Opinião

Catástrofe à vista

diario da manha

Sem­pre foi voz cor­ren­te que o nos­so sis­te­ma po­lí­ti­co “es­tá fa­li­do!” Ain­da ago­ra um le­van­ta­men­to, em ge­ral com­pe­ten­te e isen­to, in­for­ma que qua­se dois ter­ços da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra con­si­de­ra os atu­ais con­gres­sis­tas (513 de­pu­ta­dos fe­de­ra­is e 27 se­na­do­res elei­tos em 2014) co­mo ten­do um de­sem­pe­nho “ru­im ou pés­si­mo. Is­so in­clui a atu­a­ção dos ou­tros 54 se­na­do­res elei­tos em 2010 com man­da­tos de oi­to anos que ter­mi­na­rão em 2018. Pa­re­ce con­for­mar-se a len­da ur­ba­na di­vul­ga­da pe­lo ve­lho dou­tor Ulis­ses de que há uma lei na­tu­ral que de­ter­mi­na a de­ge­ne­ra­ção do Con­gres­so no Bra­sil: “An­tes de achar que o de ho­je é ru­im, es­pe­re o pró­xi­mo”, di­zia.

Tra­ta-se, pro­va­vel­men­te, de mais uma da­que­las pe­ças que nos pre­ga o nos­so cé­re­bro trei­nan­do pe­la evo­lu­ção bi­o­ló­gi­ca a con­si­de­rar os ris­cos pre­sen­tes sem­pre su­pe­ri­o­res aos pas­sa­dos aos qua­is já so­bre­vi­ve­mos. Sus­pei­to que é a mes­ma ra­zão pe­la qual o ma­ra­vi­lho­so sa­bor do “ar­roz com fei­jão” pre­pa­ra­do no Cam­bu­ci, no fo­gão de le­nha, por mi­nha avó Fi­lo­me­na, não po­de ser re­pe­ti­do pe­lo mais re­fi­na­do chef! Ele tal­vez só exis­ta nas “me­mó­ri­as” de al­gu­ma coi­sa que su­po­nho te­nha exis­ti­do. Ah, co­mo são li­ber­ta­do­ras pa­ra um ve­lho eco­no­mis­ta e es­ti­mu­lan­te pa­ra um mo­ço al­gu­mas pin­ce­la­das so­bre pa­ra on­de nos es­tá le­van­do a neu­ro­ci­ên­cia.

O que nos in­for­mam, em­pi­ri­ca­men­te, as elei­ções da ter­cei­ra Re­pú­bli­ca? Que exis­te uma “re­no­va­ção” mé­dia em tor­no das 45%. Mes­mo de­pois do “me­sa­lão”, o pri­mei­ro gran­de es­cân­da­lo que ex­pôs as en­tra­nhas do en­ces­to pro­du­zi­do pe­lo con­luio de par­te do Es­ta­do com par­te do se­tor pri­va­do, ela não che­gou a 50%, o que su­ge­re que, de­pois de cin­co elei­ções (20 anos), ha­ve­ria ape­nas 2% da com­po­si­ção ori­gi­nal. Is­so não acon­te­ce por­que há um cor­po du­ro (tal­vez 10%) de “di­nas­ti­as re­gi­o­nais” que, à cus­ta de mui­tos “ser­vi­ços” (e al­gu­mas coi­si­nhas mais…), se per­pe­tuam nos mu­ni­cí­pios e nos es­ta­dos e, atra­vés de­les, na Uni­ão pe­lo rí­gi­do con­tro­le de par­ti­dos po­lí­ti­cos ab­so­lu­ta­men­te in­fen­sos à tran­spa­rên­cia e ao res­pei­to às re­gras de­mo­crá­ti­cas in­ter­nas.

Não te­nha­mos ilu­sões: o sis­te­ma elei­to­ral de 2018 es­tá mon­ta­do pa­ra dar ain­da mai­or po­der às má­qui­nas bu­ro­crá­ti­cas par­ti­dá­ri­as que ago­ra con­tro­la­rão to­dos os re­cur­sos de que dis­po­rá ca­da can­di­da­to, co­mo ano­tou o ilus­tre es­tu­di­o­so da po­lí­ti­ca. Mar­cus Me­lo, na Fo­lha de S. Pau­lo, na se­ma­na pas­sa­da. E não te­nha­mos dú­vi­da: a en­tro­pia in­tro­du­zi­da na qua­li­da­de da re­pre­sen­ta­ção não é pro­du­to de uma lei “na­tu­ral”, mas sim de um com­por­ta­men­to his­tó­ri­co de­pen­den­te, in­tro­du­zi­do pe­la sis­te­má­ti­ca au­to-or­ga­ni­za­ção da lei elei­to­ral pe­los seus eter­nos be­ne­fi­ciá­rios. Pre­ci­sa­re­mos de anos de uma im­pren­sa in­te­li­gen­te, in­ves­ti­ga­ti­va e in­de­pen­den­te, de con­tro­les in­ter­nos efi­ci­en­tes (Po­lí­cia Fe­de­ral e Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, sem abu­sos de po­der) e de um Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral com ló­gi­ca con­se­quen­cia­lis­ta pa­ra le­var o sis­te­ma po­lí­ti­co a re­or­ga­ni­zar-se e tor­nar pos­sí­vel co­lo­car o Bra­sil no ca­mi­nho da cons­tru­ção de opor­tu­ni­da­de e efi­ci­ên­cia pro­du­ti­va que li­be­ra­rá tem­po ao ci­da­dão pa­ra go­zá-las se­jam re­la­ti­va­men­te com­pa­tí­veis.

O que is­so tem ha­ver com a si­tu­a­ção da po­lí­ti­ca atu­al? Tu­do. Pa­ra que a re­cu­pe­ra­ção eco­nô­mi­ca já vi­sí­vel (um cres­ci­men­to de 1% do PIB em 2017 com pos­si­bi­li­da­de de um cres­ci­men­to de 2,5% em 2018 e a con­ti­nui­da­de da re­du­ção do em­pre­go) se con­cre­ti­ze e se­ja pos­sí­vel pros­se­guir na res­tri­ção do cres­ci­men­to das des­pe­sas, é ab­so­lu­ta­men­te ne­ces­sá­rio a apro­va­ção da mo­des­ta pro­pos­ta do re­gi­me pre­vi­den­ci­á­rio que, sem atin­gir o se­tor pri­va­do nem pe­que­nos fun­cio­ná­rios pú­bli­cos, mi­ti­ga­rá os “pri­vi­lé­gios” da al­ta bu­ro­cra­cia es­ta­tal e da­rá um ar mais re­pu­bli­ca­no ao sis­te­ma pre­vi­den­ci­á­rio na­ci­o­nal.

Pa­ra os que não acre­di­tam na gra­vi­da­de do pro­ble­ma por­que: 1. Não acei­tam os nú­me­ros do Te­sou­ro Na­ci­o­nal, mas não têm co­mo ne­gá-los. 2. Acre­di­tam que a aná­li­se do Ban­co Mun­di­al (que foi pe­di­da pe­la pre­si­den­ta Dil­ma e 2015, quan­do to­mou con­sci­ên­cia da lam­ban­ça que fi­ze­ra pa­ra ga­nhar a elei­ção a qual­quer cus­to) foi pa­ra “be­ne­fi­ci­ar Te­mer”. Exis­te ago­ra mais um re­la­tó­rio, o “Pen­si­ons at a Glan­ce 2017”, pro­du­zi­do por uma ins­ti­tu­i­ção que o Bra­sil  na­mo­ra, a OC­DE. Em ape­nas uma ta­be­la com­pa­ra­ti­va das pro­je­ções dos gas­tos pú­bli­cos com apo­sen­ta­do­ria com re­la­ção ao PIB, en­tre 2013-2015 e 2050, re­sol­ve-se o as­sun­to. No pe­rí­o­do, a mé­dia dos paí­ses da OC­DE pas­sa de 8,9% pa­ra 9,5%. Na chi­na, de 4,1% pa­ra 9,5%. Na Rús­sia, de 9,1% pa­ra 12,4%. No Bra­sil de 9,1% pa­ra 16,8%, o mai­or do mun­do!

Nos paí­ses re­al­men­te ci­vi­li­za­dos com a Ho­lan­da, ele cres­ce de 6,9% pa­ra 8,1%; na No­ru­e­ga, de 9,9% pa­ra 11,5%, e na su­e­cis, cai de 8,9% pa­ra 7,2%, por­que a mai­or par­te da trans­fe­rên­cia é pe­la me­lho­ra dos ser­vi­ços pú­bli­cos de sa­ú­de, edu­ca­ção, se­gu­ran­ça etç. Os nú­me­ros su­ge­rem um ca­tás­tro­fe bra­si­lei­ra se na­da for fei­to ago­ra.

 

(Del­fim Net­to. For­ma­do pe­la USP, é pro­fes­sor de Eco­no­mia, foi mi­nis­tro e de­pu­ta­do fe­de­ral)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais