Opinião

Desafios para as novas famílias brasileiras

diario da manha

As bar­rei­ras e de­sa­fi­os ju­rí­di­cos e so­ci­ais pa­ra as no­vas fa­mí­lias no Bra­sil são uma tris­te re­a­li­da­de. A re­fle­xão acer­ca des­se te­ma não se res­trin­ge a tra­zer da­dos e pro­ble­má­ti­cas atu­ais en­fren­ta­dos pe­las no­vas for­ma­ções fa­mi­lia­res, mas nos le­va a bus­car o mo­ti­vo que sus­ten­ta a re­sis­tên­cia in­fun­da­da ao res­pei­to e acei­ta­ção de to­dos, in­de­pen­den­te­men­te de es­ta­rem so­zi­nhos ou for­man­do fa­mí­lias.

Até a ida­de mo­der­na, a jus­ti­fi­ca­ti­va da éti­ca ser­via de fun­da­men­to pa­ra o di­rei­to e sem­pre se apre­sen­ta­va com ca­rac­te­rís­ti­ca tran­scen­den­te, ou se­ja, sua fun­da­men­ta­ção se da­va por for­ça de uma di­vin­da­de, as­sim de­ter­mi­nan­do o que era bom ou mal.

No en­tan­to, no ce­ná­rio ju­rí­di­co e so­ci­al da atu­a­li­da­de não cau­sa es­pan­to a as­cen­são das ten­dên­cias fun­da­men­ta­lis­tas co­mo for­ma de re­a­ção ao lai­cis­mo mo­ral. Li­ber­da­de es­sa que sem­pre foi com­ba­ti­da pe­los fun­da­men­ta­lis­tas re­li­gi­o­sos por ve­rem co­mo ame­a­ça to­do aque­le que acre­di­ta em si mes­mo.

O avan­ço do con­ser­va­do­ris­mo no Bra­sil re­ve­la o quão ame­a­ça­do es­tão os di­rei­tos fun­da­men­tais ins­cul­pi­dos na Car­ta Mag­na de 1988. Não é ad­mis­sí­vel que qua­se 30 anos após a re­de­mo­cra­ti­za­ção do pa­ís ain­da se fa­le em acei­tar ou não um dis­tin­to pa­drão de fa­mí­lia que não se li­mi­te a he­te­ro­nor­ma­ti­vi­da­de.

Es­se en­fren­ta­men­to não se tra­ta de enal­te­cer as uni­ões ho­mo­a­fe­ti­vas, mas pro­te­ger ou­tros nú­cle­os fa­mi­lia­res que ca­re­ce­rão de di­rei­tos no ca­so de ser apro­va­do, por exem­plo, o Es­ta­tu­to da Fa­mí­lia (PL 6583/13).

O ci­ta­do pro­je­to de lei vi­sa re­gu­la­men­tar (ou li­mi­tar) o al­can­ce do sig­ni­fi­ca­do de “fa­mí­lia” cons­tan­te no ar­ti­go 226 da Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral. Não ob­stan­te, a fe­ro­ci­da­de em re­ti­rar di­rei­tos das uni­ões ho­mo­a­fe­ti­vas po­de­rá cau­sar in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca a ou­tros nú­cle­os fa­mi­lia­res, co­mo por exem­plo, avós e ne­tos, tios e so­bri­nhos, pa­dri­nhos e afi­lha­dos que, em­bo­ra não se­jam ju­ri­di­ca­men­te de­fi­ni­dos co­mo pa­is e fi­lhos, se re­co­nhe­cem co­mo se as­sim fos­sem.

Há, na ver­da­de, um des­cum­pri­men­to cons­ti­tu­ci­o­nal e mo­ral to­da vez que um gru­po de pes­so­as, que se di­zem re­pre­sen­tar a so­ci­e­da­de, apre­sen­tam pro­je­tos de leis que su­pri­mem di­rei­tos al­hei­os. Em pri­mei­ro lu­gar, to­da e qual­quer le­gis­la­ção que há de ser apre­sen­ta­da de­ve res­guar­dar o prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal do Es­ta­do lai­co. Em se­gun­do lu­gar, por­que o le­gis­la­ti­vo quan­do elei­to, em­bo­ra as­sim o fa­ça, não de­ve go­ver­nar pa­ra uma co­mu­ni­da­de, mas bus­car pro­mo­ver ga­ran­ti­as pa­ra uma so­ci­e­da­de.

Es­se pen­sa­men­to e for­ma de le­gis­lar é que cau­sam gran­de di­fi­cul­da­de no re­co­nhe­ci­men­to e exer­cí­cio dos di­rei­tos cons­tan­tes não ape­nas na Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral, mas nos fun­da­men­tos que a fi­ze­ram nas­cer e ser cons­tru­í­da de for­ma a não dar mais chan­ce aos re­tro­ces­sos e des­man­dos de pe­que­nos gru­pos que de­ti­nham po­der e au­to­ri­ta­ris­mo.

Faz-se ne­ces­sá­rio que não ape­nas se ga­ran­ta di­rei­tos, mas que se pro­mo­va a em­pa­tia so­ci­al en­tre os ci­da­dã­os, com o ob­je­ti­vo de res­guar­dar a pri­va­ci­da­de e es­co­lhas de ca­da in­di­ví­duo.

O res­pei­to ao pró­xi­mo es­tá in­ti­ma­men­te li­ga­do ao pró­xi­mo me res­pei­tar.

 

(Bru­no Tas­so, es­pe­cia­lis­ta em Di­rei­to de Fa­mí­lia)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais