Opinião

"Césio 137: pas­sou da ho­ra de nos­sas ins­ti­tu­i­ções que­bra­rem o si­lên­cio"

diario da manha

Nun­ca fui ami­go da Ta­be­la pe­ri­ó­di­ca, aque­le aglo­me­ra­do dis­for­me de qua­dra­di­nhos co­lo­ri­dos, pre­en­chi­do por le­tras re­pre­sen­ta­ti­vas que, até ho­je, não con­si­go com­pre­en­der bem. Den­tre tan­tos ele­men­tos ali alo­ja­dos, es­ta­va o Cé­sio 137 re­pre­sen­ta­do pe­las le­tras Cs, que fa­zia de­le só mais um en­tre tan­tos ele­men­tos quí­mi­cos que, na mi­nha vi­são, ja­mais te­ri­am al­gu­ma im­por­tân­cia na mi­nha vi­da. Acon­te­ce que não foi as­sim. O Cé­sio 137 im­pac­tou mi­nha vi­da e a de qua­se qua­tro mil Po­li­ci­ais Mi­li­ta­res que tra­ba­lha­vam em Go­i­â­nia no ano fa­tí­di­co de 1987.

Quan­do foi go­ver­na­dor de 1983 a 1985, o Sr Iris Re­zen­de Ma­cha­do aten­deu ao pe­di­do do Co­man­dan­te Ge­ral da PM, Co­ro­nel Al­va­ro Al­ves Jú­ni­or, pa­ra pre­en­cher as va­gas dis­po­ní­veis da Cor­po­ra­ção, no mai­or apor­te de efe­ti­vo já ocor­ri­do no Es­ta­do. Daí que, num pe­rí­o­do cur­to, cer­ca de 5 mil ho­mens in­gres­sa­ram na Po­li­cia Mi­li­tar. A mai­o­ria jo­vens co­mo eu que, vin­dos do in­te­ri­or, se­quer sa­bi­am an­dar pe­las ru­as da Ca­pi­tal. Em meio à tan­tas no­vi­da­des, me tor­nei ca­de­te em fe­ve­rei­ro de 1985. Já um tan­to po­li­do de mi­nha ma­tu­ti­ce, ago­ra no ano de 1987, es­ta­va eu me pre­pa­ran­do pa­ra a for­ma­tu­ra que ocor­re­ria em 4/12/1987 e fa­ria de mim Ofi­ci­al da Po­li­cia Mi­li­tar do Es­ta­do de Go­i­ás quan­do, no mês de se­tem­bro, já com qua­se to­das as ma­té­rias con­cluí­das, fo­mos acio­na­dos pa­ra uma mis­são ur­gen­te. Foi pe­las tan­tas do dia 28 de se­tem­bro da­que­le ano que, sem que pu­des­se ima­gi­nar o que es­ta­va ocor­ren­do, eu e meus com­pa­nhei­ros, pra­ças in­clu­si­ve, fo­mos es­ca­la­dos pa­ra fa­zer guar­da num de­ter­mi­na­do en­de­re­ço do se­tor Ae­ro­por­to. Lá fi­ca­mos al­guns di­as, num tra­ba­lho de sen­ti­ne­la em que im­pe­dí­a­mos as pes­so­as de aces­sar de­ter­mi­na­do en­de­re­ço, sem, con­tu­do, sa­ber exa­ta­men­te por­que. Cáp­su­la de cé­sio? Is­so pa­ra mim era tão sig­ni­fi­ca­ti­vo quan­to vi­gi­ar um ban­co de pra­ça re­cém pin­ta­do pa­ra que nin­guém se sen­tas­se ne­le. Te­nho cer­te­za que a mai­o­ria da­que­les jo­vens ig­no­ra­vam o que fa­zi­am, tan­to quan­to eu. Es­tá­va­mos nós em man­ga de ca­mi­sa.

O pro­pó­si­to de con­tar aqui um flash de mi­nha vi­da, é por se con­fun­dir com a his­tó­ria da PM. Nin­guém ali sa­bia que es­tá­va­mos ex­pos­tos ao mai­or aci­den­te ra­di­o­a­ti­vo da his­tó­ria, clas­si­fi­ca­do co­mo ní­vel 6 da Es­ca­la in­ter­na­ci­o­nal de aci­den­tes ra­di­o­a­ti­vos que vai, pas­mem, so­men­te até o ní­vel 7. Nós PMs não tí­nha­mos equi­pa­men­to de pro­te­ção co­mo ti­nham os téc­ni­cos da CNEM, ór­gão res­pon­sá­vel pe­lo con­tro­le do aci­den­te. Nem se­quer tí­nha­mos in­for­ma­ção -ins­tru­men­to mais im­por­tan­te nas to­ma­das de pre­cau­ção. As­sim, uns fa­zi­am guar­da; ou­tros ser­viam ali­men­ta­ção; ou­tros se in­cum­bi­am de tran­spor­te; ou­tros do ar­ma­men­to (inú­til nes­te ca­so); ou­tros das es­ca­las e ou­tros, das ati­vi­da­des mais sim­pló­rias co­mo man­ter a lim­pe­za do lu­gar, etc. Es­tá­va­mos to­dos lá, se não es­ca­la­dos de ma­nei­ra per­ma­nen­te, mas de ma­nei­ra even­tual num re­ve­za­men­to que em­pe­nha­va to­do o con­tin­gen­te da Cor­po­ra­ção. 30 anos de­pois, aque­les jo­vens já ve­lhos, al­guns mor­tos e ou­tro tan­to do­en­tes, ain­da lu­tam pa­ra ter seus di­rei­tos re­co­nhe­ci­dos. Os pou­cos que con­se­gui­ram, ti­ve­ram que pro­var ser por­ta­dor de do­en­ças gra­ves e se­que­las que os in­ca­pa­ci­te pa­ra o tra­ba­lho e até pa­ra a vi­da, em de­cor­rên­cia de con­ta­mi­na­ção. In­fe­liz­men­te, co­mo tu­do que vem do go­ver­no, es­tes ho­mens pa­re­cem men­di­gar por um fa­vor do Es­ta­do.

É inad­mis­sí­vel que o go­ver­no quei­ra ou es­pe­re que se­que­las se evi­den­cie pa­ra re­co­nhe­cer o sa­cri­fí­cio da­que­les jo­vens. Fo­ram fei­tos de boi de pi­ra­nha e ain­da pre­ci­sam bri­gar pa­ra se­rem re­co­nhe­ci­dos em seu sa­cri­fí­cio. Não se de­ve re­co­nhe­ce-los por­que es­tão à bei­ra da mor­te. O re­co­nhe­ci­men­to do Es­ta­do pre­ci­sa le­var em con­ta que se ex­pu­se­ram de for­ma gros­sei­ra e des­ne­ces­sá­ria e que, só pe­lo ris­co que cor­re­ram em prol de ino­cen­tes, me­re­cem a con­tra­par­ti­da so­ci­al. Um sol­da­do que vai pa­ra guer­ra não pre­ci­sa mor­rer pa­ra ser he­rói. É he­rói por­quê se ex­pôs em no­me de seu pa­ís, se ar­ris­cou e pre­ser­vou ou­tras pes­so­as. A di­fe­ren­ça aqui, é que o sol­da­do que vai pa­ra a guer­ra sa­be pa­ra on­de es­tá in­do. Ao con­trá­rio da­que­les jo­vens que fo­ram sor­di­da­men­te en­ga­na­dos pe­lo Es­ta­do que de­fen­dem.

Pas­sou da ho­ra de nos­sas ins­ti­tu­i­ções que­bra­rem o si­lên­cio. Nos­sos Co­man­dan­tes, além de se­cre­tá­rios e até go­ver­nos, pre­ci­sam vir a pú­bli­co pa­ra di­zer o que de fa­to ocor­reu, pa­ra iden­ti­fi­car os he­róis da­que­le aci­den­te, que es­tão anô­ni­mos ain­da. O re­co­nhe­ci­men­to em vi­da per­mi­te al­gu­ma jus­ti­ça que, co­ro­as de flo­res em tú­mu­los va­zi­os não po­de­rão com­pen­sar. Con­cla­mo, por­tan­to àque­les que exer­ci­am o po­der na épo­ca ve­nham a pú­bli­co con­tar a ver­da­dei­ra his­tó­ria do Cé­sio 137. Nes­te ca­so, des­ta­co o ma­ni­fes­to do Sr Co­ro­nel Wal­ter­vam, que co­man­da­va a Cor­po­ra­ção no dia do aci­den­te. Re­co­nhe­cer o fa­to de que to­dos os PM ati­vos na épo­ca fo­ram em­pre­ga­dos no con­tro­le da si­tu­a­ção, é a me­lhor ex­pec­ta­ti­va de jus­ti­ça. Afi­nal, já se avi­zi­nha a ho­ra em que es­ta jus­ti­ça não po­de­rá mais ser fei­ta.

 

(Ave­lar Lo­pes de Vi­vei­ros, cel RR PMGO, di­re­tor de Uni­da­des de con­ser­va­ção da Amma)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais