Opinião

Como escrever um livro

diario da manha

Di­zem que pa­ra tu­do o mais di­fí­cil é o co­me­ço. Is­so se apli­ca per­fei­ta­men­te pa­ra um li­vro. Mas por mais di­fí­cil que is­so pos­sa pa­re­cer, nos tem­pos atu­ais pu­bli­car um li­vro fi­cou mais fá­cil.

As pes­so­as con­fun­dem pu­bli­car um li­vro com pu­bli­car um best-sel­ler. Se o in­tui­to da pu­bli­ca­ção é lu­crar com is­so, as chan­ces de o pla­no fun­cio­nar são bem me­no­res que uma pu­bli­ca­ção des­pre­ten­si­o­sa. Mas as­sim co­mo um bom jo­ga­dor de fu­te­bol po­de co­me­çar sua car­rei­ra de su­ces­so já num ti­me gran­de ou cres­cer aos pou­cos em ti­mes me­no­res até che­gar on­de se de­se­ja, um fu­tu­ro es­cri­tor pro­fis­si­o­nal tam­bém se ve­rá nes­se di­le­ma: al­me­jar lo­go de iní­cio uma edi­to­ra de re­no­me ou pu­bli­car os pri­mei­ros tex­tos em edi­to­ras me­no­res? O cer­to é que ele vai es­cre­ver bas­tan­te!

De fa­to, se­rá a sua ra­ri­da­de que o fa­rá se des­ta­car en­tre os ou­tros mi­lha­res de as­pi­ran­tes. Edi­to­ras pre­ci­sam de di­vul­ga­ção pa­ra su­as ven­das, e tan­to as re­se­nhas co­mo as 5 es­tre­las de si­tes e re­des so­ci­ais po­dem pro­je­tar o es­cri­tor pa­ra am­bi­ções mai­o­res.

Es­tu­dar a tra­je­tó­ria de gen­te que atin­giu o su­ces­so po­de abrir o ho­ri­zon­te do jo­vem es­cri­tor so­bre o as­sun­to que ven­de mais ou é mais pro­cu­ra­do pe­los lei­to­res. Os te­mas são, via de re­gra, sem­pre os mes­mos (trai­ção, pu­ni­ção, mor­te, amor, vin­gan­ça, etc.), mas o que os di­fe­ren­cia é o mo­do de co­mo são trans­mi­ti­dos.

Por pi­o­res que pos­sam pa­re­cer, guar­dar os tex­tos pro­du­zi­dos e os li­vros li­dos des­de a es­co­la po­de aju­dar o es­cri­tor a per­ce­ber co­mo evo­lu­iu, os cli­chês que per­sis­te em usar, os te­mas re­cor­ren­tes, os as­sun­tos pre­fe­ri­dos, en­tre ou­tros.

No meu hu­mil­de ca­so, mi­nha in­ten­ção era com­pi­lar e imor­ta­li­zar es­tó­ri­as mar­can­tes de mi­nha vi­da e de quem fez par­te de­la, co­mo ami­gos e fa­mi­lia­res (sa­be aque­le avô que tem es­tó­ri­as e cau­sos so­bran­do? Por que es­pe­rar a ida­de de­le pa­ra só en­tão co­me­çar a con­tar?). Mas sen­do um ci­da­dão co­mum, bus­quei as es­tó­ri­as mais ím­pa­res e mais chei­as de hu­mor, as qua­is clas­si­fi­quei co­mo sen­do “só mi­nhas”. Es­ses fil­tros que me im­pus me ren­de­ram mais de 200 pá­gi­nas de si­tu­a­ções inu­si­ta­das que eu achei que me­re­ci­am ser re­gis­tra­das pa­ra sem­pre, co­mo as es­tó­ri­as de cri­an­ça que faz co­cô em lu­ga­res in­de­vi­dos (to­do mun­do tem uma!), ma­lan­dra­gens que ge­ra­ram fu­gas de po­lí­cia, tra­qui­na­gens es­co­la­res, trau­mas “sa­u­dá­veis” e até uso de ma­gia ne­gra, vi­vi­das por mim ou co­nhe­ci­dos meus (um es­cri­tor nun­ca re­ve­la seus se­gre­dos). A par­tir daí, ou­tra ques­tão me sur­giu: quem acei­ta­ria uma co­le­tâ­nea tos­ca de crô­ni­cas des­se ti­po nu­ma épo­ca em que o po­li­ti­ca­men­te cor­re­to im­pe­ra e opri­me a cri­a­ti­vi­da­de do ser hu­ma­no?

Co­mo já ha­via ga­nha­do al­guns con­cur­sos li­te­rá­rios (e o blog é uma óti­ma pon­te pa­ra os mais di­ver­sos de­les, no Bra­sil e no mun­do), cer­ta vez ga­nhei um pro­mo­vi­do pe­la edi­to­ra Ka­zuá, a qual se in­te­res­sou pe­lo meu tex­to, con­ce­deu-lhe um be­lo tra­to edi­to­ri­al e ma­te­ri­a­li­zou o meu so­nho.

Meu ob­je­ti­vo era dis­tri­bu­ir a pes­so­as do meu cír­cu­lo de ami­za­de, as qua­is aju­da­ram ou apron­ta­ram as es­tó­ri­as por mim com­pi­la­das. E, du­ran­te a lei­tu­ra, elas gar­ga­lha­vam!

En­tão, mi­nha pri­mei­ra am­bi­ção foi cum­pri­da – a de di­ver­tir as pes­so­as –, e se eu ven­der mais de um exem­plar pa­ra lei­to­res por mim des­co­nhe­ci­dos e que tam­bém ado­ra­rem os tex­tos, já saio no lu­cro.

Mal pos­so es­pe­rar pa­ra ver o co­le­ga lei­tor se aven­tu­ran­do nis­so. Só não co­me­ta o mes­mo er­ro que o meu: es­pe­rar tem­po de­mais por ver­go­nha ou fal­ta de au­to­es­ti­ma.

 

(Pe­dro Pa­nho­ca da Sil­va, mes­tran­do em Li­te­ra­tu­ra no Pro­gra­ma de Pós-Gra­du­a­ção em Li­te­ra­tu­ra e Vi­da So­ci­al da Unesp/As­sis e au­tor do li­vro “Trau­mas e Ta­bus” (2016, edi­to­ra Ka­zuá), além de ter po­e­mas pu­bli­ca­dos em re­vis­tas aca­dê­mi­cas, co­le­tâ­ne­as li­te­rá­ri­as e ou­tros ebo­oks)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais