Opinião

Cheiro, gosto ou bodum, cada um tem o seu

diario da manha

Já diz um di­ta­do vin­do da sa­be­do­ria po­pu­lar: mais va­le um gos­to do que um car­ro cheio de abó­bo­ras. Bi­chos e gen­tes: ca­da um tem o seu fa­ro, o fu­ro on­de lhes ba­tem de­se­jos e en­fa­ros. Mais que sa­bi­do ser o fa­ro o prin­ci­pal dom sen­si­ti­vo dos cã­es – vin­do em se­gui­da a au­di­ção, mui­to agu­da. É pas­se­ar com ca­chor­ros em prai­as ou ru­as, e nos ar­ras­tam pa­ra os pos­tes, as ma­ce­gas de ca­pim e gra­ma­dos, pa­ra se per­ce­ber que são atra­í­dos por chei­ros de ou­tros cã­es, que por ali pas­sam, ou pe­los chei­ros de­les mes­mos, sa­in­do a de­mar­car ter­ri­tó­rios, por on­de quer que pas­sem.

No que diz res­pei­to aos hu­ma­nos, em me­nor es­ca­la, é ver­da­de, é sa­bi­do exis­tir no seu apa­re­lho sen­si­ti­vo cons­ti­tu­í­do por cin­co per­cep­ções des­te mun­do por eles cap­ta­do e per­ce­bi­do em sua pos­sí­vel re­a­li­da­de tri­di­men­si­o­nal, dá-se o mes­mo. Ha­ven­do, po­rém, quan­to ao ani­mal hu­ma­no, de in­di­ví­duo pa­ra in­di­ví­duo, di­fe­ren­ças no al­can­ce de ca­da um de seus cin­co sen­ti­dos. Há gen­te que es­cu­ta ma­ra­vi­lho­sa­men­te bem, al­guns pou­cos sen­do do­ta­dos até do cha­ma­do “ou­vi­do ab­so­lu­to”, im­pres­cin­dí­vel em bons mú­si­cos e re­gen­tes de or­ques­tra.

Po­dem per­ce­ber, em uma or­ques­tra com tre­zen­tos ins­tru­men­tos sen­do to­ca­dos, qual de­les es­tá de­sa­fi­nan­do. Dis­tin­guem, em um enor­me con­jun­to de sons sen­do emi­ti­dos no mes­mo tem­po, e qua­se no mes­mo es­pa­ço – já que ca­da um ocu­pa o seu, es­tan­do uns bem lon­ge de ou­tros –, qual es­tá de­sar­mo­ni­o­so ou dis­so­nan­te. En­quan­to is­to, há pes­so­as que, con­si­de­ran­do per­fei­ta­men­te nor­mais, te­mos que gri­tar qua­se den­tro da es­tru­tu­ra la­bi­rín­ti­ca de su­as ven­ta­nas, pa­ra que es­cu­tem ao mes­mo sus­sur­ros do que al­guém es­tá a lhe di­zer.

As­sim tam­bém, há es­ca­las e ní­veis de per­cep­ção, de pes­soa a pes­soa, quan­to ao pa­la­dar – pa­pi­las gus­ta­ti­vas em uns são sen­si­bi­lís­si­mas, em ou­tros não dis­tin­guem sa­bor de va­ri­a­das fru­tas, car­nes, quei­jos, e de­mais ali­men­tos. Nes­te que­si­to aí es­tão o so­mel­li­er har­mo­ni­za­dor (que chi­que!) de cer­ve­ja, vi­nho, ca­cha­ça e ca­fé. Es­tes úl­ti­mos en­tão, nem se fa­la: são ra­ros os que têm pa­la­to sen­sí­vel o su­fi­ci­en­te pa­ra ava­li­ar qua­li­da­des de ca­fé que vão sor­ven­do com uma co­lhe­ri­nha, cus­pin­do em se­gui­da, em um re­ci­pi­en­te que ao fi­nal da pro­va­ção ili­mi­ta­da de­ve fi­car de dar en­gu­lho em uru­bu ou cão de rua.

Dei­xe­mos, po­rém, de pro­le­gô­me­nos, e pas­se­mos ao as­sun­to prin­ci­pal, que le­vou-me a co­me­çar a ga­ra­tu­jar – ou ga­ra­tu­te­clar – le­tras, pa­la­vras e fra­ses em meu lap-top. As es­tra­nhe­zas e es­tra­nhi­ces que po­vo­am o vas­to e la­bi­rín­ti­co (sen­do tão se­du­tor quan­to ater­ro­ri­za­dor) uni­ver­so da se­xu­a­li­da­de, com seu ines­go­tá­vel ar­se­nal de pre­fe­rên­cias, gos­tos e des­gos­tos. Sa­be-se que cer­tas es­sên­cias e mar­cas es­pe­cí­fi­cas de per­fu­mes são ca­ta­li­za­do­res de de­se­jos de vo­lú­pi­as car­nais.

Ser­vem de ca­ta­pul­ta pa­ra os pa­ra a vo­lú­pia se­nes­cen­te, ou a que ain­da es­tão a fer­ver em ar­dên­cias. Há to­da uma len­da ur­ba­na (ou ru­ral, nes­tes tem­pos mo­der­nos glo­ba­li­za­dos). Po­rém há ho­mens e mu­lhe­res que são des­per­ta­dos não pe­lo bom per­fu­me ou aro­ma, e sim pe­lo seu con­trá­rio: o mau odor e a pes­ti­lên­cia. Ca­so de uma mu­lher, co­nhe­ci­da mi­nha, que em vez de ho­mens chei­ro­sos, pre­fe­re os fe­di­dos. Dan­do pre­fe­rên­cia ol­fa­ti­va aos que es­tão exa­lan­do a ser­ven­te de pe­drei­ro em fim de ex­pe­di­en­te.

De­pois de ofe­re­cer ca­ro­na aos ca­bo­clos su­a­ren­tos, não ra­ra­men­te en­la­me­a­dos e exa­lan­do a bar­ro e ci­men­to. Era nos pon­tos de ôni­bus que ela ia bus­car com­pa­nhi­as des­te pa­drão odo­rí­fi­co, nas ho­ras cre­pus­cu­la­res, de fim de ex­pe­di­en­te. Ou atra­ía-os pa­ra sua ca­sa, cri­an­do si­tu­a­ções de es­tar pre­ci­san­do de sua mão-de-obra. É cla­ro, quan­do o ma­ri­do au­sen­ta­va-se, em su­as lon­gas per­ma­nên­cias nas li­das e ge­rên­cias da fa­zen­da.

Tam­bém há ho­mens com tal es­tra­nho gos­to por chei­ros exa­lan­do a bo­dum de de­so­do­ran­te qui­lom­bo – ca­da chei­ra­da é um tom­bo. Um ami­go meu, da área das le­tras (já fa­le­ci­do, mui­to a con­tra-gos­to de­le, e dos que o ama­vam e amam, cri­a­tu­ra bo­nís­si­ma) ti­nha tam­bém o cos­tu­me de ir aos ter­mi­nais de co­le­ti­vos ur­ba­nos, pa­ra lá gran­je­ar com­pa­nhia fe­mi­ni­na – gen­te li­ga­da ao lum­pen-se­cre­ta­ria­do do­més­ti­co – ge­ral­men­te não mui­to chei­ro­sa, pois que ha­via la­bo­ra­do o dia in­tei­ro, na fa­xi­na de es­cri­tó­rios, ca­sas e apar­ta­men­tos. Seu apar­ta­men­to era cha­ma­do, por seus ami­gos, de na­vio ne­grei­ro. Da­da sua pre­fe­rên­cia por tro­car fluí­dos com afro-des­cen­den­tes. Mo­ral da es­tó­ria: bom chei­ro ou bo­dum, ca­da um tem um.

 

(Bra­si­gó­is Fe­lí­cio, es­cri­tor e jor­na­lis­ta. Ocu­pa a ca­dei­ra 25 da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais