Opinião

Opinião: Deus me livre de ser professor

diario da manha

En­tra­mos na re­ta fi­nal de mais um ano le­ti­vo. Co­mo to­do fi­nal de ano per­ce­be­mos um can­sa­ço fí­si­co e men­tal no ros­to de ca­da pro­fes­sor. Can­sa­ço que tam­bém é ma­ni­fes­to na fa­ce dos nos­sos edu­can­dos. Um dos mai­o­res er­ros da nos­sa clas­se po­lí­ti­ca e nós acei­ta­mos pas­si­va­men­te foi sem dú­vi­da as­so­ciar quan­ti­da­de à qua­li­da­de, es­pe­ci­al­men­te na edu­ca­ção. Du­zen­tos di­as le­ti­vos, no atu­al mo­de­lo  edu­ca­cio­nal é es­ta­fan­te.

A sa­la de au­la su­per­lo­ta­da, de­sin­te­res­san­te, a ro­ti­na mas­sa­cran­te, a bu­ro­cra­cia es­co­lar, tu­do is­so con­tri­bui pa­ra es­se fe­nô­me­no de fim de ano nas es­co­las, nin­guém ad­mi­te, mas to­dos que­rem mes­mo é que o ano le­ti­vo aca­be, e que ve­nha o me­re­ci­do e bre­ve re­ces­so es­co­lar. Con­tu­do por que is­so afi­nal? Qua­is fa­to­res con­tri­bu­em pa­ra es­sa fal­ta de von­ta­de de po­tên­cia nes­sa re­ta fi­nal, quan­do na te­o­ria se­ria o apo­geu de to­do tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do ao lon­go do ano?

A ra­iz eti­mo­ló­gi­ca da pa­la­vra tra­ba­lho po­de nos aju­dar a en­ten­der es­se fe­nô­me­no. A pa­la­vra tra­ba­lho vem do la­tim tri­pa­li­um, ter­mo for­ma­do pe­la jun­ção dos ele­men­tos tri, que sig­ni­fi­ca “três”, e pa­lum, que quer di­zer “ma­dei­ra”. Tri­pa­li­um era o no­me de um ins­tru­men­to de tor­tu­ra cons­ti­tu­í­do de três es­ta­cas de ma­dei­ra bas­tan­te afi­a­das e que era co­mum em tem­pos re­mo­tos na re­gi­ão eu­ro­peia. Des­se mo­do, ori­gi­nal­men­te, “tra­ba­lhar” sig­ni­fi­ca­va “ser tor­tu­ra­do”. No sen­ti­do ori­gi­nal, os es­cra­vos e os po­bres que não po­di­am pa­gar os im­pos­tos eram os que so­fri­am as tor­tu­ras no tri­pa­li­um. As­sim, quem “tra­ba­lha­va”, na­que­le tem­po, eram as pes­so­as des­ti­tu­í­das de pos­ses.

A ideia de tra­ba­lhar co­mo ser tor­tu­ra­do pas­sou a dar en­ten­di­men­to não só ao fa­to de tor­tu­ra em si, mas tam­bém, por ex­ten­são, às ati­vi­da­des fí­si­cas pro­du­ti­vas re­a­li­za­das pe­los tra­ba­lha­do­res em ge­ral: cam­po­nes­es, ar­te­sã­os, agri­cul­to­res, pe­drei­ros etc. A par­tir do la­tim, o ter­mo pas­sou pa­ra o fran­cês tra­vail­ler, que sig­ni­fi­ca “sen­tir dor” ou “so­frer”. Com o pas­sar do tem­po, o sen­ti­do da pa­la­vra pas­sou a sig­ni­fi­car “fa­zer uma ati­vi­da­de exaus­ti­va” ou “fa­zer uma ati­vi­da­de di­fí­cil, du­ra”. Só no sé­cu­lo XIV co­me­çou a ter o sen­ti­do ge­né­ri­co que ho­je lhe atri­bu­í­mos, qual se­ja, o de “apli­ca­ção das for­ças e fa­cul­da­des (ta­len­tos, ha­bi­li­da­des) hu­ma­nas pa­ra al­can­çar um de­ter­mi­na­do fim”.

So­mos tra­ba­lha­do­res da edu­ca­ção, li­da­mos com o co­nhe­ci­men­to, de­ve­rí­a­mos sen­tir­mo-nos tor­tu­ra­dos, tal qual os an­ti­gos es­cra­vos, que de­ram ori­gem a pa­la­vra tra­ba­lho?

Na pers­pec­ti­va dos aman­tes do co­nhe­ci­men­to, da sa­be­do­ria, aque­les que pra­ti­ca­vam o ócio em opo­si­ção ao ne­gó­cio, os fi­ló­so­fos se di­vi­di­am em dois gru­pos: os em­pi­ris­tas e os ra­ci­o­na­lis­tas. Os em­pi­ris­tas pro­pu­nham que nos­so co­nhe­ci­men­to ad­vi­nha das ex­pe­ri­ên­cias, nos­sa men­te se­ria co­mo uma fo­lha em bran­co que se­ria pre­en­chi­da por es­sas ex­pe­ri­ên­cias, for­man­do ra­bis­cos. Es­ses ra­bis­cos es­tu­da­dos com cui­da­do da­ria ori­gem à ci­ên­cia. Já os ra­ci­o­na­lis­tas acre­di­tam na ra­zão e de­fen­di­am o pos­tu­la­do de que o co­nhe­ci­men­to ad­vi­nha da ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al dos se­res e não das ex­pe­ri­ên­cias. Tan­to os em­pi­ris­tas quan­do os ra­ci­o­na­lis­tas di­ver­gi­ram o tem­po to­do. Em­ma­nu­el Kant pro­pôs a jun­ção de am­bos por meio da ideia de su­jei­to tran­scen­den­tal, lo­go es­se su­jei­to pos­sui a pos­si­bi­li­da­de do co­nhe­ci­men­to, unin­do à ra­zão a ex­pe­ri­ên­cia.

Por meio da ex­pe­ri­ên­cia e da ra­zão con­si­go fa­zer as­so­cia­ções pa­ra com­pre­en­der es­se fe­nô­me­no de des­gas­te li­ga­do à car­rei­ra do­cen­te. Sen­ti­mo-nos can­sa­do ao fi­nal des­se ci­clo de seis mes­es por­que, ao in­vés da es­co­la ser um lo­cal li­ga­do a sa­tis­fa­ção pro­fis­si­o­nal, ela tor­na-se um lu­gar pe­no­so e de so­fri­men­to. Is­so evi­den­te que não se dá de ma­nei­ra ex­pli­ci­ta, pe­lo con­trá­rio o ser hu­ma­no su­bli­ma es­se so­frer em si­tu­a­ções tais que es­se pa­de­ci­men­to pas­sa até mes­mo des­per­ce­bi­do, mas que se re­fle­te nos fe­ri­a­dos ou nos fins de se­ma­na, quan­do o pro­fes­sor pas­sa (quan­do a ro­ti­na da ca­sa per­mi­te, quan­do não tem pro­vas pa­ra cor­ri­gir, pla­nos de au­las pa­ra fa­zer…) o dia to­do ape­nas ve­ge­tan­do da ca­ma pa­ra o so­fá da sa­la, do so­fá da sa­la pa­ra a ca­ma.

O pro­fes­sor An­tó­nio Nó­voa nos fa­la de uma es­co­la trans­bor­dan­te, por­que é uma es­co­la que as­su­me pa­ra si, inú­me­ras res­pon­sa­bi­li­da­des. Des­de a es­co­va­ção dos den­tes, pas­san­do pe­la hi­gi­e­ne pes­so­al do alu­no, os en­si­na­men­tos da ba­se pri­má­ria da edu­ca­ção, a nu­tri­ção, a as­sis­tên­cia so­ci­al e ain­da en­si­nar a ler, es­cre­ver, in­ter­pre­tar e ser crí­ti­co (ufa, fi­quei can­sa­do ape­nas de es­cre­ver) O pro­fes­sor es­tá can­sa­do por­que as­su­me inú­me­ras ta­re­fas que fo­gem a sua es­pe­cia­li­da­de que se­ria de pro­mo­ção do co­nhe­ci­men­to de ba­se tran­scen­den­tal na pers­pec­ti­va kan­ti­a­na.

Mas o que fa­zer pa­ra mu­dar es­sa re­a­li­da­de? As­su­ma as ré­de­as da sua pro­fis­são, não se tor­ne es­cra­vo do tra­ba­lho. Trans­gri­da o tem­po to­do, na Gaia Ci­ên­cia, Ni­etzsche evi­dên­cia “Até ho­je, fo­ram os es­pí­ri­tos mais for­tes e os mais ma­lig­nos que obri­ga­ram a hu­ma­ni­da­de a fa­zer mais pro­gres­sos: in­fla­ma­ram cons­tan­te­men­te as pai­xões ador­me­ci­das- to­das as so­ci­e­da­des po­li­ci­a­das as ador­me­cem- eles des­per­ta­ram cons­tan­te­men­te o es­pí­ri­to de com­pa­ra­ção e de con­tra­di­ção, o gos­to pe­lo no­vo, pe­lo ar­ris­ca­do, pe­lo inex­pe­ri­men­ta­do; obri­ga­ram o ho­mem a con­tra­por opi­ni­ões a opi­ni­ões, mo­de­los  a mo­de­los”. Pre­ci­sa­mos trans­gre­dir pa­ra des­tru­ir os mu­ros e as pa­re­des des­sa ve­lha no­va es­co­la. Nos pro­fes­so­res de­ve­mos exer­cer nos­sa au­to­no­mia, en­ten­di­da co­mo a ca­pa­ci­da­de de go­ver­nar-se pe­los pró­prios mei­os. A au­to­no­mia se­gun­do Kant  con­sis­te na ca­pa­ci­da­de da von­ta­de hu­ma­na de se au­to­de­ter­mi­nar se­gun­do uma le­gis­la­ção mo­ral por ela mes­ma es­ta­be­le­ci­da, li­vre de qual­quer fa­tor es­tra­nho ou exó­ge­no com uma in­flu­ên­cia sub­ju­gan­te, tal co­mo uma pai­xão ou uma in­cli­na­ção afe­ti­va in­co­er­cí­vel.

Não se­ja­mos he­te­rô­no­mos, não caia no en­fa­do­nho dis­cur­so de fa­zer tu­do is­so pe­la sal­va­ção da so­ci­e­da­de. Es­sa é mi­nha fi­lo­so­fia. A es­co­la não é a deu­sa Pa­na­cea, es­co­la de­ve­ria es­tar mais pa­ra Mi­ner­va. Pois ca­so con­trá­rio con­ti­nu­a­res a ser a Sí­si­fo.

 

(Edergenio Vieira, po­e­ta e pro­fes­sor na Re­de Mu­ni­ci­pal de En­si­no de Aná­po­lis. Ins­ta­gram Eder­ge­nio)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais