre­ci­sa­mos des­mas­ca­rar as men­ti­ras – uma ver­da­dei­ra far­sa – do go­ver­no ile­gí­ti­mo a res­pei­to da Re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

  1. A CPI da Pre­vi­dên­cia e Se­gu­ri­da­de So­ci­al – de­pois do es­tu­do e aná­li­se de da­dos do go­ver­no fe­de­ral – che­gou a con­clu­são que a Pre­vi­dên­cia So­ci­al não é de­fi­ci­tá­ria e não dá ne­nhum pre­ju­í­zo ao go­ver­no.
  2. O que o go­ver­no re­al­men­te quer com su­as men­ti­ras é aca­bar com a Pre­vi­dên­cia Pú­bli­ca; di­fi­cul­tar ao má­xi­mo a apo­sen­ta­do­ria de tra­ba­lha­do­res in­for­mais, ter­cei­ri­za­dos e ru­ra­is; fa­zer com que os tra­ba­lha­do­res mais po­bres mor­ram an­tes de apo­sen­tar; abrir mer­ca­dos pa­ra os ban­cos que ven­dem Pre­vi­dên­cia pri­va­da; per­do­ar os gran­des ban­cos e em­pre­sas que so­ne­gam a Pre­vi­dên­cia au­men­tan­do seus lu­cros; am­pli­ar re­cur­sos do Te­sou­ro Na­ci­o­nal pa­ra pa­gar a dí­vi­da pú­bli­ca e pa­ra fa­zer em­prés­ti­mos a ju­ros bai­xos aos ban­cos e gran­des em­pre­sas.
  3. As gran­des em­pre­sas de mí­dia, com a Re­de Glo­bo à fren­te, tam­bém de­vem à Pre­vi­dên­cia. Além dis­so, seus gran­des cli­en­tes são os ban­cos e as gran­des em­pre­sas de­ve­do­ras.
  4. O re­la­tó­rio fi­nal da CPI mos­tra que as em­pre­sas pri­va­das de­vem R$ 450 bi­lhões à Pre­vi­dên­cia.
  5. Os tra­ba­lha­do­res/as são os mai­o­res in­te­res­sa­dos que a Pre­vi­dên­cia es­te­ja em equi­lí­brio fi­nan­cei­ro. Por is­so de­fen­de­mos: com­ba­ter as frau­des; co­brar dos gran­des de­ve­do­res; im­pe­dir que os re­cur­sos da Pre­vi­dên­cia se­jam des­vi­a­dos pa­ra obras do go­ver­no; im­pe­dir que a lei – que con­ge­la os gas­tos pú­bli­cos por 20 anos – con­ge­le as fon­tes de fi­nan­cia­men­to da Se­gu­ri­da­de So­ci­al que in­te­gra o Sis­te­ma de Pre­vi­dên­cia; am­pli­ar a co­bran­ça de im­pos­tos so­bre as gran­des for­tu­nas (Cf. Fo­rum Go­i­a­no con­tra as Re­for­mas da Pre­vi­dên­cia e Tra­ba­lhis­ta. Jor­nal da Clas­se Tra­ba­lha­do­ra. Ano 1 – Nú­me­ro 3 – No­vem­bro de 2017).

Por fim, ma­ni­fes­ta­mos nos­sa so­li­da­ri­e­da­de aos/às que se en­con­tram em gre­ve de fo­me (que co­me­çou no úl­ti­mo dia 5) con­tra a Re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

O pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal dos Bis­pos do Bra­sil (CNBB), Dom Sér­gio da Ro­cha, es­te­ve – dia 12 – na Câ­ma­ra, pa­ra vi­si­tar e so­li­da­ri­zar-se com os agri­cul­to­res em gre­ve de fo­me, Dom Sér­gio afir­mou que a CNBB tem ma­ni­fes­ta­do a ne­ces­si­da­de de que as Re­for­mas em an­da­men­to pe­lo Go­ver­no Te­mer de­vem pre­ser­var os di­rei­tos dos mais po­bres e pe­diu paz e jus­ti­ça.

Com es­pe­ran­ça e fé, uni­dos e or­ga­ni­za­dos, va­mos à lu­ta! Pe­la Re­vo­ga­ção da Lei da Ter­cei­ri­za­ção! Pe­la Re­vo­ga­ção da Re­for­ma Tra­ba­lhis­ta! Con­tra a Re­for­ma da Pre­vi­dên­cia! Ne­nhum Di­rei­to a Me­nos!

 

(Mar­cos Sas­sa­tel­li, fra­de do­mi­ni­ca­no, dou­tor em Fi­lo­so­fia (USP) e em Te­o­lo­gia Mo­ral (As­sun­ção-SP), pro­fes­sor apo­sen­ta­do de Fi­lo­so­fia da UFG. E-mail: mpsas­sa­tel­[email protected])

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais