Opinião

Como administrar melhor o seu tempo em 2018?

diario da manha

Já es­ta­mos no fi­nal de 2017 e, pa­ra mui­ta gen­te, pa­re­ce que o ano co­me­çou on­tem e não deu pa­ra fa­zer na­da (ou qua­se na­da) do que foi pla­ne­ja­do. Mas se­rá que o tem­po é mes­mo tão cur­to as­sim pa­ra vi­ver­mos sem­pre cor­ren­do e se­quer sen­tir­mos o ano pas­sar? A res­pos­ta é não.

O pro­ble­ma não é a quan­ti­da­de de ho­ras que te­mos, mas a ma­nei­ra co­mo usa­mos as nos­sas ho­ras. Es­ta­mos tra­ba­lhan­do ca­da vez mais, vi­ve­mos ca­da vez mais es­tres­sa­dos e não ve­mos re­sul­ta­dos com­pen­sa­do­res. Tu­do is­so por­que ge­ren­ci­a­mos nos­so tem­po in­cor­re­ta­men­te.

Em um am­bi­en­te de­sor­ga­ni­za­do e sem pla­ne­ja­men­to, as chan­ces de vo­cê se ir­ri­tar, fi­car sem âni­mo pa­ra os re­la­ci­o­na­men­tos e – pi­or ain­da – não cu­i­dar da pró­pria sa­ú­de são bem mai­o­res. E é jus­ta­men­te daí que vem a im­pres­são de que o tem­po es­tá cor­ren­do mais rá­pi­do. A pes­soa que não or­ga­ni­za as ta­re­fas aca­ba vi­ran­do es­cra­va das cir­cun­stân­cias, e to­das as ati­vi­da­des se tor­nam ur­gên­cias. Só o pla­ne­ja­men­to po­de tra­zer uma ro­ti­na mais equi­li­bra­da.

É mui­to co­mum pen­sar­mos ape­nas nas ati­vi­da­des do dia, mas o ide­al é pla­ne­jar ao me­nos três di­as pa­ra fren­te. Se con­se­guir or­ga­ni­zar uma se­ma­na in­tei­ra, me­lhor ain­da. É pre­ci­so ava­li­ar a du­ra­ção de ca­da ati­vi­da­de e dei­xar um tem­po “li­vre” pa­ra even­tua­is ur­gên­cias. To­das as ta­re­fas de­vem ser ano­ta­das, se­ja em uma agen­da de pa­pel, um apli­ca­ti­vo ou um softwa­re. As­sim, fi­ca mais fá­cil men­su­rar o vo­lu­me de afa­ze­res e os pra­zos.

As ati­vi­da­des po­dem ser di­vi­di­das em ur­gen­tes (quan­do o pra­zo es­tá cur­to ou já aca­bou); im­por­tan­tes (que tra­zem re­sul­ta­do); e cir­cun­stan­ci­ais (que não agre­gam va­lor e te fa­zem per­der tem­po). É im­por­tan­te clas­si­fi­cá-las e pri­o­ri­zar as ur­gen­tes, a fim de eli­mi­ná-las ra­pi­da­men­te. O pas­so se­guin­te é au­men­tar as ta­re­fas im­por­tan­tes, que aju­dam a re­du­zir as ur­gên­cias e te man­têm equi­li­bra­do. E, por úl­ti­mo, vo­cê de­ve eli­mi­nar da ro­ti­na as cir­cun­stan­ci­ais, que rou­bam o seu tem­po.

Mui­tas ve­zes, lo­ta­mos nos­sa agen­da com coi­sas que acei­ta­mos fa­zer, quan­do, na ver­da­de, pre­ci­sá­va­mos ou gos­ta­rí­a­mos de di­zer “não”. Is­so acon­te­ce, fre­quen­te­men­te, por­que te­mos re­ceio de nos in­dis­por com al­guém. Ter co­ra­gem pa­ra mu­dar es­se com­por­ta­men­to é um pas­so im­por­tan­te ru­mo à ges­tão efi­ci­en­te do tem­po.

Mais um ano es­tá co­me­çan­do e, pa­ra quem vi­veu até ho­je cor­ren­do, eu ga­ran­to: apro­vei­tar es­se no­vo pe­rí­o­do pa­ra dar iní­cio a uma mu­dan­ça de há­bi­tos fa­rá de seu tem­po um gran­de ali­a­do.

 

(Chris­ti­an Bar­bo­sa, es­pe­cia­lis­ta em ad­mi­nis­tra­ção de tem­po e pro­du­ti­vi­da­de)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais