Opinião

Como estabelecer o branding em tempos de crise

diario da manha

Não é se­gre­do pa­ra nin­guém, que o pa­ís vi­ve um dos seus pi­o­res mo­men­tos des­de a cri­se de 1929 que, co­mo um ras­ti­lho de pól­vo­ra, di­zi­mou a eco­no­mia mun­di­al.

A cri­se de 2008, não foi uma sim­ples “ma­ro­li­nha”, co­mo cos­tu­ma­va ser anun­ci­a­da pe­los in­ter­lo­cu­to­res do Pla­nal­to.

O fa­to é cla­ro: a ma­ro­li­nha vi­rou um tsu­na­mi com o de­cor­rer dos tem­pos, e ho­je, es­ta­mos no mais pro­fun­do abis­mo re­ces­si­vo.

Pa­ra um pa­ís com as pro­por­ções ma­cro­e­co­nô­mi­cas co­mo as do Bra­sil, as­su­mir um PIB de -0,8% em 2017 e já pro­je­tar -0,9% pa­ra 2018, não é só de­sas­tro­so! É aler­ta ver­me­lho pis­can­do, in­can­sa­vel­men­te, nos mo­ni­to­res de to­dos os ana­lis­tas dos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros da eco­no­mia glo­bal.

Adi­cio­na-se a es­te ce­ná­rio, o IP­CA em ace­le­ra­ção e en­gre­na­do na 5º mar­cha, o Re­al en­fra­que­ci­do e o Sco­re do pa­ís, sen­do der­re­ti­do pe­los cons­tan­tes re­bai­xa­men­tos as­su­mi­dos pe­las Agên­cias de Clas­si­fi­ca­ção de Ris­co mun­di­ais. Co­mo se já não fos­se o su­fi­ci­en­te pa­ra uma pan­de­mia, a in­dús­tria man­tém a re­tra­ção dos in­ves­ti­men­tos in­ter­nos cor­re­la­ci­o­na­do aos al­tos cus­tos dos in­su­mos na­ci­o­nais, o mer­ca­do ex­ter­no de­cli­nan­do ‘a no­vos in­ves­ti­men­tos lo­ca­is e as gran­des em­pre­sas na­ci­o­nais, de­pu­ran­do seus flo­a­tings. Já po­de­mos pe­dir mú­si­ca no fan­tás­ti­co! Os úl­ti­mos três anos, fi­ca­rão na his­tó­ria co­mo um dos pi­o­res tri­ê­ni­os dos re­sul­ta­dos das con­tas pú­bli­cas.

Mui­tos co­a­chers têm se ins­pi­ran­do em fra­ses do ti­po “O Bra­sil es­tá em cri­se? Aqui na mi­nha em­pre­sa não!”  ou  “A mi­nha em­pre­sa re­sol­veu não par­ti­ci­par da cri­se!”.  Cla­ro que o mo­men­to re­quer pru­dên­cia e uma boa in­je­ção de oti­mis­mo é um com­bus­tí­vel im­por­tan­te. Po­de­mos ob­ser­var, por­tan­to, que as fra­ses de efei­to exis­tem, mas o pla­no de ação, não!

O pla­no de ação, é pre­pon­de­ran­te pa­ra ob­ter re­sul­ta­dos em qua­is­quer ce­ná­rios, quer se­jam po­si­ti­vos, al­ter­na­ti­vos ou ad­ver­sos.

Gos­ta­ria de lan­çar du­as per­gun­tas aos lei­to­res des­te ar­ti­go: O Bu­si­ness Ac­ti­on da sua em­pre­sa es­tá ade­ren­te ao ce­ná­rio atu­al? A sua mar­ca es­tá bem po­si­cio­na­da?

É mui­to im­por­tan­te en­ten­der, que em to­das as em­pre­sas, em ce­ná­rios co­mo o que es­ta­mos vi­ven­cian­do, há uma pre­o­cu­pa­ção cons­tan­te com a as­sep­sia do ócio. O fo­co dos em­pre­sá­rios es­tá em co­mo ge­rar efi­ci­ên­cia sem que es­ta, re­quei­ram in­ves­ti­men­tos.

Nu­ma pri­mei­ra aná­li­se, po­de­mos en­ten­der que es­tão cor­re­tos. Con­tu­do, an­tes dis­to, é pre­ci­so en­ten­der a re­al evi­dên­cia da pa­la­vra efi­ci­ên­cia. Eu, par­ti­cu­lar­men­te, de­fi­no efi­ci­ên­cia co­mo a ca­pa­ci­da­de de al­guém ou gru­po, ge­rar re­sul­ta­dos po­si­ti­vos, atra­vés de re­cur­sos di­ver­sos.

E é jus­ta­men­te no pi­lar de efi­ci­ên­cia, que os con­vi­do à re­fle­xão so­bre co­mo es­tá o po­si­cio­na­men­to da mar­ca da sua em­pre­sa no mer­ca­do.

Vo­cê po­de até se per­gun­tar: Clayton, vo­cê aca­bou de nos di­zer, que os em­pre­sá­rios es­tão bus­can­do ge­rar as­sep­sia em tu­do que é ex­ce­den­te em su­as or­ga­ni­za­ções; e vo­cê afir­ma que es­tes mes­mos em­pre­sá­rios, es­tão bus­can­do efi­ci­ên­cia. Mais à fren­te, vo­cê de­fi­ne efi­ci­ên­cia co­mo uma ma­triz de re­sul­ta­dos. Por­tan­to, co­mo cri­ar uma si­ner­gia en­tre a as­sep­sia que os em­pre­sá­rios têm de­se­nha­do pa­ra os seus ne­gó­ci­os e o po­si­cio­na­men­to da mi­nha mar­ca co­mo agen­te de cons­tru­ção?

Meu lei­tor, o seu pro­du­to po­de ser co­nhe­ci­do por vá­ri­as ma­nei­ras e for­ma­tos. Des­ta­co du­as: co­mo aque­le que traz o me­lhor pre­ço ou co­mo aque­le que ge­ra re­sul­ta­dos. Vo­cê quem de­fi­ne o po­si­cio­na­men­to da sua mar­ca!

Pos­so aqui, des­cre­ver vá­rios exem­plos de or­ga­ni­za­ções pe­lo mun­do, que bus­cam apre­sen­tar o me­lhor pre­ço, co­mo tam­bém, pos­so des­cre­ver vá­rios exem­plos de or­ga­ni­za­ções que bus­cam ge­rar os me­lho­res re­sul­ta­dos pa­ra os seus cli­en­tes.

Con­tu­do, gos­ta­ria de uma re­fle­xão do lei­tor, so­bre o fo­co na ge­ra­ção de re­sul­ta­dos. Es­te, faz to­da a di­fe­ren­ça en­tre uma mar­ca e ou­tra.

Ten­do em seu portfó­lio, uma so­lu­ção que aten­da a um cli­en­te e que cu­re a sua mais do­lo­ro­sa fe­ri­da, não te­ma em a pre­ci­fi­car. Por mais que o ce­ná­rio es­te­ja des­fa­vo­rá­vel, o do­en­te (cli­en­te) sem­pre bus­ca­rá pe­lo re­mé­dio (re­sul­ta­do)! Ao fi­nal do ci­clo con­sul­ti­vo, vo­cê con­se­gui­rá tan­gi­bi­li­zar a sua pla­ta­for­ma de efi­ci­ên­cia e te­rá cli­en­tes ab­so­lu­ta­men­te en­vol­vi­dos com a sua mar­ca.

Com­pro­me­ta-se em mer­gu­lhar nas ne­ces­si­da­des, em ino­var em so­lu­ções. Te­nha co­mo me­ta cons­tan­te, ser o ci­en­tis­ta que fa­bri­ca­rá a va­ci­na pa­ra li­qui­dar o ví­rus mais cor­ro­si­vo que in­co­mo­da o seu cli­en­te.

Cli­en­tes en­vol­vi­dos com as su­as pla­ta­for­mas, re­o­xi­ge­na­rão a sua mar­ca no mer­ca­do, man­ten­do-a vi­va.

Por­tan­to, po­si­ci­o­ne-se co­mo uma em­pre­sa efi­ci­en­te.

Co­mo vo­cê quer ser re­co­nhe­ci­do no mer­ca­do? En­tão, fo­que no al­vo!

 

(Clayton Ma­cha­do, ad­mi­nis­tra­dor de em­pre­sas, mes­tre em Ges­tão Em­pre­sa­ri­al e Co­mér­cio Ex­te­ri­or, ar­ti­cu­lis­ta es­pe­ci­al do Jor­nal Di­á­rio da Ma­nhã)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar