Opinião

Da relação de socioafetividade!

diario da manha

O Di­rei­to de Fa­mí­lia em seus tem­pos atu­ais já men­ci­o­nou ha­ver vá­ri­as es­pé­ci­es de fa­mí­lia, já de­fi­niu a ques­tão da uni­ão es­tá­vel e re­co­nhe­ceu tam­bém a re­la­ção de so­ci­o­a­fe­ti­vi­da­de.

É ine­gá­vel que o di­rei­to ao re­co­nhe­ci­men­to da fi­li­a­ção tem mui­to im­pac­to na vi­da de qual­quer pes­soa, sa­ber quem são os ge­ni­to­res e to­da a sua his­tó­ria fa­mi­liar são de­se­jos co­muns e nem sem­pre pos­sí­veis, afi­nal exis­tem inú­me­ros ci­da­dã­os que se­quer co­nhe­cem sua fi­li­a­ção, ou­tros co­nhe­cem mas não tem ou não ti­ve­ram con­vi­vên­cia com os mes­mos ou um de­les.

Fa­to é que o Di­rei­to re­co­nhe­ce a fi­li­a­ção so­ci­o­a­fe­ti­va co­mo sen­do uma ver­da­de “es­co­lhi­da”, ou se­ja, o pai ou a mãe so­ci­o­a­fe­ti­vos, não são os bi­o­ló­gi­cos, mas aque­les que de­vi­do ao amor imen­su­rá­vel em seus co­ra­ções au­xi­li­a­ram na cri­a­ção des­ses fi­lhos que acre­di­tam ser jus­to o acrés­ci­mo do so­bre­no­me dos mes­mos aos seus,co­mo for­ma de agra­de­ci­men­to,de ho­me­na­gem.

Se ana­li­sar­mos não so­men­te do pon­to de vis­ta ju­rí­di­co, é ób­vio que pai e mãe são aque­les que cri­am e não ape­nas con­tri­bu­í­ram pa­ra a fe­cun­da­ção de um ser. Cri­ar sig­ni­fi­ca edu­car, amar, fa­lar não, le­var ao mé­di­co, ao den­tis­ta, en­si­nar ta­re­fas, ir às re­u­ni­ões na es­co­la, fa­zer fes­ti­nhas de ani­ver­sá­rio, ori­en­tar, en­fim, par­ti­ci­par mo­ral­men­te, emo­cio­nal­men­te e ma­te­ri­al­men­te da cri­a­ção de al­guém.

Acres­cer o so­bre­no­me do pa­dras­to ou ma­dras­ta é re­co­nhe­cer que o amor vai além do úte­ro, da fe­cun­da­ção, vem do co­ra­ção, da al­ma e a gra­ti­dão é um dos mais no­bres sen­ti­men­tos e es­cas­so tam­bém!

Atu­al­men­te o pai so­ci­o­a­fe­ti­vo que pre­ten­de acres­cer ao de seu fi­lho ou fi­lha o seu so­bre­no­me, de­ve pro­cu­rar o Car­tó­rio e so­li­ci­tar tal pro­ce­di­men­to. Im­por­tan­te es­cla­re­cer que em ca­so de di­vór­cio, feio se­ria o ato de bus­car o Car­tó­rio pa­ra fa­zer a re­ti­ra­da do so­bre­no­me do fi­lho so­ci­o­a­fe­ti­vo, afi­nal, se­pa­ra-se da mu­lher, do ma­ri­do e não do fi­lho.

Re­co­nhe­cer a fi­li­a­ção so­ci­o­a­fe­ti­va é ter con­sci­ên­cia que exis­te al­guém que não é bi­o­lo­gi­ca­men­te um pe­da­ço seu, mas é fru­to do amor in­con­di­ci­o­nal que lhe fo­ra ou­tro­ra dis­pen­sa­do. Ou­tro pon­to que me­re­ce des­ta­que diz res­pei­to ao so­bre­no­me do pai bi­o­ló­gi­co, por exem­plo: é pos­sí­vel man­tê-lo e acres­cer o do pai so­ci­o­a­fe­ti­vo.É im­pres­cin­dí­vel que as raí­zes bi­o­ló­gi­cas se­jam man­ti­das, afi­nal não se po­de apa­gar um pai ou uma mãe da vi­da de quem quer que se­ja co­mo se fos­se al­go sim­ples as­sim! Re­co­nhe­cer, amar o ge­ni­tor so­ci­o­a­fe­ti­vo é me­ri­to­so, mas não im­por­ta ne­ces­sa­ria­men­te em fa­to que ex­clua o pas­sa­do ou pre­sen­te do in­di­ví­duo.

A re­la­ção so­ci­o­a­fe­ti­va po­de ser re­co­nhe­ci­da em ca­sos de no­vos re­la­ci­o­na­men­tos de pes­so­as que já pos­su­em fi­lhos co­mo a mu­lher di­vor­ci­a­da ou vi­ú­va que cas­ou-se no­va­men­te ou pas­sou a con­vi­ver em uni­ão es­tá­vel e o fi­lho pas­sa a cha­mar e ver no es­po­so da mãe a fi­gu­ra de um pai.

O Di­rei­to de Fa­mí­lia pre­za o amor co­mo ali­cer­ce na cons­tru­ção do ca­rá­ter e da per­so­na­li­da­de nos ca­sos que en­vol­vem a fi­li­a­ção, que pai e mãe são aque­les que cri­am, que con­tri­bu­em na for­ma­çã­oe no cres­ci­men­to pes­so­al, pro­fis­si­o­nal e emo­cio­nal do ser hu­ma­no.

O amor vem com a con­vi­vên­cia, com a vi­da co­ti­dia­na e atri­bu­ir a so­ci­o­a­fe­ti­vi­da­de sig­ni­fi­ca re­sei­tar as mui­tas for­mas de ser ge­ni­tor, as vá­ri­as pos­si­bi­li­da­des de se edu­car al­guém. La­ços san­guí­ne­os são con­si­de­rá­veis mas nem sem­pre são su­fi­ci­en­tes pa­ra for­mar uma no­va vi­da, cheia de an­sei­os e dú­vi­das.

So­ci­o­a­fe­ti­vi­da­de é o fe­cun­da­ção vin­da do co­ra­ção, é a luz pa­ra mui­tos que fo­ram des­pre­za­dos ou ain­da ao acú­mu­lo de amor de pai bi­o­ló­gi­co e do co­ra­ção em re­la­ção a ou­trem, Ca­da si­tu­a­ção de­ve ser ana­li­sa­da com ca­ri­nho.

Al­guns dou­tri­na­do­res ex­pli­cam que a mai­o­ria dos fi­lhos bus­ca o re­co­nhe­ci­men­to da so­ci­o­a­fe­ti­vi­da­de sem se pre­o­cu­pa­rem so­bre a ver­da­dei­ra fi­li­a­ção; já ou­tros so­li­ci­tam que   se­ja fei­to o acrés­ci­mo do so­bre­no­me do pai so­ci­o­a­fe­ti­vo sem re­ti­rar o so­bre­no­me do pai bi­o­ló­gi­co.

A vi­da atu­al bus­ca so­lu­ci­o­nar con­fli­tos das mais di­ver­sas na­tu­re­zas, o in­di­ví­duo bus­ca ca­ri­nho na­que­les que sa­bem con­ce­dê-lo, que tem a bon­da­de es­tam­pa­da em seu co­ra­ção.

A so­ci­o­a­fe­ti­vi­da­de é pos­sí­vel tan­to em re­la­ção aos ca­sais ho­mos­se­xu­ais e he­te­ros­se­xu­ais, não faz dis­tin­ção e nem de­ve­ria,pois o que é fun­da­men­tal é o amor!

Ser pai ou mãe bi­o­ló­gi­co, ado­ti­vo,so­ci­o­a­fe­ti­vo é re­ce­ber de pre­sen­te a opor­tu­ni­da­de de en­si­nar,apren­der e sen­tir o ver­da­dei­ro amor, o in­con­di­ci­o­nal: de mãe/pai pa­ra fi­lho!

 

(Kelly Li­si­ta Pe­res, ad­vo­ga­da, pro­fes­so­ra uni­ver­si­tá­ria, es­pe­cia­lis­ta em Do­cên­cia Uni­ver­si­tá­ria, Di­rei­to Ci­vil, Di­rei­to Pe­nal e Pro­ces­so Pe­nal)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais